PS4 Pro

Tem que gostar muito, viu…

A Sony anunciou que o PS4 Pro, atualização do seu console de última geração, chega ao mercado brasileiro no dia 19 de fevereiro, com preço sugerido de R$ 3.000.

Não sei se a ironia é oferecer o videogame depois do carnaval (onde muito marmanjo gamer já queimou o dinheiro dos seus salários) ou oferecer um produto em um país onde as telas 4K ainda engatinham. Fato é que comprar um videogame que custa R$ 3.000 é uma aventura meio complicada. Mas compreensível.

Eu ainda estou feliz com o meu jurássico Xbox 360. Até porque eu não tenho mais tanto tempo assim para jogar videogames. Só agora cogito a possibilidade de ter um Xbox One (nada de S ou X, o One mesmo, puro e seco), e durante algum tempo eu tive em casa o Xbox 360 e o PS3.

Mas, como eu disse antes, nem tenho tanto tempo assim para os games. Minha vida se ocupou com outras coisas. Quem sabe um dia eu volte a ter em casa dois consoles de última geração (e um Nintendo Switch… #SonhoMeu), já que não sou um cara preconceituoso.

Por outro lado, eu não me imagino pagando R$ 3.000 em um videogame. Mesmo que não seja apenas um videogame, já que estamos falando de um produto que, hoje, é uma espécie de ‘central de entretenimento’ para a família.

 

 

Porém, diferente do mercado de smartphones, onde R$ 3.000 ou mais é considerado exagero para um produto que faz basicamente o mesmo que um dispositivo que pode custar R$ 1.000, um videogame tem uma boa relação custo-benefício para os usuários específicos.

Muitos gamers defendem o uso dos PCs para os jogos, o que acho muito válido. Mas… já parou para pensar o quanto custa para ter um computador pensado nos jogos?

É um investimento muito elevado, algo que nem todos estão dispostos ou em condições de fazer. E, por incrível que pareça, para muita gente vale mais a pena investir o seu dinheiro em um videogame, que já vem pronto e configurado para essa nobre missão dos jogos.

Logo, antes de achar um PS4 Pro a R$ 3.000 algo muito caro (e não deixa de ser pelos números elevados), é fundamental pensar no valor que ele agrega, e nas facilidades que o usuário recebe ao adquirir um produto dedicado para essa tarefa.

Nem todo mundo sabe montar um computador gamer. E, por isso, os videogames ainda podem reinar por algum tempo.

Mas… e você? Vai encarar o PS4 Pro a R$ 3.000?