Por que nenhum escândalo consegue derrubar Mark Zuckerberg do Meta? | @oEduardoMoreira Press "Enter" to skip to content
Início » Notícias » Por que nenhum escândalo consegue derrubar Mark Zuckerberg do Meta?

Por que nenhum escândalo consegue derrubar Mark Zuckerberg do Meta?

Compartilhe

Não há escândalo que parece derrubar Mark Zuckerberg do comando do Meta. Todos os problemas que o antigo Facebook teve nos últimos anos eram motivos de sobra para derrubar o menino Zuck do posto máximo da empresa, e isso não aconteceu.

E tentativas não faltaram. Desde 2018, um grupo de acionistas cada vez maior pedem a cabeça de Zuckerberg no Meta, e a pressão para isso acontecer só aumenta com o passar do tempo.

Zuckerberg e CEO e presidente da junta de acionistas do Meta desde 2012, e os acionistas opositores entendem que os dois cargos são cruciais na empresa, e que não podem ser exercidos pela mesma pessoa, alegando que a concentração de poder do fundador do Facebook “debilita a gestão, a responsabilidade e a supervisão” da empresa.

Porém, até o momento em que este post foi produzido, nada de Zuckerberg sair, apesar de contar com apenas 14% das ações da empresa (que contam com mais votos do que aqueles vendidos para investidores, entregando à ele 58% dos votos).

Ele fez isso basicamente para não perder o controle da empresa que ele criou, ao mesmo tempo que pode obter financiamento extra que vem do mercado de valores públicos.

E é por isso que não adianta nada mais de 200 investidores espernearem pela saída de Zuckerberg do Meta. Ele vai fazer o que quiser na empresa, e até quando ele quiser.

 

 

 

Um clamor por maior transparência

O Investor Alliance For Human Right é o grupo de acionistas que quer reduzir o poder de Zuckerberg no Meta. O mais chamativo argumento do grupo (e o mais difícil de obter sucesso) é a renúncia do fundador do Facebook do posto de presidente da junta de diretores.

Outro pedido quase impossível é a produção de um relatório sobre os problemas que o desenvolvimento do Metaverso pode resultar, como danos psicológicos ou violação dos direitos humanos pelo uso e abuso da plataforma.

Com esses dados, esse grupo quer tentar barrar o desenvolvimento do Metaverso da forma como Zuckerberg o apresentou. Por outro lado, ele ainda pode acalmar os acionistas cedendo a outras medidas, como por exemplo a análise da não eficiência das políticas de moderação da empresa para controlar a difusão do discurso de ódio, violência ou desinformação.

Além disso, esse grupo também pede que seja investigado o impacto real e potencial da publicidade direcionada, com os resultados publicados no site do Meta antes de 1 de junho de 2023.

 

 

 

O que pode acontecer?

Diante dos fatos apresentados, e com tudo o que conhecemos sobre a personalidade de Mark Zuckerberg, entendo que as chances deste cenário se reverter a médio prazo são bem pequenas.

Zuck é extremamente controlador, e manteve o sangue frio para retomar o controle de sua narrativa. Sobreviveu a todos os escândalos anteriores, e só deve sair do posto de controle absoluto do Meta quando um meteoro cair sobre a cabeça dele.

Só não consigo imaginar qual é o tipo de pedra ou problema que precisa acontecer para que a cabeça de Mark Zuckerberg venha a prêmio. Se as diversas violações de privacidade de vendas de dados dos usuários para empresas de publicidade sem o conhecimento ou consentimento das pessoas não são suficientes para arrancarem ele dos seus postos de liderança e controle, eu não sei o que mais poderia ser.

Nem Darth Vader tinha tanto poder concentrado.


Compartilhe
@oEduardoMoreira