Eu adoro o que faço. Adoro escrever em blogs, adoro falar sobre tecnologia, e não nego que é bom ganhar dinheiro com blog. Poucos conseguem, e esses poucos só conseguiram com muito trabalho e dedicação. Porém, uma das coisas que me preocupo em ter nos blogs que são de minha propriedade é a tal imparcialidade editorial. Principalmente quando escrevemos sobre coisas com forte apelo popular.

Não estou falando dos blogs temáticos. Mesmo porque os temáticos escolheram um assunto, e seguiram firmes nesse propósito. O que me incomoda é ler certas publicações que, ou explicitamente pendem as suas publicações para apenas um lado da história, ou que fazem questão de não publicar os dois lados da questão da mesma forma.

Veja bem, quando escrevo sobre vários temas no TargetHD e no Spin-Off, eu escrevo porque gosto dos assuntos tratados, mas principalmente porque acredito que é a minha obrigação escrever a maior variedade de conteúdo possível, mostrando sempre uma grande variedade de temas, e buscando manter o mesmo respeito sobre os assuntos tratados.

Infelizmente, não vejo isso em alguns veículos específicos.

Sabe, estamos em 2012. É muito difícil afirmar que “as pessoas não se interessam por certos assuntos”. Ora, como saber, se esses assuntos nunca são sugeridos? Será que vamos viver na obsolescência de viver de apenas um tema, um assunto, uma marca? Onde será que vivemos? Na China?

Eu acho que não!

Quanto maior a variedade de assunto, maior é o publico, e maiores são as chances de mais pessoas se interessarem por temas novos. Na era da internet, não podemos ser mais “monotemáticos”, ou viciados em apenas um assunto. Dentro de cada segmento, muitas outras soluções e variantes aparecem todos os dias, mostrando que o mundo é rico em possibilidades. E nós, Blogueiros independentes (e inteligentes) temos a obrigação de oferecer uma maior pluralidade de informação. A verdade não é uma só, e ficar falando da mesma coisa o tempo todo é um pé no saco (fora que pode soar tendencioso e manipulados em alguns casos).

Fica a dica. E, antes que você diga “quem manda no meu blog sou eu”, eu respondo:

Tudo bem. Eu sei. Mas isso não muda o fato que meus argumentos fazem sentido e, no mínimo te colocaram para pensar.