Compartilhe

Vou contar uma coisa que você com certeza não sabe a meu respeito: eu gosto de peixes. Não sou um profundo conhecedor do assunto, já que tudo o que eu sei é que eles nadam (a maioria deles). Mas como esse tema aparece na minha vida de forma recorrente, eu gostaria de escrever algumas palavras sobre o bagre ensaboado.

Ah, você não conhece esse tipo de peixe? Então… vai conhecer hoje!

Muita gente está aplaudindo o bagre ensaboado nesse momento. Eu não acho ele bonito, mas devo reconhecer que ele nada muito bem. Ele consegue escapar de vários tubarões com uma técnica para nadar onde ele se revelou que é mestre: a arte do tergiversar.

Você não sabe o que é tergiversar? Lamento por você, pois é uma das palavras mais interessantes da língua portuguesa. Com ela, eu me lembro da minha professora de português com alegria.

Mas… vai procurar no Google o que significa o termo tergiversar. Depois volta aqui para continuar a ler esse texto.

.

.

.

.

.

Terminou a consulta no Google? Ótimo! Podemos continuar.

O bagre ensaboado é difícil de ser capturado. Ele é ardiloso e escorregadio. Mas dá para ver os seus movimentos, mesmo nadando em águas profundas e mais obscuras. Pescadores e tubarões com um olhar mais apurado consegue ver aquele peixe irritante tentando escapar, mas deixando rastros de seu nadar.

Aliás, até o nadar dele é irritante, porque ele tem pausas nos seus gestos.

Também me incomoda o fato do bagre ensaboado ser seletivo e tendencioso. Ele nada contra a maré quando quer, mas jamais justifica por que está indo para uma direção que, ao longo de uma vida toda, ele nunca esboçou seguir.

É claro que bagres podem mudar de ideia a qualquer momento. Mas o bagre ensaboado faz isso com um olhar de peixe morto e um cinismo que irrita qualquer pescador ou tubarão que entende bem onde ele quer chegar.

Mas essa é a principal missão do bagre ensaboado: desafiar os pescadores mais perspicazes.

De qualquer forma, eu respeito a capacidade do bagre ensaboado escapar de pescadores e tubarões pela nobre arte do tergiversar. Eu mesmo gostaria de ter essa habilidade, mas não consigo: na minha vida, como pescador, eu tenho que lançar anzóis e redes de forma direta, onde o bagre ensaboado pode ver e se defender.

Ou inclusive fugir, de forma bem covarde.

Até dá para entender o cardume que bate palmas para o bagre ensaboado. Afinal de contas, são bagres também.

Porém, está bem claro que o bagre ensaboado tem cérebro, e o cardume de bagres que estão aplaudindo o seu nadar norteado pela arte do tergiversar é, basicamente, um cardume de cabeças (ocas) de bagre.

E se você não entendeu nada do que eu escrevi até agora, ou teve que pesquisar o que significa o termo tergiversar para entender alguma coisa desse texto…

…quem sou eu para dizer que você não deve bater palmas para o bagre ensaboado?

Só queria adicionar informação útil para você nadar de forma mais consciente e racional…

ENTENDEDORES SEMPRE ENTENDERÃO!


Compartilhe