Compartilhe

Assistir a vídeos pornográficos é (talvez) uma das atividades mais ancestrais da internet. Porém, a tecnologia avançou a tal nível, que até essa atividade que deveria ser algo íntimo, privado e pessoal se tornou tudo, menos algo privado.

A prova do fim da privacidade no consumo de pornografia na internet é o surgimento do malware Varenyky, que é uma ameaça de elevado risco para os internautas e consumidores desse tipo de conteúdo.

A empresa de segurança ESET lançou um alarmante comunicado sobre o tema, onde revela detalhes sobre como esse malware trojan atua contra os internautas. O Varenyky pode gravar tudo o que acontece na tela enquanto o usuário navega pelos sites para adultos.

O software malicioso foi descoberto em maio de 2019, e é distribuído através de e-mails não desejados, com o seu maior foco de distribuição em inúmeras entidades da França.

 

 

Varenyky avança em uma velocidade assustadora

 

 

Uma vez instalado no computador da vítima, o Varenyky é capaz de roubar as senhas e acessar contas de e-mails eletrônicos, com a finalidade de enviar as gravações de suas atividades durante o consumo e visita dos sites de conteúdos pornográficos para os contatos, que se tornam vítimas desse malware.

Se tal procedimento soou familiar para você, é porque esta é a mesma dinâmica da Sextorsão, trama central de um dos episódios da série Black Mirror.

 

 

O problema é alarmante, e segundo o ESET, o malware está evoluindo em uma velocidade assustadora. Lembrando que ele só pode gravar o conteúdo da tela do que o usuário vê no computador, sem acesso à webcam dos computadores e smartphones afetados… por enquanto.

Mas podemos imaginar que as futuras versões do software poderão fazer isso e coisas muito piores.

Eu lembro mais uma vez que o problema aqui não é o consumo de conteúdo pornográfico. Você pode assistir vídeos pornográficos na internet. Não tem nada de errado nisso. O grande problema é a falta de bom senso. Ao menos certifique-se que você está em um ambiente seguro para ver os seus vídeos com privacidade.

 

Via Sputnik News


Compartilhe