iphone-5c-topo

Era para ser o iPhone ‘barato’. Nunca foi. O iPhone 5c simplesmente era o iPhone 5 com uma carcaça de plástico e custando o mesmo preço, o que elevava os lucros da Apple sem muito esforço. Seu processador (A6) é obsoleto, deixando de fora os benefícios presentes no iPhone 5s (Touch ID, gravação de vídeo em câmera lenta, updates de futuras versões do iOS). Um erro da Apple (e de quem comprava o dispositivo).

O iPhone 5c desapareceu do catálogo da Apple com a apresentação dos novos iPhone 6s e iPhone 6s Plus, o que é um indício claro que as vendas desse modelo nunca foram excepcionais. A demanda do iPhone 5c sempre esteve muito abaixo do modelo superior, e os números de vendas dos últimos modelos deixam claro que a Apple não vai tentar de novo lançar um iPhone de plástico.

 

O sucesso ou fracasso do iPhone 5c é difícil de se quantificar

650_1200

O iPhone 5c não era mais que um iPhone 5 recondicionado, permitindo que a Apple aproveitasse as linhas de produção do modelo anterior, com pequenas modificações externas (aka carcaça de plástico), obtendo assim uma maior margem de lucro. Um ano depois, os processadores A6 e os demais componentes ficaram mais baratos (12% a menos que o iPhone 5s, segundo alguns estudos).

A Apple nunca revelou dados concretos de vendas do iPhone 5c, mas analistas deixam claro que o interesse por esses modelos em países como a China era muito inferior ao que geraram na época (meados de 2014) o iPhone 5s e até o iPhone 5. Ainda que os dados sejam discutíveis, tudo indica que eles são semelhantes no restante do mundo. Exceto em casos pontuais, como no Brasil, onde vejo muita gente com o dito iPhone 5c de 8 GB de armazenamento, junto ao público que antes compraria um Android de linha média.

Leia também:  R$ 3.500: é o 'número mágico' para smartphone premium no Brasil

Fato é que a própria Apple ‘admitiu’ essa situação ao lançar a versão com 8 GB do iPhone 5c, no lugar dos 16 GB da versão original. Apenas para estancar as perdas em função da relação custo-benefício nada favorável.

Por outro lado, também temos indícios de sucesso do iPhone 5c. O AppleInsider informou que sse modelo superouo em vendas todos os modelos de franquia de outros fabricantes, com uma estimativa de 12.8 milhões de unidades vendidas, contra os 9 milhões de unidades vendidas pela Samsung no mesmo período (quarto trimestre de 2013) nos Estados Unidos.

A Apple nunca confirmou ou desmentiu os números, mas é evidente que o resultado para eles não foi o satisfatório, já que eles não lançaram novos iPhones de plástico: em setembro de 2014, foram lançados o iPhone 6 e iPhone 6 Plus, abandonando de vez os modelos de 4 polegadas. O resultado? Um sucesso absoluto para a Apple.

 

Por que ganhar dinheiro quando você pode ganhar MUITO MAIS DINHEIRO?

iphone-5c-02

A Apple não pensa no volume de vendas, mas sim nas marges de lucro. Os resultados do iPhone 5c deixaram claro que a sua produção deveria ser encerrada, mesmo porque o alvo desse empresa nunca foi os mercados emergentes.

Tim Cook deixou claro essa filosofia da Apple. Na WSJD Live Conference realizada em 2014, ele foi questionado sobre a potencial entrada da empresa nos mercados emergentes. Cook respondeu da forma mais contundente possível: “iremos tão fundo possível sempre que pudermos manter a experiência do usuário”.

A Apple nunca teve a intenção de oferecer um iPhone barato, e alguns analistas deixaram claro há mais de um ano que o experimento com o iPhone 5c não foi o que eles esperavam. O prestígio buscado pela Apple não era tão apreciado no iPhone de plástico. A Apple sempre foi exclusivista por natureza, com um marketing que retratava essa experiência e o estilo de vida ‘elite’, e eles não podem ser o fabricante do produto top de linha e do produto acessível ao mesmo tempo. Hoje, não mais.

Leia também:  O mercado está mesmo saturado de dispositivos Android?

iphone-5c-03

Isso foi confirmado com o lançamento dos iPhones com telas de 4.7 e 5.5 polegadas, e o sucesso foi evidente: 75 milhões de unidades vendidas no último trimestre de 2014. O iPhone 5c foi um bom experimento para tentar ganhar dinheiro com um produto recondicionado que aumentava as margens de lucro, mas sua demanda não foi suficiente.

Os novos iPhones 6/6 Plus deixavam de lado a ideia de ‘velho renovado’, oferecendo aos usuários modelos com diferentes tamanhos, mas com praticamente as mesmas especificações. O interesse pelos dois modelos mostrou claramente para a Apple que era possível ganhar mais dinheiro com dois produtos novos do que com um novo e outro recondicionado.

E se tem uma coisa que a Apple se caracteriza é o desejo quase obsessivo de querer lucrar ao máximo em cada um de seus lançamentos. Confirmam isso até nos novos iPhone 6s e iPhone 6s Plus, cujo modelo base conta com 16 GB de armazenamento, algo que gerou muitas críticas no ano passado, mas que certamente dá lucro para eles. Senão, esse modelo base já teria passado para 32 GB bem antes.

A Apple é uma empresa, e como tal, quer maximizar os seus lucros, minimizando os custos. O iPhone 5c não tem muito sentido dentro dessa filosofia, e os últimos dois anos deixaram claro que esse experimento não será repetido.

E eu cantei essa bola lá atrás. Afirmei sem medo de errar que o iPhone 5c era um erro.