Eu poderia gastar o seu tempo dizendo o quanto foi ótima a apresentação do Coral Encantos na noite de ontem (19) no Teatro do CIC. O replay do concerto de 15 anos foi incrível, e eu estou realmente muito feliz em fazer parte de um grupo que conseguiu entregar um entretenimento de qualidade e boa música para os presentes. Mas eu escrever sobre isso é insuficiente: vamos encher a internet de vídeos que os presentes gravaram, e você poderá concluir por si se o concerto valeu a pena ou não.

Mas não posso deixar de relatar algumas coisas que eu considero importantes para a compreensão de todos. Do regente, coordenadores, coralistas e público presente no concerto de ontem. Coisas que provavelmente eu vou escrever pela última vez, pois é quase certo que não faremos esse concerto pela terceira vez.

E… não foi o mesmo concerto.

Tudo foi diferente, dentro e fora do palco. É claro que a experiência da primeira vez deu tranquilidade para a maioria dos envolvidos, mas até o último momento todos queriam ter a certeza que tudo deu certo. Algo que só aconteceria depois da última canção. Da minha parte, eu queria que desse certo, não apenas porque eu estava nesse projeto, mas porque parte de mim sempre fica em cada projeto de canto coral que eu participo.

Eu estou falando da minha vida. A vida que eu escolhi para mim. Entre as duas maiores paixões que eu tenho dentro das minhas realizações pessoais, o mundo da tecnologia paga as minhas contas, mas traz a satisfação de poder pagar boletos com a profissão que eu decidi abraçar. E a música, meus amigos e amigas… eu faço por amor.

Porque quando eu mais precisei da música, ela veio e salvou a minha vida por pelo menos três vezes. Porque a música me consolou nos momentos de depressão, ajudando a derrubar as lágrimas que precisavam rolar no meu rosto quando as mágoas me impediam de respirar. A música me estimulou a ser um cara mais alegre e feliz, mesmo diante das dificuldades da vida. A música trouxe alguns dos melhores momentos da minha existência, e algumas das pessoas mais importantes da minha vida.

Hoje, eu ganho muito mais da música do que o pagamento de um cachê ou os parabéns pelo trabalho realizado. Eu ganho experiências incríveis em uma cidade onde o “forasteiro” precisa mostrar o seu valor para vencer. Eu não sei o quão longe eu posso chegar com o canto coral em Florianópolis, mas nesse momento, eu estou nos locais onde eu gostaria de estar.

Em três corais. Três dos melhores corais de Florianópolis.

E entregando o meu melhor para que tudo dê certo.

Minha ficha caiu quando eu olhei para o relógio e o Sidarta não aparecia para realizar o aquecimento. Não foi culpa dele. Ele tentou. O trânsito infernal fez com que ele caminhasse alguns quilômetros para chegar ao CIC. Isso se chama dedicação, entrega, compromisso. Eu aplaudo o Sidarta por isso.

A Fafá, com a sabedoria que é só dela, entendeu que era preciso adiantar os trabalhos, pois uma hora a passagem de som aconteceria. Ela olhou para mim, e eu disse: “vamos”.

Não foi um trabalho solitário. Trabalhamos em equipe. Eu apenas coordenei os cantores em um aquecimento que, se não era para exatamente colocar o Coral Encantos pronto para desenvolver o repertório da noite, ao menos colocou o grupo na mesma vibração para cantar. Eu procurei estabelecer uma sintonia entre os cantores. Uma unidade conceitual para que essas pessoas pudessem cantar juntas em um mesmo objetivo.

Relaxar o corpo. Oxigenar a mente. Timbrar.

Eu não fiz sozinho. Fiz com vocês. Olhei para a Fafá por algumas vezes porque eu sei que ela entende de música. É uma mente diferenciada nesse aspecto. Em algumas vezes, ela disse o que eu poderia fazer. E no final, eu só decidia fazer do meu jeito, para nivelar o timbre e a intensidade musical de vocês, cantores. Não foi por um acaso que eu pedi a escala em piano, porque eu entendia que o risco de forçar uma intensidade maior poderia prejudicar a voz de vocês. E era tudo o que o coral não precisava.

Enquanto eu aqueci o Coral Encantos por aproximadamente 30 minutos, eu pensei em todo o cuidado que o Sidarta sempre teve com os cantores. Ao mesmo tempo, pensei na responsabilidade que era entregar o coral para o Robson em condições de realizar a prática de canto. Mas eu não fiz isso sozinho. Eu fiz isso com vocês. Porque vocês confiaram em um de vocês para que todos chegassem ao objetivo final.

Esse texto poderia falar sobre o quão incrível foi a apresentação de ontem do Coral Encantos. De novo: eu deixo essa parte para os vídeos que você, amigo leitor, vai ver. É só procurar na internet.

No final das contas, esse texto existe para agradecer a todos os envolvidos nesse projeto. De coração, todos vocês fizeram da noite de ontem uma das mais incríveis da minha vida. Eu encontrei uma cama para dormir às 2h40 da manhã, exausto, mas inquieto de tanta felicidade. Todos vocês ajudaram a fazer da noite de um cara de 40 anos algo especial.

Ao Robson… obrigado pela confiança. Fiz o que estava ao meu alcance para contribuir para o sucesso desse concerto. É o que sempre fiz ao longo de quase 25 anos como coralista.

Aos músicos… obrigado pela energia positiva e diferenciada através das notas. Obrigado por musicar o caminho que nós, cantores do Coral Encantos, adornamos com as nossas vozes.

Manu, Panda, Sueli, Gabriela, Albertina, Bruno… todo o time de produção… obrigado por se dedicarem tanto para que nós, coralistas, possamos brilhar. O trabalho de vocês é fundamental para o Robson, e de um valor inestimável para nós.

Ah, sim… e obrigado, Manu, pela paciência. Alteramos tanto esse roteiro, que agora estamos especialistas nisso.

Fafá… obrigado por me respaldar no aquecimento. Sempre vou admirar o seu conhecimento musical e a forma em como enxerga a música e a vida. Tenha na minha pessoa alguém que sempre vai olhar para você com a mais profunda admiração e respeito.

Aos coralistas novos, eu repito… obrigado por não desistirem. Mesmo que digam que vocês “precisam se empenhar mais” (o que é verdade, mas acho que todos nós em um coral, independente do tempo, sempre temos que fazer algo a mais pelo sucesso do grupo), saibam que vocês podem contar sempre comigo como a pessoa que vai ajudar a subir no trem em movimento. Pois eu sempre vou dizer: “você não pode desistir”.

Ana Aquini… obrigado por cantar no mesmo palco que eu em um coral que eu acredito que se alinha com a sua forma de ver o mundo. Era o que eu mais queria. E que bom que eu não estraguei a sua vida nesse aspecto.

Aos coralistas veteranos… obrigado por serem tão talentosos, motivados e dedicados. O Coral Encantos é diferenciado porque conta com vocês, que são incríveis nos aspectos musicais, e singulares no trabalho coletivo. Eu tenho muito orgulho em cantar ao lado de vocês.

Aos que compareceram no teatro do CIC ontem… muito obrigado por dedicarem o tempo de vocês para ouvir o que temos para cantar. Obrigado por nos oferecer a chance de entregar um pouco de felicidade para vocês através da música. Obrigado por serem a razão para que a nossa noite de 19 de junho de 2019 fosse especial.

No final, o concerto de ontem do Coral Encantos foi incrível. Mas fotos e vídeos não vão mostrar como estamos nos sentindo. E essas palavras ainda são insuficientes para traduzir tudo isso.

Mas eu agradeço por você ler esse texto até aqui.