Press "Enter" to skip to content
Início » Esportes » Lewis Hamilton, 945 dias depois

Lewis Hamilton, 945 dias depois

Compartilhe

945 dias.

Muitas coisas em nossas vidas simplesmente deixam de existir depois de tanto tempo. Pelo menos 50% dos casamentos terminam após o primeiro ano, treinadores de futebol são demitidos, e é tempo suficiente para um time cair para a série B do Brasileirão e voltar no ano seguinte para a série A, como se nada tivesse acontecido.

Em dois anos e meio, Lewis Hamilton saiu de uma vitória épica no GP da Arábia Saudita em 5 de dezembro de 2021 (onde quase virou a temporada daquele ano) para vencer em casa, no GP da Inglaterra, na sua última dança pela Mercedes, em 7 de julho de 2024.

E viveu um autêntico inferno astral entre uma vitória e outra.

 

A maioria teria desistido

Todo o episódio do GP de Abu Dhabi de 2021 e suas consequências, os carros pavorosos que a Mercedes desenvolveu ao longo dos últimos anos, todos os questionamentos levantados sobre ele, incluindo aqueles que vinham de dentro da própria equipe, as críticas, o racismo, George Russell aparecendo para representar o novo, o etarismo…

Lewis Hamilton teve que aguentar tudo isso ao longo de dois anos e meio, entre uma vitória e outra.

Não sei se teria saúde mental e emocional para aguentar toda essa pressão. Acredito que teria desistido ou sucumbido diante de tantos eventos ruins em escala.

Mas como Lewis Hamilton não se tornou heptacampeão mundial desistindo de todos os desafios que enfrentou ao longo da carreira… vejo um ser humano forte chorando como criança nos braços dos pais após a vitória 104 de sua carreira… e está tudo bem.

Ele se permitiu a se emocionar diante de uma conquista muito desejada ao longo de 945 dias, pois Lewis Hamilton é humano e precisava desabafar toda a dor que trazia dentro de si.

Precisava eliminar dúvidas e dissipar fantasmas.

Precisava escrever (mais uma vez) o seu nome na história.

 

Os recordes quebrados pela vitória 104

A 104ª vitória de Lewis Hamilton foi a mais emocional para o piloto inglês, que afirmou que não conseguia parar de chorar após a linha de chegada.

Além disso, foi uma vitória lotada de recordes quebrados, o que significa muito para consolidar o legado de Lewis como o maior piloto de todos os tempos na Fórmula 1.

A seguir, compartilho os recordes quebrados por Hamilton com essa vitória no GP da Inglaterra:

  • Hamilton encerrou uma sequência de 56 corridas sem vencer – sua última foi na Arábia Saudita 2021.
  • Foi sua nona vitória em Silverstone – um recorde da F1 em um único circuito.
  • Com 39 anos e 182 dias, ele é o mais velho vencedor de corridas de F1 do século 21.
  • Foi seu 12º pódio consecutivo em Silverstone e seu 15º no total no local, ampliando seu recorde de F1 para um único circuito.
  • Ninguém nunca venceu um Grande Prémio para além da sua 300ª largada – esta foi a 344ª de Hamilton.
  • Hamilton é o sexto vencedor nas primeiras 12 corridas de 2024 – foram apenas três vencedores em todo o ano de 2023.
  • Com 17 anos e um mês entre a sua primeira vitória na carreira e essa, Hamilton tem o intervalo recorde de todos os tempos (Kimi Raikkonen passou 15 anos entre a sua primeira e última vitórias).
  • Foi o 150º pódio de Hamilton pela Mercedes e o 199º de sua carreira.
  • Ele é o primeiro piloto fora de Norris ou da Ferrari a vencer o prêmio de Piloto do Dia em 2024.

Por esses (e outros) motivos, a vitória 104 de Lewis Hamilton é emblemática e especial. Ela diz mais do que apenas um número ou um piloto cruzando a linha de chegada para receber a bandeirada dada pelo Brian May. Ela é a conquista de quem persistiu e não desistiu.

Pensar que um campeão como Hamilton pode chorar copiosamente no final de sua conquista mais do que centenária é um traço de humanidade que apenas os vencedores demonstram em público.

Em um mundo onde as pessoas são cobradas o tempo todo por demonstrar sentimentos em público, ver Hamilton comemorando a vitória 104 como se fosse a primeira me mostra como deve ser a minha reação diante de algo muito grande.

E Hamilton mostrou que é gigante, principalmente por suportar o seu calvário ao longo de enormes 945 dias.

 


Compartilhe
@oEduardoMoreira