Compartilhe

O documentário Meeting You, exibido na rede de TV coreana MBC, mostrou o reencontro de uma mãe com a sua filha de três anos de idade, sete anos após o seu falecimento, vítima de HLH (linfohistiocicida hemofofócítica), um transtorno de imunodeficiência.

A menina (Nayeon) foi reproduzida em três dimensões, permitindo assim que ela fosse capaz de interagir e se mover, onde um sistema de voz viabilizou a comunicação com a sua mãe (Ji-sung). A mãe estava usando luvas sensíveis que permitiam que a sensação de tocar e acariciar fosse emulada ao tocar o modelo em 3D. Na verdade, em um determinado momento do vídeo, ela reage quando passa a mão no cabelo da menina.

 

 

A distopia da realidade virtual

 

No início do vídeo, a menina aparece por trás de um objeto de madeira, como se estivesse esperando por ela, fazendo com que a mãe caísse em lágrimas. No vídeo de 10 minutos, a mãe tem a oportunidade de passar uma espécie de “dia” com a menina, comemorando o seu aniversário e levando a criança para a cama.

O desenvolvimento do projeto é de responsabilidade da Vive Studios, que vem trabalhando na recreação há oito meses. A técnica utilizada é a fotogrametria, uma técnica de precisão para definir a forma, dimensões e posição de um objeto usando diferentes fotografias desse objeto.

Nesse caso, o estudo usou como modelo a irmã mais nova da falecida, cuja semelhança é significativa, onde capturaram seu físico de todos os ângulos, o que permitiu gerar um modelo fiel. Para dar mais vivacidade ao modelo, expressões faciais foram recriadas usando fotos da menina, capturando gestos usando sensores e implementando um sistema de reconhecimento de voz e uma IA básica para pelo menos permitir uma conversa. As respostas, por sinal, foram criadas com base em entrevistas com parentes e vídeos da menina.

 

Esta não é a primeira vez que essa técnica é usada, embora talvez não de forma tão explícita e palpável. Em 2012, no festival Coachella, o rapper Tupac foi “ressuscitado” usando um holograma. Em ‘Velozes e Furiosos 7’, o falecido ator Paul Walker também foi recriado usando CGI. Algo semelhante ao que foi feito com Carri Fisher em Star Wars: A Ascensão Skywalker, onde alguns elementos em CGI e cenas de filmes anteriores foram usados para inserir a personagem no filme.

Por outro lado, a ideia de reviver entes queridos falecidos usando realidade virtual não é nova. Já em 2015, a Paranormal Games anunciou o Projeto Elysium, um sistema que, deixando de lado as possíveis implicações morais, prometeu “uma experiência de VR personalizada após a vida, reunindo pessoas com seus entes queridos que faleceram”.

 

 

 

Via Kotaku


Compartilhe