Início » Games » O irritante mercado de revenda do PS5

O irritante mercado de revenda do PS5

Compartilhe

Não é só no Brasil. É um fenômeno global.

Comprar um PS5 nessas primeiras semanas de vida do console virou uma missão impossível. O console está esgotado em vários mercados globais, e a Sony está se esforçando para entregar mais unidades para as vendas do Natal. E isso mostra como o início da vida comercial do console foi muito bom.

Aqui, restam duas alternativas para os retardatários: ou entra em uma lista de espera e começa a rezar, ou paga o preço cobrado pelo “mercado secundário, alternativo e de segunda mão”. Muita gente está querendo lucrar em cima daqueles que dormiram no ponto, e isso está gerando um cenário bizarro e irritante.

O mesmo fenômeno está acontecendo com os novos Xbox Series X e S, mas o PS5 está liderando o mercado de vendas particulares e empresas especializadas em revendas de produtos, que estão abusando da prática para obter lucros escandalosos.

Várias editorias ao redor do mundo estão denunciando os revendedores que estão ampliando o estoque ao máximo para revender o PS5 por um preço muito acima do oficial, apenas com a desculpa que a Sony não tem mais o produto para a venda nos canais oficiais de venda.

E o pior de tudo é que tem gente aceitando pagar o preço abusivo.

 

 

 

Um complexo e irritante processo que faz parte do mercado

 

 

Muitos varejistas afirmam publicamente que os seus estoques do PS5 estão esgotados antes mesmo do início das vendas do console. Algumas lojas ficaram sem unidades do produto antes mesmo dos dois principais períodos de vendas promocionais do ano, a Black Friday e a Cyber Monday. E alguns desconfiam que os usuários mais espertos utilizaram bots para conseguir mais de um console para revender as unidades adicionais pelo triplo do preço sugerido pela Sony.

Alguns vendedores alternativos se defendem, afirmando que contam com o “direito” de cobrar a mais pelo PS5 por conta da lei de oferta e procura, além do fato de, em alguns casos, oferecerem melhores condições de pagamento para o cliente, como parcelamento a perder de vista via boleto.

OK. Cobrar juros de parcelamento? Tudo bem, eu entendo e aceito, dependendo do valor de parcelamento. Agora… nada explica o valor de R$ 12 mil que estão cobrando pelo PS5 no mercado alternativo nacional. Isso é exploração do desejo alheio em ter o novo videogame da Sony. Apenas isso. Nem dá para chamar de “aproveitar a livre oferta e demanda” nesse caso.

 

 

A prática de revenda de produtos de tecnologia não é uma novidade. Aliás, revenda de ingressos é algo que existe há muito tempo, e vale para outros setores da economia como, por exemplo, revenda de ingressos para espetáculos teatrais, concertos musicais e eventos esportivos. Inclusive existem empresas profissionais e especializadas na prática.

Na verdade, a internet também é uma grande loja que oferece todos os tipos de produtos, nas mais diferentes modalidades de compra e venda, atendendo a todos os setores. Porém, o que está acontecendo com o PS5 passa dos limites do aceitável.

Eu espero que você não pague um preço abusivo pelo PS5. De verdade. É melhor esperar mais um pouco e pagar um preço justo pelo console. Não vale a pena ser um early adopter a todo custo. E, nesse caso, por um custo muito mais elevado do que o produto realmente vale.


Compartilhe