Loading, e a censura ao Metagaming: é melhor fazer um reboot… Press "Enter" to skip to content
Início » Cinema e TV » Loading, e a censura ao Metagaming: é melhor fazer um reboot…

Loading, e a censura ao Metagaming: é melhor fazer um reboot…

Compartilhe

404. Página não encontrada.

Estou me inteirando dos fatos sobre a crise que se instalou no Loading, logo nos primeiros dias de vida do canal. O time de produção e apresentadores do programa Metagaming se desligaram do canal que hoje ocupa o prédio e o sinal da antiga MTV Brasil (aquela do Cazé Peçanha e, no final, das bandas coloridas), alegando que a alta cúpula da emissora adotou de censura ao não autorizar a veiculação de uma matéria que criticava um dos parceiros comerciais do projeto.

Além disso, os profissionais que saíram da Loading afirmam que os diretores do canal não querem que a linha editorial seja sensacionalista, ou que se aborde temas polêmicos, como é o caso do machismo no mundo dos games.

Pena… começou mal, Loading… muito mal…

 

 

 

Deslocados da realidade

 

Afinal de contas… em que mundo os diretores do Loading vive?

Os caras apresentam uma proposta de canal voltado para o público jovem e conectado, viciado em games e animes, que ouve mais k-pop do que a própria mãe dando bronca para fazer a lição das escola… e achou que essa geração só poderia falar das coisas que ficam dentro do cercadinho seguro?

Sério mesmo que os responsáveis pelo Loading acreditam (de coração) que as novas gerações, que cresceram com a liberdade de expressão e a independência editorial que o YouTube e o podcast independente oferecem, iriam se calar e se curvar para o veto aos temas a serem abordados?

Caros diretores da Loading… vocês não entenderam nada!

A Loading não tem como concorrente a MTV (aquela do De Férias Com o Ex e Catfish) ou o Multi Show. Nem de longe. A competição desse canal é direta com o YouTube, que entrega tudo o que o jovem quer ver e ouvir hoje, sem cobrar nada por isso, e com a garantia que boa parte dos comunicadores que lá estão vão falar o que pensa, sem rodeios ou travas.

É claro que tem os vendidos pelo sistema e os patrocinados. Aliás, até eu sou pago para promover marcas ou produtos. Mas sempre bati em Chico e em Francisco. Sempre critiquei os fabricantes de tecnologia quando eles mereceram as críticas.

E por que eu posso fazer isso?

Porque os blogs são meus, e eu tenho INDEPENDÊNCIA EDITORIAL, algo que é muito difícil em veículos ditos “tradicionais”. Sim, porque… por mais que a Loading se esforce em ser multi plataforma, o seu principal negócio, aquele que traz patrocinadores e investimentos para o projeto, ainda é a TV tradicional.

E os parceiros comerciais ainda pagam a conta no final das contas.

 

 

 

Loading? Quem sabe um reboot?

 

Ainda dá tempo para o pessoal da Loading repensar algumas coisas e mudar de ideia. Não digo em trazer o Metagaming de volta para o canal. Já era. Eles já foram. Mas falo isso para não deixar acontecer um êxodo em massa de profissionais do canal.

Entendo o lado do pessoal do Metagaming, e dou razão para eles. Eu também não ficaria em um veículo que está promovendo censura prévia por conta de interesses comerciais. Eu sempre vou apoiar aqueles que estão dispostos a denunciar aquilo que está errado no mundo, mesmo que isso gere consequências sérias.

E o machismo no mundo dos games é uma realidade prática, que qualquer pessoa que acompanha esse universo (mesmo de longe) consegue ver claramente. Não é um fenômeno isolado, e nem dá para colocar certos temas no cercadinho, para que ninguém fale disso.

Entendo que televisão também deve ser uma ferramenta de crescimento do coletivo, promovendo discussões sobre problemas atuais e, quem sabe, buscando soluções para males que o próprio coletivo pode consertar. Tratar uma geração que está mais do que acostumada a falar os seus discursos abertamente, para quem quiser ouvir, é um erro grosseiro dos responsáveis pela Loading.

Espero que os profissionais da televisão mudem de ideia e de visão rapidamente. Não gostaria de ter a impressão que essa iniciativa tão interessante de comunicação com o público jovem se transforme em uma gigante “página não encontrada”, onde os interesses comerciais falam mais que o desejo de pensar fora da caixa.

É, Loading… dá um reset e recomeça o jogo.

 

 

+info


Compartilhe