O Moto X4 é um caso de amor e ódio entre os fãs da Motorola. Ou um caso complicado de se entender.

O modelo entra na lista do “poderia ser, mas não foi”, porque a Motorola complicou a própria vida com problemas pontuais. E isso porque estamos falando de um modelo que foi muito esperado por muita gente por muito tempo.

Eu tive o privilégio de contar com o Moto X como dispositivo principal por duas oportunidades. Tanto o Moto X original (de 2013) como o Moto X2 (de 2014) eram smartphones simplesmente excelentes.

Os dois modelos foram lançados na era Google da Motorola, e representavam uma evolução do conceito do Moto G do “bom, bonito e barato”. Não eram smartphones top de linha, mas estavam quase lá, seguindo uma estratégia de designs sóbrios, ótimas câmeras, desempenho excelente, Android puro e preços sedutores.

Venderam que nem água.

Já os modelos Moto X Play e Moto X Style perderam um pouco dessa mística, e não foram tão bem nas vendas. De qualquer forma, muita gente esperou que a Lenovo desse continuidade à boa tradição da família Moto X em um smartphone que oferecesse um equilíbrio sóbrio de tudo.

O Moto X4 demorou para chegar ao mercado. E, quando chegou, não disse muito a que veio.

Apesar de um design premium e elegante, dois grandes tiros no pé desse dispositivo (eu sei, smartphone não tem pé, mas estou usando de termos figurados para defender meu ponto) foram dados.

O primeiro foi nas câmeras. E olha, que a Motorola by Lenovo tem um histórico na oferta de câmeras problemáticas nos smartphones. Está difícil para eles acertarem em câmeras boas, mas o sensor duplo do Moto X4 apresentava anormalidades nos primeiros meses de uso.

O segundo foi um erro bizarro de armazenamento, onde um dispositivo com 32 GB deixava em torno de 13 GB para aplicativos do usuário. Eu sei, problema de software (obviamente). Mesmo assim, fica difícil mudar a primeira impressão deixada.

Depois de quase um ano, eu acredito que a Motorola corrigiu os problemas do Moto X4. Mas… será que salvou o filme do dispositivo?

Não sei. Não dá para saber. Eu não testei o smartphone depois das atualizações. Espero que sim. Caso contrário, é um modelo que queimou o filme de toda uma linha de dispositivos que, no passado, eram telefones simplesmente excelentes.