blackberry-bold-9900-1

Mais nada deveria me surpreender no mundo da tecnologia. Não, vou corrigir essa frase: mais nada deveria me surpreender NEGATIVAMENTE no mundo da tecnologia. Não que eu não goste da BlackBerry, ou especificamente do Bold 9900 (smartphone que já tive, e com muito orgulho). Mas… será que essa é mesma a melhor estratégia para a volta da empresa na briga das primeiras posições do mercado?

John Chen já havia cantado essa bola, prometendo a volta do Bold 9900 para algum momento de 2014. E cumpriu a promessa. O que essa volta significa? Além de um movimento para agradar os saudosistas, uma forma desesperada de tentar vender produtos, sem o menor critério. Apenas para tentar obter lucros de alguma forma. Independente de como isso vai acontecer. Não importa de onde venha. Mesmo que para isso a empresa volte a vender dispositivos com três anos de idade.

Ora, John Chen… a Apple pode se dar ao luxo de fazer isso. A BlackBerry, não!

Há um motivo para os canadenses fazerem tal aposta. No último trimestre de 2013, a grande maioria dos smartphones vendidos pela BlackBerry contavam com os sistemas anteriores ao BlackBerry 10, que cada vez mais dá mostras que, definitivamente, não engrenou. Logo, nada mais lógico do que oferecer para os fiéis consumidores da empresa os dispositivos das gerações anteriores, que bem ou mal ainda funcionam bem, e é o que os seus usuários realmente desejam.

Porém, o mundo da tecnologia ainda é feito de novidades. O novo prevalece, e muitos esperaram por muito tempo novidades vindas das BlackBerry. E nada. Tudo o que apareceu, apesar de bem intencionado, foi mal executado, e aqueles que não quiseram esperar mais decidiram abraçar outras plataformas.

Será mesmo que uma aposta em um sistema já defasado, engessado e com pouco apelo com as grandes massas de usuários é a melhor forma de recuperar a empresa em um mercado mobile que segue em evolução? Mais: os seus principais concorrentes (iOS, Android, Windows Phone) continuam a evoluir as suas plataformas, inserindo novas funcionalidades e ampliando o seu leque de opções para os usuários novos e veteranos…

E a BlackBerry fica pensando no passado? Apenas para sobreviver?

Até quando, John Chen?