Compartilhe

Retratos Agora Sim

O Canal Sony estreou na última quinta-feira (26) a sua primeira produção nacional original. Agora Sim é uma das séries filhas da “lei da Ancine”, que tem com o objetivo expandir o volume de produções nacionais na TV paga brasileira. Noves fora em relação à lei, estamos aqui para comentar o piloto da série, que tem pontos positivos e negativos. Vamos lá.

A série conta a história da agência de publicidade Bitt, comandada por Maurílio Bittar (Fábio Herford), dono da agência. Um sonhador, quase um lunático. Tem poucos clientes, e esses poucos que ele tem continuam com sua agência por razões até então desconhecidas. Mas Bittar ao menos luta pelos seus sonhos. Mesmo que isso signifique ele comprometer o seu orçamento financeiro, mudando a agência para a região mais cara da cidade, apenas para ficar na frente do prédio da agência de publicidade mais badalada e premiada do Brasil, a R-Parsi.

Na Bitt, trabalham o seu amigo de infância/puxa-saco de plantão, Jurandir (Augusto Maeira), que não tem competência alguma para ser diretor de planejamento, mas está lá, porque Bittar não tem coragem de mandá-lo embora. Alan (Rodrigo Pandolfo) e Serginho (Thiago Pinheiro) são da parte de criação. O primeiro é um pseudo intelectual/pobre, que acha que a empresa vende mentiras, mas como precisa pagar as suas contas, fica lá. O segundo é mais descolado e empolgado em criar novas campanhas e fazer a Bitt crescer. Mas suas ideias não são lá muito bem sucedidas na prática.

Rosa Maria (Amanda Lyra) é a gerente administrativa/financeira da Bitt. Ao mesmo tempo que ela aparenta ser a única a perceber que a agência é um completo fracasso, também é a chata do escritório, sempre de mau humor e acusada de ser frígida até para comemorar as pequenas conquistas. Dani (Larissa Machad0) é a recepcionista gostosa da agência, que está lá para conhecer um homem rico e viver uma vida de luxo e glamour. E não esconde isso de ninguém.

Esse grupo aumenta no segundo episódio, quando Marina (Mayara Constantino) chega na agência. Ela é estudante de publicidade procurando por estágio, e acaba entrando na Bitt por engano, e vai ficando por lá.

Com esse grupo de pessoas de diferentes perfis, a missão da Bitt é sobreviver. Seja vendendo uma campanha para uma marca de refrigerantes desconhecida, ou vendendo um relógio caro do dono da agência, eles lutam para se tornar maior do que a agência que fica do outro lado da rua. Até porque “apesar deles serem melhores do que a gente, nós somos melhores do que eles”. Esse é o lema da Bitt.

Retratos Agora Sim

O piloto de Agora Sim é relativamente fraco. Você ri de pouca coisa apresentada no piloto, e algumas atuações soaram quase caricatas por parte de alguns integrantes do elenco. Algumas piadas até que funcionaram bem, e você até imagina que alguns donos de agências de publicidade espalhados por aí contam com a mentalidade de Bittar, mas de um modo geral, o piloto deixa a desejar. O riso não sai fácil, e isso é um problema para uma comédia.

Por outro lado, a produção tem pontos positivos. Por exemplo, eles felizmente não adicionaram o recurso de claque (aquelas risadas no fundo, típicas das comédias norte-americanas), e a presença de convidados de peso logo no primeiro episódio, como são os casos de Moacyr Franco e Carla Candiotto. E isso tende a continuar nos próximos episódios. E olha, que estamos falando de uma série que tem um orçamento relativamente baixo (R$ 270 mil por episódio).

Mesmo assim, Agora Sim precisa engrenar. Talvez o pessoal que esteja no meio do mundo publicitário vai se identificar mais com a série, se a mesma apresentar situações típicas desse meio. Não acho que vai ser a série das “piadas internas sobre publicidade”, uma vez que a comédia aparenta ser mais acessível do que isso. mesmo assim, é fundamental que a produção se apresente como algo efetivamente mais engraçado do que foi no piloto.

Por enquanto, “Agora Sim”? Só com muito esforço. Senão, o “Agora Não” vem rapidinho. A série está com encomenda para 13 episódios, e não está com segunda temporada garantida. Então, Bitt… bora trabalhar!


Compartilhe