A resposta mais simples, direta e objetiva para todo fã da Apple é “todos, oras!”. Mas para a maioria, a questão não é tão simples assim. Para a grande maioria, o que pesa nessa equação é o fator preço e a pergunta “o que preciso mais de um determinado dispositivo?”. E essa é uma dúvida bem comum entre os usuários de tecnologia, especialmente os iniciantes. Afinal, a gama de dispositivos ficou bem grande: iPad com Tela Retina, iPad 2, iPad Mini, iPhone 4, iPhone 4S, iPhone 5, iPod Touch de quarta geração…

Confuso, não? Então, esse post serve para ajudar na sanidade mental dos indecisos, que estão com pouco dinheiro no bolso e precisa fazer uma escolha (e apenas uma escolha) dentro do universo de iDevices. A ideia aqui é mostrar as principais diferenças e características de uso entre os dispositivos, indo um pouco além da ideia que um dispositivo faz exatamente a mesma coisa que o outro, e a única diferença está no fato que um tem tela de 3.5 polegadas, outro tem tela com 4 polegadas, aí vem aquele com tela de 7.9, o outro com tela de 9.7, e por aí vai.

iPad Mini

Prós: é um iPad mais compacto e mais portátil, assim como os seus concorrentes de categoria (Kindle Fire HD e Nexus 7), além de contar com total compatibilidade com todos os aplicativos do iPad e do iPhone. Além disso, o modelo possui uma ótima autonomia de bateria (10 horas de uso) para um produto com suas dimensões, e para um produto com os padrões da Apple, tem um preço relativamente baixo (de novo, se levarmos em conta que é um produto da Apple).

Contras: este é o único dos novos dispositivos da Apple com iOS sem contar com a tela Retina, além de contar com um processador bem mais fraco que o novo iPad de quarta geração. Tais restrições foram feitas para deixar o produto mais acessível para a maioria dos potenciais (novos) consumidores.

Quem deve comprar? Todo e qualquer ser humano que precisa economizar dinheiro, obviamente, desde que essa economia resulte em um valor total inferior ao iPad de quarta geração. Também é recomendado para aqueles que não se importa com a presença da tela Retina, ou para quem considera ter um segundo iPad, para um uso mobile. Também é recomendado para quem quer dar de presente para os filhos, e principalmente, para quem sempre quis usar o iPad em qualquer lugar, mas o tamanho e o peso do modelo original sempre impediram que isso acontecesse.

iPad de quarta geração

Prós: é bem mais rápido que os modelos mais baratos, a bela tela Retina e gráficos otimizados para games.

Contras: é mais pesado, é maior que o iPad Mini, e não tem muitas diferenças técnicas para a última (e finada) geração do iPad.

Quem deve comprar? Aquele que nunca teve um iPad antes. Para quem encara o iPad como uma alternativa para o notebook em termos de portabilidade (um dispositivo mais leve que o seu notebook para navegar na internet em qualquer lugar, mas com uma tela boa o suficiente para ter o mínimo de produtividade). É perfeito para leitura e visualização de textos, vídeos e imagens, execução de jogos e para diversos propósitos profissionais de diferentes áreas. Entretanto, se você comprar (ou já comprou) um iPad de terceira geração, você não precisa trocar para o iPad de quarta geração agora. A não ser que você tenha dinheiro sobrando, e não se importe de gastá-lo.

iPod Touch de quinta geração

Prós: possui uma tela Retina de 4 polegadas, assim como iPhone 5, uma boa câmera com LED flash, uma boa autonomia de bateria, praticamente todas as principais funcionalidades que você vai encontrar no iPhone 5, 32 GB de armazenamento de músicas, fotos e vídeos, além de ser um player muito fino.

Contras: não é tão ágil quanto o iPhone 5 na execução de suas funções, por causa de sua restrição de hardware (processador), além da obviedade de não contar com a função de celular.

Quem deve comprar? O iPod Touch é hoje, por excelência, um iPhone, mas sem a função “Phone” (vocês me entenderam…). Por outro lado, quem tem um iPhone sabe que ele não é o produto ideal para você exclusivamente ouvir músicas. Ele possui o player de música como item adicional, mas não é a mesma coisa de ter um produto exclusivamente pensado para os amantes da música. Logo, o iPod Touch é para quem quer comprar um player musical completo e poderoso, ou para aqueles que não precisam comprar um iPad Mini para ver textos em uma tela, mesmo que seja consideravelmente menor. Também é pensado naqueles que não contam com essa grana toda para comprar um iPhone ou iPad, sem falar na economia que pode ser gerada por não ter que pagar um plano de dados para navegar eventualmente na internet. Pode ser um compacto e-reader, navegador de internet e player musical. Para os menos exigentes.

Algumas recomendações rápidas:

– se você é um usuário Windows, mas tem curiosidade em ver como o iOS funciona, compre um iPad Mini.
– se você quer se exibir com o lançamento mais legal da Apple no ano (não recomendamos isso), compre um iPad Mini.
– se você prioriza um produto com ótimo desempenho, compre um iPad de quarta geração.
– se você tem um desktop, e quer uma alternativa ao laptop, compre um iPad de quarta geração.
– se você tem um MacBook Air e um iPhone, compre um iPad Mini.
– se você quer comprar o seu primeiro iPad, e quer o melhor, compre um iPad de quarta geração.
– se você está comprando o seu segundo iPad, compre um iPad Mini.
– se o seu orçamento está limitado, compre um iPad Mini ou considere a compra do iPod Touch.
– se você é um viciado em música, e não tem um iPhone, compre um iPod Touch.
– se você quer a melhor câmera, compre um iPod Touch.
– se você não tem um smartphone, compre um iPod Touch.
– se você quer um bom e-reader (entre outros recursos), compre um iPad Mini.
– se você quer um dispositivo com tela Retina, mas não quer pagar muito por isso, compre um iPad de terceira geração (procure, que você ainda acha nos e-commerces nacionais).