O Highfive reinventa as videoconferências Press "Enter" to skip to content
Início » Tecnologia » O Highfive reinventa as videoconferências

O Highfive reinventa as videoconferências

Compartilhe

videoconfernecia_highfive_device

Um ex-engenheiro da Google fundou em 2012 a Highfive, uma startup dedicada a desenvolver soluções de videoconferências que estão mais de acordo com os tempos atuais. A ideia aqui é oferecer tais comunicações à distância com uma qualidade de áudio e vídeo excepcionais.

Nessa semana, eles apresentaram o seu primeiro produto: um dispositivo que oferece vídeo em alta definição para telas planas tradicionais nas salas de conferência, mas que também transfere os feeds de vídeo para dispositivos móveis. Quem testou fala maravilhas da ideia.

A sala de conferência tradicional é (normalmente) pouco adequada para as tecnologias atuais, e os complexos e caros sistemas de algumas empresas encontram no Highfive um grande adversário. Incluindo a Google, com o seu Chromebox for Meetings. A ideia do Highfive vai além, e a transmissão de vídeo para smartphones permite inclusive que a reunião mude de lugar. É possível inclusive usar o smartphone para, por exemplo, mostrar uma localização (como os novos escritórios), ou detalhes de um produto que é discutido na reunião.

highfive_trasera

O Highfive também quer mudar o cenário das tecnologias de convergência de vídeo nas salas de conferência (nos EUA, apenas 5% possuem tecnologia para). Obviamente, temos soluções muito mais acessíveis para os usuários convencionais – uma câmera HD e serviços como o Hangouts, por exemplo -, mas a qualidade e as configurações da nova proposta podem resolver as necessidades de muitas empresas que precisam melhorar a qualidade desse recurso.

Seu preço sugerido por unidade é de US$ 799. É um valor caro, mas o mais importante é a plataforma de software que envolve o sistema, e a experiência final oferecida. Estão disponíveis duas versões do software, uma gratuita para os usuários casuais, e uma paga (US$ 10 por usuário/mês), pensada nos usuários empresarias.

Via Wired


Compartilhe