Quais marcas vão concorrer com a Poco no Brasil em 2022? | @oEduardoMoreira Press "Enter" to skip to content
Início » Dicas, Truques e Macetes » Quais marcas vão concorrer com a Poco no Brasil em 2022?

Quais marcas vão concorrer com a Poco no Brasil em 2022?

Compartilhe

Os smartphones da Poco se tornaram os queridinhos de muitos consumidores brasileiros, ocupando o lugar no coração deles que antes era da Xiaomi. Se bem que, no final das contas, dá tudo na mesma. Uma marca pertence à outra, e está tudo em casa.

Porém, outras marcas estão nessa briga para chamar a atenção daqueles que prezam pela melhor relação custo-benefício em um smartphone. E é importante que você fique de olho nessas marcas concorrentes, pois elas podem oferecer produtos bem interessantes ao longo de 2022.

Neste post, vou mostrar quais são as principais concorrentes da Poco no mercado brasileiro para 2022.

 

 

 

Poco quer ser dominante na relação custo-benefício

O principal segredo dos smartphones da Poco é apostar no método BBB: entregar telefones que são bons o suficiente para as principais tarefas diárias, bonitos no design (ou pelo menos chamativos na sua estética) e baratos o suficiente para atrair aquele consumidor que quer um dispositivo que não esfole o seu rim no final das contas.

Porém, a Poco não está sozinha nessa empreitada. Outros fabricantes de smartphones renomados oferecem produtos com as mesmas características, e podem fazer barulho para a marca da Xiaomi, atrapalhando um pouco os planos dos chineses em conquistar os nossos corações.

Ter um processador potente em um smartphone barato é algo que muitos fabricantes podem oferecer neste momento. E os executivos da Poco precisam anotar os nomes que serão mencionados neste post a partir de agora.

 

 

 

Quem está competindo com a Poco no Brasil?

Se tem um nome que o pessoal da Poco tem que se preocupar de verdade, esse nome é Realme.

A Realme está ganhando mais e mais força entre os usuários brasileiros, principalmente entre aqueles que adoram importar smartphones da China para o Brasil. Seus produtos são de elevada qualidade, e os preços são muito interessantes.

Há quem diga que um dos diferenciais da Realme em relação à Poco é contar com um software melhor resolvido. O que não deixa de ter um fundo de verdade, já que muitas pessoas estão genuinamente traumatizadas com a MIUI.

Fique de olho no Realme GT 2 Pro, pois este é um modelo que tem tudo para conquistar um elevado volume de vendas nos próximos meses. A ponto de incomodar os principais produtos da Poco que já estão no mercado.

Outras duas marcas que podem atrapalhar a jornada da Poco por aqui são a Motorola e a Samsung.

A Motorola lançou vários smartphones bem interessantes em 2021 que estão no segmento de linha média-alta, mas que não conseguem se igualar aos telefones da Poco no quesito preço. Mesmo assim, oferecer uma garantia de fábrica pode ser um importante diferencial para a marca que é de propriedade da Lenovo.

Já a Samsung surpreendeu com modelos intermediários muito interessantes, como são os casos do Galaxy M52 5G e Galaxy M62, que contam com preços sugeridos muito competitivos no Brasil, e não deixam nada a desejar aos telefones mais populares da Poco.

Por fim, entendo que todo mundo deve ficar de olho também na Infinix, que chega ao Brasil em parceria com a Positivo. A marca promete oferecer smartphones com ótima relação custo-benefício, preços competitivos e garantia de até dois anos para os produtos comercializados no Brasil.

No final das contas, a Poco não terá vida fácil por aqui em 2022. O que não quer dizer que não será impossível ver a marca prevalecendo por aqui ao longo do ano.

Vamos dar tempo ao tempo, e esperar para ver o que os próximos meses nos contam sobre tudo isso.


Compartilhe
@oEduardoMoreira