Início » Minha Opinião » MWC 2021 será presencial, mas não terá smartphones

MWC 2021 será presencial, mas não terá smartphones

Compartilhe

A MWC 2021, o principal evento de mobilidade da Europa, vai acontecer de forma presencial entre os dias 28 de junho e 1 de julho na Espanha. Porém, já dá para dizer que esse evento vai ter tudo… menos smartphones.

Os principais protagonistas do mercado de smartphones não estarão presentes na feira de Barcelona, e os motivos todo mundo que está vivo neste momento sabe quais são. Então, o que esperar de uma feira esvaziada pelos fabricantes, mas com as portas abertas para qualquer um entrar?

 

 

 

Corredores cheios, stands vazios

Algumas das principais marcas de smartphones do mercado não estarão presentes na MWC 2021 de forma presencial por entenderem que este não é o melhor momento para participar de um evento presencial. E a lista nomes é de respeito: Xiaomi, Samsung, Sony, Ericsson, Nokia, Lenovo, NVIDIA e Google.

Não é pouca coisa.

A Xiaomi conquistou boa parte do mundo com a sua ótima relação custo-benefício com os seus produtos. A Samsung é nada menos que a líder do setor. A Sony, querendo ou não, ainda tem uma certa relevância lá fora, apesar de ter arregado para o mercado brasileiro.

A Ericsson não fabrica smartphones, mas é uma das forças no setor de telecomunicações e estrutura de redes. A Nokia, nas mãos da HMD Global, reconquistou o respeito de muita gente, principalmente de quem sempre foi fã da marca.

A Lenovo tem a Motorola nas mãos, lembra? A NVIDIA também trabalha com tecnologias para dispositivos móveis, mais especificamente para telefones gaming. E o Google é o dono do Android. “Só” isso.

Esse time de peso esvaziou a MWC 2021, deixando o evento para três ou quatro marcas que ajudam a definir este evento como feira de mobilidade que quase não terá smartphones.

 

 

 

Quem sobrou então?

O pessoal da GSMA vai ter que se virar com outras marcas asiáticas que decidiram permanecer na MWC 2021, apesar de tudo indicar que esta não é uma boa ideia neste momento.

A Huawei é, talvez, a principal marca dentro do segmento de smartphones que decidiu se manter no evento. Para a empresa, a feira é importante, principalmente em um momento de transição do Android para o HarmonyOS. Ou seja, a MWC vai ser o momento para mostrar ao mundo que eles podem fazer barulho com um novo sistema operacional móvel.

Do mais, TCL e ZTE também confirmaram participação na MWC 2021. Porém, convenhamos: por maiores que as duas sejam na Ásia e até mesmo na Europa onde ambas ainda contam com alguma relevância, não chegam nem perto de terem a mesma relevância que Samsung e Xiaomi para o mercado global.

Ah, sim… a LG também confirmou que estará na MWC 2021 de forma presencial. Mas todo mundo sabe que a empresa abandonou o mercado de smartphones. Logo, estou me perguntando: “o que diabos a LG vai fazer na Espanha este ano?”.

No final das contas, realizar a MWC 2021 de forma presencial mostra uma enorme falta de bom senso por parte da GSMA. A IFA 2021, que normalmente acontece em setembro (onde, em teoria, o momento seria um pouco melhor na Europa), já está confirmada como evento virtual. E entendo que nenhum possível prejuízo financeiro vale mais do que as vidas que estão em jogo.

Mas vamos acompanhar como será essa MWC 2021. Quem sabe ela surpreenda. Ou alguma coisa muda diante do iminente desastre.


Compartilhe