Os acrônimos obscenos escondidos nos títulos de artigos acadêmicos: eles existem! | @oEduardoMoreira Press "Enter" to skip to content
Início » Aprendeação Igonorante » Os acrônimos obscenos escondidos nos títulos de artigos acadêmicos: eles existem!

Os acrônimos obscenos escondidos nos títulos de artigos acadêmicos: eles existem!

Compartilhe

A conta do Twitter @Fesshole tem como proposta a confissão de pecados de forma anônima na internet, na esperança de que a comunidade de usuários te absolva pelos seus crimes. E essa conta publicou recentemente o seguinte:

“Quando publico trabalhos sérios de pesquisa acadêmica, tento fazer com que as letras iniciais do título formem algo obsceno”.

Então tá.

Essa postagem fez com que Rob Manuel, co-fundador do site B3ta, decidisse realizar o download de nada menos que 130 GB de trabalhos acadêmicos apenas para desenvolver um código que fosse capaz de detectar os títulos desses trabalhos que contassem com acrônimos grosseiros ou sexuais.

Sim, amigo leitor… tem muita gente com tempo livre por aí…

 

 

 

…e foi por isso que seus pais pagaram caro pelo curso de programação em Python!

No dia seguinte, Rob informou que o código em Python para a detecção dos acrônimos estava pronto, e a partir de uma lista de 32 milhões de títulos acadêmicos, ele conseguiu elaborar uma segunda lista com os resultados filtrados daqueles trabalhos cujos acrônimos coincidiram com as palavras mais ofensivas da língua inglesa.

A segunda lista conta com aproximadamente 80 mil resultados, e indica as coincidências dos termos, diferenciando os itens com resultados exatos (ou seja, onde o acrônimo coincide com um insulto objetivo), próximos (uma única letra antes ou depois do termo exato), duplos (dois insultos dentro de um acrônimo mais longo), começo (as primeiras letras de um acrônimo mais amplo que acabam coincidindo com um insulto) e prováveis (opções mais improváveis de ofensas detectadas).

Após pedir ajuda para os membros da comunidade, os resultados indicam que as coincidências vão além de mera casualidade. É só olhar para os títulos e os termos formados por eles:

  • “Sexual Hormones in the Pathophysiology of Tourette’s Syndrome” = ‘Shitpot’, que é uma forma de dizer que algueém é uma merda. Ou um termo de estudo para a Síndrome de Tourette, que pode provocar o uso incontrolado de palavras obscenas.
  • “Colo-Recto-Anal Physiology” = ‘Crap’ = Merda. Literalmente.
  • “Pressurized Irrigation System Selection” = ‘Piss’ = Mijada, ou sistema de irrigação. Como queira.
  • “Cloture Reform and Party Government in the Senate” = ‘Crap Gits’ = idiota de merda. Seria uma sugestão direta para os políticos envolvidos no estudo?

 

 

 

Teoria da conspiração?

Acho pouco provável, principalmente nos casos mencionados neste post. As chances de tudo isso ser uma curiosa coincidência são mínimas, a meu ver.

Até porque muita gente sabe que cientistas e acadêmicos contam com um humor peculiar e, em alguns casos, incompreensível para as mentes mais rasas. E normalmente precisamos de alguém com um QI acima da média para traduzir esse humor oculto para nós, meros mortais.


Compartilhe
@oEduardoMoreira