iOS9

O iOS 9, nova versão do sistema operacional móvel da Apple, é algo bem vindo, de um modo geral. Além de trazer novidades interessantes aos dispositivos da empresa (iPhones, iPads e iPod touch compatíveis), amplia as possibilidades de uso, além de reforçar a nova proposta de interação nos novos iPhone 6s e iPhone 6s Plus, com o 3D Touch. Porém, ele não está imune das dores de cabeça que um novo software traz. Mas que, pela experiência da Apple, não deveriam trazer.

Não demorou muito para os usuários detectarem problemas no iOS 9, e até entendo que isso seja considerado “normal”, já que todo novo software pode trazer falhas, mesmo depois de meses de testes. Porém, a Apple conhece o iOS de forma tão profunda, que começa a ser inexplicável como alguns problemas primários aparecem a cada nova atualização.

Um exemplo: recentemente, o @GordoGeek publicou um post em seu blog falando dos problemas que ele enfrentava na hora de realizar chamadas com um iPhone 6 depois da atualização. Também falou das dificuldades que teve ao entrar em contato com o suporte da Apple, que basicamente deixou ele “a ver navios”. Ou seja, a empresa “perfeita” que muitos pintam simplesmente não existe, mas esse nem é o ponto. Vou me centrar no que realmente importa.

Um iOS 9 que não completa chamadas, ou que apresenta instabilidades a ponto de reiniciar o dispositivo durante as chamadas, ou que impossibilita a atualização para a nova versão (bloqueando a chave slide para liberar o update) são erros que eu considero primários demais para uma empresa que tem o controle pleno do seu software. A Apple já deveria compreender o próprio software, a ponto de não mexer na área onde tudo funciona bem, e evitar alterar áreas que interfiram diretamente nas funções que estão funcionando bem.

A seguir, o vídeo onde o @GordoGeek mostra o problema com o seu iPhone 6 com iOS 9 (detalhe: ele tem dois aparelhos, onde um deles mostra claramente a anormalidade).

 

Ok, problemas existem, eles acontecem. É um software novo. A Apple sabe que o iOS 9 chegou com problemas, e rapidamente lançou a primeira atualização corretiva para o sistema operacional móvel, o iOS 9.0.1. Vários problemas (aparentemente) foram resolvidos, mas pelo visto, nem todos. Ou alguns problemas novos apareceram.

Um desses problemas foi divulgado recentemente. Um bypass (combinação de teclas que dão acesso à funções e áreas específicas do sistema) acionado no novo software oferece acesso às fotos, mensagens e contatos armazenados no dispositivo. E, apesar do seu funcionamento depender de um acionamento de teclas muito rápido e preciso, além de depender da ajuda do assistente Siri, ele pode ser executado pelos mais habilidosos.

Detalhe: essa falha já estava presente no iOS 9.

 

Repito: tais brechas não poderiam mais existir em um software que é absurdamente controlado pela Apple, e que é testado por milhares de beta testers e desenvolvedores ao longo de meses. São brechas que todo sistema operacional possui, mas no caso da Apple a situação se torna ainda mais crítica.

E, antes que você diga “o Windows tem problemas piores, e você não fala nada…”, quero lembrar que o sistema operacional da Microsoft possui uma arquitetura muito mais complexa, não só por ser um sistema operacional completo (e não móvel), com um funcionamento que está adaptado para desktops, notebooks, tablets e smartphones no caso do Windows 10. O software da Microsoft precisa “conversar” com o hardware de centenas de fabricantes, que desenvolvem periféricos, acessórios e componentes para esse sistema operacional.

Essas variáveis aumentam de forma considerável as chances de falhas no Windows, já que não é a Microsoft que trabalha sozinha, controlando tudo, com o seu próprio hardware. Nesse aspecto, o trabalho da Apple é muito menor: eles controlam absolutamente tudo, com o hardware feito sob medida para trabalhar com o software, sem a interferência terceiros.

Pode ser uma conversa banal, chover no molhado, ou falar o óbvio. Mas depois de oito anos desenvolvendo o iOS, encontrar problemas considerados primários em um software que já está em um ponto de maturidade desse porte é algo que precisa ser observado. E sim… estou sendo mais severo com a Apple. Porque é a Apple. A empresa que se considera “impecável” em tudo o que faz.