jobs-fail

Eu confesso que fui um daqueles que ficaram um pouco animados (mais impressionado do que animado) quando vi as primeiras fotos do ator Ashton Kutcher como Steve Jobs para o filme “Jobs”. Porém, o promo que vi na web me desanimou um bocado. E agora, ao saber que o filme só faturou US$ 7 milhões no seu primeiro final de semana nos cinemas, e com todas as críticas negativas a respeito do filme, minha animação em ver o filme caiu consideravelmente.

Talvez o ponto que mais chame a atenção (negativamente falando) em Jobs é que o filme foi criticado até por alguém que, normalmente, elogia tudo. Steve Wozniak, co-fundador da Apple, afirmou em uma entrevista na última sexta-feira (16) que “haviam muitas coisas erradas” no filme, e afirmou que não gostou de ver um monte de pessoas que ele conhece não recebendo o respeito que elas mereciam.

Woz se referiu a outras pessoas envolvidas na criação e desenvolvimento da Apple, que não chegaram sequer a ser mencionadas no filme. Na opinião dele, mesmo com o filme se chamando Jobs, essas pessoas eram importantes.

Eu entendo que vou ver o filme de qualquer maneira. Primeiro, porque gosto de tecnologia, e tudo o que nela está relacionado. Segundo, porque é Steve Jobs. É sempre bom ver alguma coisa relacionada ao cara, mesmo que as pessoas torçam um pouco o nariz para aquilo que foi apresentado. Terceiro, e o mais importante: não será surpresa se o filme for ruim. Mesmo assim, vou lá conferir.

Acho que é importante as pessoas assistirem ao filme “Jobs” com a consciência que estamos diante de uma obra de ficção, mesmo sendo um filme “biográfico”. Muitas coisas são maquiadas ou romantizadas nesse tipo de obra, e sérias inconsistências serão encontradas. Até porque trechos da trajetória de Steve Jobs no passado são meio obscuras. E é melhor que fique assim. Ajuda a manter a lenda que ele é.

Agora, se o filme for realmente péssimo, aí, fica difícil. Bom, ao menos ele deve se pagar e gerar algum lucro. Afinal de contas, custou apenas US$ 12 milhões.

Com informações do The Verge e Phone Arena