Você já foi em um daqueles restaurantes que, com o objetivo de fazer com que os clientes passem momentos agradáveis e civilizados conversando entre si, pedem para que os celulares e smartphones fiquem em uma caixa, e o primeiro que tira o seu dispositivo da caixa paga toda a conta?

Então, isso está ficando cada vez mais popular no Brasil e ao redor do mundo. As pessoas simplesmente perderam a mão do uso do smartphone em locais públicos, e alguém precisa impor algum tipo de limite.

OK. Um hotel em Nova York está levando isso ao extremo, em um ato considerado bárbaro por muitos geeks: está encarcerando o smartphone em jaulas. O objetivo disso? Desintoxicação do hóspede.

Essa é a principal proposta do Hotel James, que tem uma proposta no mínimo interessante para quem quer se livrar do vício no smarpthone e economizar uma grana. Para quem aceitar prender o seu telefone durante o período de hospedagem no estabelecimento, o hotel oferece 10% de desconto no valor total de sua estadia.

O smartphone é devidamente acondicionado em uma caixa forte com um temporizador, que mostra quanto tempo falta para a porta do receptáculo se abrir e você voltar a ter uma vida absolutamente normal e conectada.

No papel, a ideia é linda. Porém, quando você viaja para uma cidade hiper-conectada como é Nova York, ficar completamente offline é quase como cometer um suicídio tecnológico. Nesse caso, é melhor você viajar para as montanhas ou para uma praia onde o sinal de celular é péssimo ou inexistente.

Por outro lado, os 10% de desconto podem render para você pelo menos uma fatura pré-paga para usar um chip local com o seu celular antigo em modo silencioso, e assim compartilhar com o mundo os melhores momentos de sua viagem.

Se bem que isso é trapacear o hotel, e você não vai tentar essa gambiarra da vida, certo?

Mas… será que essa ideia do hotel de Nova York pegaria no Brasil? No Rio de Janeiro, por exemplo?

Entendo que cada um é dono de suas decisões, e cada pessoa sabe do quanto precisa do seu smartphone. A iniciativa pode até ser benéfica para algumas pessoas, mas não deixa de ser mais um interessante movimento comercial.

 

Via James Hotel