Compartilhe

Aprenda uma coisa: sempre vai ter alguém na sua vida que simplesmente não vai acreditar no que você é capaz.

Sempre vai ter aquele alguém que vai querer fazer com que você entregue os pontos, que vai minar a sua resistência, que vai tirar a sua paciência. Sempre vai ter alguém que vai querer você no chão. Sempre vai ter alguém querendo fazer você sentir dor, ou pelo menos sentir o seu pescoço sendo apertado pela mão dessa pessoa.

Você até pode considerar que isso é uma grande maldade desse alguém. Na verdade, tente não acreditar que essa pessoa é 100% ruim, pois isso não existe. Provavelmente ela até está se defendendo dela mesma, não permitindo que você seja quem você quer, sonha e merece ser. Porque ser quem você é deve doer e muito para essa pessoa.

No começo, muito provavelmente essa pessoa vai conseguir o que ela quer.

Você se sentirá angustiado, sufocado, limitado. Vai sentir essa pessoa te jogando no chão. Na verdade, você será jogado contra uma correnteza. Uma violenta correnteza de mágoa e dor. A dor que essa pessoa cheia de sofrimento dentro de si quer que você sinta. As dores que aquela pessoa sente por anos ou décadas.

Nesse momento, tente não puxar essa pessoa junto com você para essa correnteza. Não porque ela vai tentar fazer você se afogar cada vez mais, mas porque ela mesma já enfrenta os seus mares agitados dentro de si. Ela mesma tenta se salvar. É como eu disse antes: quem tenta te derrubar quer te ver no chão porque na verdade ela busca na sua derrota se salvar dela mesma.

Você ainda está com o pescoço doendo. Mas, no meio da correnteza, você vai buscar alguma coisa para se segurar, e suportar tudo isso. Com as forças que você tem, e que aquela pessoa não tem.

Procure entender que aquela pessoa que se volta contra você já não tem mais forças dentro de si para se reconhecer como alguém que pode realizar algo maior do que ela poderia ser. Mas também procure absorver tudo o que você está enfrentando nesse instante. É um teste de coragem e caráter para você. Com certeza toda essa confusão que você está sentindo lhe será útil no futuro.

Você vai se molhar. E muito. Principalmente no rosto, com as lágrimas que você vai despejar por causa daquela pessoa.

Busque a margem. Procure se secar. Procure se manter de pé o mais depressa possível, e compreender a dimensão da sua força para responder à tudo isso.

E eu disse responder. Reagir, mas sem revidar.

Dê a resposta, mas não dê o troco, por mais que a outra pessoa não entenda a diferença entre uma coisa e outra. Aliás, a partir desse instante, você não vai mais se importar muito com a forma como aquela pessoa te entende. Você agora passa a se preocupar com você, em se entender. E, o principal: aprende a seguir em frente, sem se importar com a opinião daquela pessoa que acabou de tentar te derrubar.

Na verdade, você deve sempre viver sem se importar com a opinião dos outros. Mas, nesse caso, será uma pessoa a menos com quem você tem que se preocupar.

Comece a caminhar, à margem da correnteza. Tenha como trilha sonora aquelas águas revoltas. Mas pense que, ao mesmo tempo, são as águas que seguem o curso da vida. Seguir em frente é o que você vai fazer, sem olhar para trás. Porque você é tão forte que, mesmo quando te passam a rasteira, mesmo quando te derrubam no chão, você sempre vai se levantar, caminhar e prosperar.

Quanto mais tentarem te derrubar, mais forte você vai se tornar. Acredite nessas palavras. Eu sou a prova viva de que elas são verdadeiras.

Mais adiante, na sua caminhada, você vai encontrar aquela pessoa que tentou te ver no chão.

Seus olhos ainda vão estar vermelhos. Seja por causa das lágrimas que você derramou, pela água que afetou seus olhos, ou pelo calor interno de sua alma, com o desejo de mostrar que você tem essa força interna que só aumentou.

Olhe bem nos olhos dessa pessoa. Com coragem, sem fraquejar.

E diga:

“Eu me tornei tão insensível
Não posso te sentir aí
Fiquei tão cansado
Tão mais consciente


Eu estou me tornando isso
Tudo o que eu quero fazer
É ser mais eu mesmo
E ser menos como você”

E siga sua caminhada.

Sem olhar para trás.

#RIP Chester Bennington

“Numb”
(Linkin Park)
Linkin Park, 2003


Compartilhe