O Orkut morreu, o Tumblr deu um tiro no próprio pé, o Snapchat sangra e o Google+ também foi enterrado recentemente. O cenário das redes sociais está cada vez mais reduzido, onde Facebook, Twitter e Instagram são os grandes expoentes. Será que não é o momento para aparecer uma nova alternativa para tentar equilibrar um pouco as coisas?

 

 

Google+, mais um na longa lista de fracassos

 

O Google+ é considerado um grande fracasso porque, convenhamos, veio das mãos do Google, que é uma potência no mundo da tecnologia. Mas é apenas mais um no cemitério de plataformas que desapareceram ao longo dos últimos dez anos.

E a lista pode aumentar. Lembra que eu citei Tumblr e Snapchat no primeiro parágrafo desse post, e eu não tenho esperanças que os dois vão sobreviver. E não é nem por causa do poderio das plataformas dominantes, mas principalmente por causa dos seus próprios erros individuais.

 

 

Do mural aos grupos do WhatsApp

 

É preciso também deixar claro que o perfil do usuário das redes sociais mudou nos últimos 10 anos. As pessoas estão deixando de publicar opiniões nas postagens e comunidades do Facebook para interagir diretamente nos grupos do WhatsApp. O efeito moral é o mesmo e os resultados são (quase) imediatos.

Logo, qualquer nova rede social que ousar aparecer nos próximos anos precisa ter em mente que ou apresenta algo novo e que combina o melhor dos dois mundos, ou pode cair na estagnação por ser considerada mais do mesmo.

 

 

Todas as alternativas fracassaram (até agora)

 

Não é fácil apresentar uma nova plataforma na internet. E mais difícil ainda é fazer com que essa plataforma se transforme em um novo fenômeno online. Vários gigantes do setor de tecnologia apresentaram nos últimos anos novas propostas de redes sociais e comunicadores instantâneos que simplesmente desapareceram com o passar do tempo, porque não conseguiram sair do lugar comum para conquistar os usuários.

De cabeça, eu me lembro de AOL, Yahoo! e Microsoft tentando um lugar ao sol com soluções até interessantes e esteticamente atraentes, mas que não inovaram como Facebook e Twitter conseguiram fazer com o passar dos anos.

A dica para quem pensa em entrar no trem das redes sociais é: pensar fora da caixa. Todo mundo já se comunica com as pessoas ao redor do mundo. É preciso oferecer formas diferentes dessa comunicação se tornar mais eficiente e atraente para o grande público.

E essa é uma equação de difícil solução.