Quando o Google manda antes o Android 13 para um Pixel 4 (e mata o telefone com isso) | @oEduardoMoreira Press "Enter" to skip to content
Início » Software » Quando o Google manda antes o Android 13 para um Pixel 4 (e mata o telefone com isso)

Quando o Google manda antes o Android 13 para um Pixel 4 (e mata o telefone com isso)

Compartilhe

Eu sei que receber uma atualização de um sistema operacional antes de todo mundo pode ser algo muito positivo, principalmente para aqueles com personalidade mais fraca e precisam se mostrar para todo mundo. Mas sei que para a maioria que precisa dos updates de forma mais imediata, esse é um benefício ou diferencial que não pode ser desprezado.

Não podemos pensar que todo mundo que tem um smartphone é apenas e tão somente um usuário de dispositivo. Um grupo muito específico é composto por desenvolvedores de software e, para essas pessoas, o update antecipado é parte de seu trabalho. E a atualização deixa de ser um uso para se tornar algo fundamental para ganhar dinheiro ou transformar positivamente a experiência de uso com um telefone ou dispositivo informático.

Porém, o mundo não é perfeito, e os softwares de computadores e smartphones também não são. Existe a possibilidade de uma atualização antecipada apresentar problemas sérios. Tão sérios, que podem deixar o telefone completamente inoperante. Um peso de papel caro e chique, que pode oferecer dores de cabeça gigantescas para seus proprietários.

E é bem isso o que aconteceu com esse smartphone que recebeu o Android 13 muito antes da maioria dos usuários. E o seu dono não ficou feliz com esse update.

 

 

 

Quando receber uma atualização do Android não é uma boa notícia

Muitos usuários de smartphones Android estão elegíveis para participar do programa beta de desenvolvimento do sistema operacional do Google. Aqui, os usuários que se comprometerem a contribuir com o desenvolvimento desse software ou em se valer dos benefícios da nova plataforma para avançar no desenvolvimento ou adaptação dos seus aplicativos recebem como benefício as futuras versões do sistema operacional móvel de forma antecipada.

É claro que esse benefício de uma nova versão do Android antes de todo mundo no seu telefone tem um custo. Neste caso, além da já mencionada contribuição que você precisa oferecer para o pessoal do Google que vai eliminar os possíveis problemas a serem detectados durante o período de testes, quem está no programa beta precisa lidar com a falta de estabilidade dessas versões em desenvolvimento.

Testar de forma antecipada as novas funções presentes no Android pode oferecer vantagens e inconvenientes para os usuários. É preciso ter em mente que nem tudo vai sair perfeito ou do jeito que você imagina, e que os problemas eventualmente vão aparecer.

E quando eles aparecem a ponto de deixar o seu smartphone algo inutilizável, o seu sono pode ir embora de vez. E não estou falando da madrugada de sono que você perdeu esperando pela conclusão da atualização de uma nova versão do Android.

Dentro do programa beta, o usuário pode receber de vez em quando diversas atualizações no smartphone. E o normal é que você instale o software que acabou de receber sem pensar duas vezes. E o fato de não pensar antes de fazer o update faz com que eventualmente seja instalada uma atualização do sistema operacional que não é a correspondente ou completamente compatível com o seu telefone, e isso pode fazer com que alguma função do seu dispositivo pare de funcionar.

Isso é algo mais comum do que parece, e pode acontecer até mesmo com as versões estáveis do Android. E é por isso que muitos sites de tecnologia (inclusive o nosso) recomendam com certa frequência que o usuário espere alguns dias antes de realizar a atualização de versões específicas do sistema operacional, principalmente quando começam a noticiar que uma determinada versão do software apresenta um comportamento anormal ou entrega alguns problemas depois do update implementado.

Mas… e quando a atualização do Android é enviada por acidente para um telefone com muitas semanas de antecedência e não completamente compatível com o dispositivo em questão?

 

 

 

O caso do update que nunca poderia (ou deveria) acontecer antes do tempo

O pior aconteceu com o proprietário de uma unidade do já veterano smartphone Google Pixel 4. Ele recebeu recentemente uma atualização do Android 13 por acidente, já que o novo software ainda não estava plenamente compatível com o dispositivo em questão.

O incidente ocorreu no dia 23 de junho de 2022, ou seja, um update que foi enviado para o telefone com muitas semanas de antecedência, já que a previsão de lançamento do Android 13 na sua versão final é para os meses de setembro ou outubro do mesmo ano. E o resultado dessa antecipação não poderia ser outro: o Pixel 4 ficou inutilizado, o que deixou o nosso amigo usuário um tanto quanto irritado.

E nem podemos dizer que o incidente é culpa do proprietário do Pixel 4. Afinal de contas, o dispositivo não estava registrado no programa beta do Android 13, e isso poderia ser o suficiente para justificar a falha e, por tabela, a infelicidade do usuário. Logo, só dá para colocar a culpa da falha no Google mesmo, que enviou para um dispositivo não registrado nesse programa de testes uma versão beta inacabada e cheia de problemas do seu novo sistema operacional para um dispositivo que não era compatível com ele.

A grande maioria dos usuários de smartphones Android teria o mesmo problema que o nosso protagonista com o Pixel 4. Quando recebemos um alerta de atualização em um smartphone, vamos acreditar que aquele software está completamente pronto e compatível com o nosso dispositivo. Logo, a última coisa com a qual vamos nos preocupar é se aquele software vai resultar em problemas maiores com o nosso telefone, que dirá a inoperância do dispositivo por conta da incompatibilidade por parte do sistema operacional.

E o proprietário do Pixel 4 fez aquilo que qualquer um de nós faria nessa mesma situação: fez o download e executou a atualização no telefone.

Uma vez que o download foi concluído e o update instalado no dispositivo, o usuário constatou que o Google Pay parou de funcionar, algo que inicialmente não representaria um grande problema para a sua vida. Porém, a situação ficou um pouco pior quando esse mesmo usuário constatou que o recurso seguiu inoperante mesmo depois que as configurações de fábrica do dispositivo foram restabelecidas.

A suspeita neste caso é que a atualização que foi enviada para o seu telefone era uma variante especial que o Google libera entre os seus funcionários para testes ou ações internas, mas que acabou chegando de forma equivocada para o dispositivo de um usuário como outro qualquer, muito provavelmente por conta da compatibilidade do dispositivo com a versão vazada.

No final das contas, não resta outra alternativa ao usuário que foi vítima do erro do Google a não ser sentar e esperar pacientemente pela chegada da versão final do Android 13, algo que está inicialmente programado para acontecer no último trimestre de 2022. Até lá, o telefone ficará inoperante e com problemas para um funcionamento pleno.

Ou o pessoal de Mountain View envia um update que corrige o erro, ou permite o downgrade para o Android 12 com o menor trauma possível.

Olha… até entenderia a ansiedade por parte dos usuários pelo Android 13. Mas não a pressa do Google em liberar uma versão inacabada desse sistema operacional.

O Android 13 traz como principais novidades a coincidência de cores dos ícones dos aplicativos com o fundo de tela que se usa no telefone, além da inclusão de um novo widget de reprodução de músicas que contaria com uma barra de progresso de reprodução ondulada. Mudanças estéticas que podem chamar a atenção daqueles que estão parcialmente cansados com a mesmice do visual do sistema operacional do Google.

Além disso, o Android 13 vai permitir que os usuários possam estabelecer um idioma para um aplicativo em específico que seja diferente da configuração do idioma principal do telefone, e incluir um novo seletor de foros que permite o compartilhamento de imagens específicas com um aplicativo sem dar ao app acesso aberto a toda a sua biblioteca, entre outros recursos e novidades.

E o melhor mesmo é esperar que o Google envie essas atualizações para o fabricante do seu dispositivo e, depois, ter uma espera ainda maior para que todos os ajustes de funcionalidades e interfaces aconteçam no seu tempo. Caso contrário, a pressa sempre será inimiga da perfeição.

Tanto de sua parte como por parte do fabricante do seu smartphone. E até mesmo por parte do Google, que não acerta sempre.


Compartilhe
@oEduardoMoreira