HTC Dream, o primeiro Android do mundo, 13 anos depois | @oEduardoMoreira Press "Enter" to skip to content
Início » Smartphones » HTC Dream, o primeiro Android do mundo, 13 anos depois

HTC Dream, o primeiro Android do mundo, 13 anos depois

Compartilhe

Vou falar (de novo) do HTC Dream, ou T-Mobile G1 nos Estados Unidos.

Este foi o primeiro Google Phone da história, ou o primeiro smartphone com o sistema operacional Android do mundo. Chegou ao mercado em outubro de 2008 e, de lá para cá, a evolução do mercado de smartphones foi algo notável.

Ele era um smartphone com um Android bem básico, tela touch e teclado QWERTY, e bem longe de ser perfeito por não contar com um conector para fones de ouvido de 3.5 mm (chupa, Apple… você pensa que lançou tendência?), não gravava vídeos e o seu áudio era horrível.

De qualquer forma, o HTC Dream marcou um antes e um depois no mercado de mobilidade. Abriu as portas para um universo infinito de dispositivos com o sistema Android, e é a pedra fundamental para o cenário que hoje conhecemos.

 

 

 

Muito diferente do que temos hoje

 

 

O T-Mobile G1 não era o smartphone mais elegante do mundo, mas contava com uma construção sólida. Mesmo contando com um teclado físico, recebia uma tela touch, e a orientação da interface mudava automaticamente da vertical para a horizontal quando aberto.

Você só podia rolar pela pela de 3.2 polegadas (480 x 320 pixels) Nada de zoom no conteúdo. E os seus 256 MB de armazenamento (expansíveis via microSD de até 1 GB), trabalhando com 192 MB de RAM era tudo o que você tinha para tentar utilizar o dispositivo de forma decente.

Lembrando que 1 GB de microSD era o suficiente para armazenar até 11 músicas em MP3. Uau!

O T-Mobile G1 ainda contava com uma câmera de 3 MP que só registrava fotos (sem qualquer tipo de ajuste), além de um GPS integrado. Sua bateria de 1150 mAh pode parecer insuficiente para os dias de hoje, mas por conta de suas especificações técnicas, o modelo oferecia uma autonomia de aproximadamente 24 horas.

O mais chamativo do seu software era o ineditismo do Android, que entregava integração com os produtos do Google (Gmail, Google Mapas, Google Calendar, YouTube, etc). Ah, sim… para ver vídeos em “máxima qualidade” no YouTube, só na conexão WiFi.

Também era possível encontrar os primeiros esboços da Play Store (Android Market em 2008), que recebia um número muito limitado de aplicativos. Mesmo assim, era o começo do monstro que conhecemos hoje.

 

 

 

Uma pequena joia da tecnologia

 

 

O HTC Dream (ou T-Mobile G1) é uma joia rara da tecnologia. Um legado importante que não será esquecido. E 13 anos depois do seu lançamento, é curioso olhar para ele hoje e pensar que muitos de nós desejaram usar um produto considerado tão limitado nos aspectos técnicos.

O principal objetivo deste post é reforçar o sentimento de nostalgia que existe dentro de nós, geeks velhos pobres e cansados. Além disso, é também uma forma de fazer os usuários mais novos pararem de reclamar do smartphone que ganhou dos pais, que pode ser limitado, mas não a ponto de ser um Android de 2008.

Tá, tudo é uma questão de perspectiva, e você gostaria de um smartphone Android melhor. Mas é o que você tem para hoje. Trabalhe e compre um Galaxy S20 (enquanto ele ainda está no mercado).

 


Compartilhe
@oEduardoMoreira