Compartilhe

Ah, Kanye West… alguém precisa cuidar desse moço.

Não é a primeira vez que o rapper se manifesta de forma estranha nas redes sociais, e os seus mais de 30 milhões de seguidores no Twitter testemunharam a declaração onde ele afirma que teve uma visão para criar uma versão cristã do TikTok.

Isso mesmo que você acabou de ler. Kanye West quer um JesusTok.

 

 

 

Jesus Walks… and dance in TikTok

 

Kanye fez a afirmação EM CAIXA ALTA, GRITANDO, alegando que vê o TikTok como uma filha sua e “como um pai cristão, se sente perturbado com o conteúdo” publicado pelo aplicativo.

 

 

Será que só os pais cristãos estão preocupados com isso? Ou apenas aqueles que se dizem cristãos, mas apoiaram Donald Trump?

Kanye também garante que “ama por completo a tecnologia” do TikTok e, por isso, propõe a criação do JesusTok, se oferecendo para colaborar com a ByteDance para o desenvolvimento dessa versão do aplicativo que “seria seguro para as crianças e para o mundo”.

 

 

Então quer dizer que Kanye West deixou de fazer músicas incríveis para se tornar um desenvolvedor de tecnologia… Humm… interessante… talvez por isso ele esteja meio quebrado financeiramente…

Vale lembrar que Kanye West dedicou os últimos 10 anos de sua carreira para ser um artista voltado para a sua espiritualidade, a ponto de se tornar um obcecado em levar a palavra de Jesus para a maioria de suas ações.

Em junho, Kanye anunciou a sua candidatura à Presidência dos Estados Unidos (cumprindo uma promessa feita no MTV VMA de 2016), confirmando que não mais aprovava as posturas de Donald Trump, a quem defendeu de forma fervorosa no passado.

Não sabemos se o JesusTok vai se materializar, mas o futuro do TikTok está na mesa. Trump fez com que a venda dos ativos da ByteDance fosse acelerada, e a Microsoft já manifestou o interesse em ficar com a parte norte-americana (e de outros países de fala inglesa) do app.

Além disso, a Oracle Corporation também estaria interessada em ficar com o TikTok nos Estados Unidos, Canadá, Austrália e Nova Zelândia. Há quem diga que a compra dessas operações pode ficar entre US$ 10 bilhões e US$ 50 bilhões.

Vamos esperar para ver o que vai acontecer.


Compartilhe