neymar-brasil-colombia-copa-america-2015

Eu não dou a mínima para a Copa América 2015, que acontece nesse momento no Chile. E não dou mais a mínima para o time da CBF desde o famigerado 7 a 1 na Copa do Mundo de 2014. Depois de passar pela sua pior derrota de toda a sua história (apesar de alguns acharem que tudo aquilo foi ‘pontual’), esse time tenta recolher seus cacos e reconstruir. E parte dessa reconstrução passa por Neymar. E aqui temos um grande problema.

O que acontece com esse moço? Ele acabou de ser campeão da UEFA Champions League, torneio muito mais importante do que essa porcaria que eu me recuso a assistir.

Eu entendo tudo o que acontece, acredite. Uma questão judicial na Espanha muito séria tira o sono de qualquer pessoa. Ainda mais daquele que é considerado hoje o melhor jogador brasileiro em atividade. Se o cidadão comum que tem o nome no SPC ou Serasa perde o sono, imagina alguém que precisa explicar por que 37 milhões de euros apareceram na sua conta sem uma explicação plausível?

Eu não ia conseguir dormir mesmo. Até porque não é o Brasil. É na Espanha. E isso, lá, normalmente dá cadeia.

Mas, falando dentro de campo.

O time da CBF é horroroso. Medonho. Um lixo. Fez uma partida ruim contra o Peru, e conseguiu ser ainda pior contra a Colômbia, que é sempre bom lembrar fez um jogo duro contra o Brasil nas quartas de final da Copa do Mundo. Tem uma grande diferença em ter como companheiros de time Lionel Messi e Luiz Suárez no Barcelona, enquanto que no time da CBF ele tem que lidar com zés que honestamente nem sei o nome. E não me importo em saber.

É a primeira vez que eu não conheço os 11 titulares do time da CBF, cujos alguns eu nunca ouvi falar. Isso mostra o nível do meu desinteresse nesse time e em tudo o que o cerca.

Mas… então… por que Neymar chegou a usar a faixa de capitão desse catadão da CBF?

Porque era o craque do time? Porque o cabelo dele era esquisito e as câmeras o focalizam sempre?

Por partes.

Não acho mais o Neymar um produto da mídia esportiva. Ele é uma realidade: é campeão brasileiro, campeão da Libertadores, campeão da Liga dos Campeões da Europa e já é o quarto maior artilheiro da seleção brasileira de todos os tempos. Ninguém tem dúvidas que ele é o nosso melhor jogador, e tem que jogar com um bando de ‘zé ninguém’ que estão muito abaixo da sua qualidade.

Também compreendo que, no caso específico da Copa América 2015, a pouca idade pesa. E muito. Temos que lembrar que ele tem apenas 23 anos de idade. É muito pouco para assumir a responsabilidade de líder de um time, ainda mais um time de perebas. Nem Messi passou por isso tão cedo. Sem falar que está muito claro que ele está bem longe de ter esse perfil de líder que alguns imaginam que ele possui. Só não vê quem não quer.

A expulsão imbecil após o jogo é uma clara prova de falta de controle emocional e imaturidade de Neymar. Soma-se a isso ao momento que ele enfrenta na justiça espanhola, e temos um cenário de instabilidade que já prejudica seriamente os planos do time da CBF. Deve pegar dois jogos de suspensão, e por conta do desempenho fraquíssimo desse time, pode nem voltar a atuar na Copa América 2015.

Muito pouco para quem foi elogiado por todos na final da UEFA Champions League na semana passada.

O time da CBF é apenas um reflexo da própria CBF. Ricardo Teixeira, José Maria Marin, Marco Polo Del Nero e sua corja já sentem o seu castelo de areia ruindo, com suas falcatruas sendo descobertas (obrigado, EUA, pela graça alcançada – abrindo a Caixa de Pandora chamada FIFA). O Brasil (como um todo: torcedores, jogadores, times e organizações) não acordou depois do 7 a 1. Todos vivem no paraíso dos bobos, achando ainda que o futebol brasileiro pode se recuperar por si.

Pra quê se reorganizar? Por que repensar em tudo? Somos talentosos, não precisamos ser organizados.

A diferença é que, diferente do ano passado, onde Zuniga com uma joelhada evitou que Neymar passasse por uma humilhação, dessa vez, é o moleque do ‘ousadia e alegria’ que é um dos principais responsáveis por um hipotético fracasso do time da CBF na Copa América.

Penso que Neymar jamais imaginou isso para o mês de junho.