No que investi para seguir no home office nos últimos dois anos | @oEduardoMoreira Press "Enter" to skip to content
Início » Vida de Blogueiro » No que investi para seguir no home office nos últimos dois anos

No que investi para seguir no home office nos últimos dois anos

Compartilhe

Para mim, é difícil estimar o quanto eu gastei a mais com o home office por causa da pandemia. Desde 2007 (pelo menos) eu trabalho em casa, mantendo os meus projetos na internet e os meus blogs. Logo, para mim foi mais fácil do que para outras pessoas.

Mas dá para estimar alguns investimentos a mais que eu fiz para obter um melhor desempenho no home office. Todo mundo teve que gastar algum dinheiro para isso, e eu não fui exceção da regra.

Neste post, vou compartilhar com você alguns itens que eu comprei nos últimos dois anos que melhoraram o meu desempenho no trabalho em casa.

 

 

 

Os investimentos durante a pandemia

Cara… eu acabei comprando muita coisa… e todos os investimentos se pagaram de forma muito eficiente.

Foram dois notebooks novos: o Lenovo IdeaPad Gaming 3i, que se tornou o meu notebook principal para o trabalho de home office, e o Samsung Galaxy Book S, modelo para os deslocamentos que eu voltaria a fazer com o fim da pandemia, e para aqueles momentos onde quero escrever algo na frente da TV de 49 polegadas, sentado no sofá da sala e com um conforto um pouco maior.

Sim… com dois anos preso no meu apartamento, entendi que precisava investir ainda mais no meu conforto.

E por falar em conforto, dois itens adquiridos durante o período estão diretamente relacionados com a minha comodidade e, com isso, no aumento da produtividade.

O primeiro foi o monitor LG Ultrawide de 29 polegadas, que foi instalado em um suporte articulado para ficar suspenso em relação à mesa. Isso ajudou na minha produtividade, pois me permite abrir duas ou até três janelas para diferentes atividades.

O segundo item foi a cadeira de presidente que hoje uso na minha bancada de trabalho. Ela permite que eu trabalhe por mais tempo na frente do computador, com menor cansaço físico e, por consequência disso, maior produção de textos.

Dois novos smartphones apareceram na minha vida durante o período de pandemia. O Samsung Galaxy S21 Ultra se tornou o meu telefone de trabalho, e foi muito eficiente para as tarefas de gerenciamento das minhas atividades, contatos pessoais e profissionais e consumo de conteúdo de entretenimento.

E adquiri nos últimos dias um iPhone 13 Mini de 512 GB, que se tornou o meu telefone pessoal. Ele não conta com aplicativos de mensagens instantâneas e nem mesmo tem o Facebook instalado. Dessa forma, consigo um pouco de paz quando quero participar de alguns eventos ou assistir aos filmes que tanto gosto sem ser atrapalhado.

 

 

Outros itens onde investi o meu dinheiro

Investi em outros itens menores que melhoraram ainda mais a minha condição de home office aqui no apartamento.

Por exemplo, réguas com filtros de linha com várias tomadas, o Claro Box TV para ver TV por assinatura de forma mais cômoda e um pouco mais barata, o Xbox Series S para jogar alguns games em momentos pontuais, algumas fontes de energia mais potentes para carregar gadgets (incluindo este notebook ultrafino) e outros dispositivos que chegaram para testes.

No final das contas, os investimentos que fiz durante os últimos dois anos se pagaram. É claro que me tira o sono ter que pagar um imposto de renda altíssimo, mas entendo que é o preço a ser pago pelos progressos obtidos.

Sei que estou em uma situação privilegiada em comparação com a imensa maioria dos brasileiros que tiveram que enfrentar enormes dificuldades diante de uma pandemia que deixou sequelas econômicas significativas. E até por causa disso eu tento não ficar reclamando tanto da vida.

Por outro lado, sei também que esse período me abriu valiosas oportunidades, e que pude aproveitar cada uma das chances oferecidas de forma sustentável. E tenho a consciência que o trabalho em casa demanda um investimento considerável.

Infelizmente, é algo que ainda não está ao alcance de todos. E deveria estar.


Compartilhe
@oEduardoMoreira