Muita gente recebeu com bom humor as novas regras impostas a Julian Assange pela embaixada do Equador em Londres (Reino Unido). Convenhamos: a lista tem pontos curiosos, como a exigência que Julian precisa alimentar e cuidar do seu gato, algo que não precisava necessariamente ser uma obrigação, mas sim um ato de bom senso de qualquer pessoa.

Acontece que Christine Assange, mãe do nosso ilustre refugiado, não está nada contente com a mudança do cenário proposto. De fato, ela veio a público para denunciar torturas que o seu filho estaria vivendo nesse momento dentro da embaixada.

Em um arquivo de áudio, a suposta mãe de Assange fala sobre como as coisas mudaram para Julian. Reforça a sua preocupação, j[a que agora ele passaria por momentos de ‘tortura’ e isolamento:

“A jaula moderna para os presos políticos já não é a Torre de Londres, é a Embaixada do Equador (…) Durante os últimos seis anos, o Governo do Reino Unido recusou a sua solicitação de acesso às necessidades básicas de saúde, ar fresco, exercício, luz solar para a vitamina D e acesso à atenção médica e dental adequada. Como resultado, a sua saúde se deteriorou gravemente.”

Ainda de acordo com a sua mãe, Julian Assange hoje vive como se estivesse preso sem qualquer tipo de acusação contra ele. Passa os dias ‘isolado de todo o contato’ e ‘torturado no coração de Londres’.

Assim, Assange estaria em grave perigo, vivendo momentos delicados. De fato, a mãe dele definiu a sua vida atual como um “assassinato lento e cruel”.

É difícil definir aqui o que é amor de uma mãe preocupada com a saúde do seu filho da realidade. Ou de um universo fantasioso. Fato é que a situação de Assange se mantém a mesma há muito tempo, e as possibilidades de parte desse discurso todo ser verdadeiro aumentam a cada dia.

Talvez uma via diplomática mais eficaz poderia evitar tudo isso.

 

Via Ruptly