Phablet é o termo que define os dispositivos que ficam no meio do caminho entre smartphone e tablet. E é o dispositivo que pode “matar” os smartphones nos próximos 10 anos.

O tamanho das telas dos smartphones só aumentou nos últimos anos, e como esse é um dos fatores mais importantes na escolha dos usuários, é possível entender as mudanças do mercado.

Em 2013, um smartphone com tela de 4.5 polegadas era considerado grande. Hoje, são uma raridade. Apenas o iPhone SE consegue vender bem com um tamanho de tela abaixo das 5 polegadas.

O primeiro phablet foi o Samsung Galaxy Note, lançado em outubro de 2011. Desde então, todos os fabricantes (incluindo a Apple) apostaram em dispositivos com tela de grandes dimensões.

Não há um consenso para diferenciar um phablet de um smartphone. A série Galaxy Note se diferenciava pelo uso do lápis ótico. Hoje, temos smartphones “normais” de tamanho maior, e até a Samsung deve ampliar o uso da stylus no Galaxy S10.

Há quem diga que o phablet possui tela acima das 5.5 polegadas, e as previsões é que esse grupo de dispositivos alcance 18.1% de mercado até 2021. No mesmo período, os modelos com telas de 5.5 polegadas ou menos deve perder 7.4% de mercado.

O principal responsável pelo crescimento do phablet no futuro será a China, o maior consumidor global de smartphones e com preferência pelas telas maiores.

O gosto e a necessidade expliquem o crescimento, já que os telefones inteligentes é o único dispositivo computacional para boa parte dos chineses. O mesmo acontece em outras partes do mundo, com usuários que deixam de comprar um computador e apostam diretamente em um telefone. E, nesse caso, quanto maior a tela, melhor.

O limite de tamanho de tela deve ser as 7 polegadas, já que esse é o tamanho de um tablet básico. Lembrando que, na semana passada, o Xiaomi Mi Max 3 foi apresentado, e possui tela de 6.9 polegadas.

 

 

Para quem prefere um smartphone menor, o momento é péssimo. Mesmo que a tendência do mercado sejam os smartphones com telas de bordas reduzidas e formato 18:9, é cada vez mais difícil manejar esses dispositivos sem usar as duas mãos.

Outra mudança deve acontecer com a chegada dos cartões eSIM e 5G. Os SIMs virtuais instalados de fábrica nos dispositivos pode transformar tablets e dispositivos 2 em 1 com tela de 8 polegadas em phablets em potencial.

É óbvio que um phablet tem suas vantagens, como a comodidade de uso de uma tela de maior tamanho na hora de navegar pela internet, uso das redes sociais, execução de aplicativos, ver vídeos e rodar jogos, em um design atraente que cobre as funções de smartphone e tablet. O uso com uma das mãos, seu peso e transporte ou realizar chamadas de voz com um dispositivo desse tamanho são os seus inconvenientes.

Mas fato é que estamos diante de uma tendência que parece não ter volta.