Eu não sei mais onde estou, que dia é hoje e, o mais importante: que horas são?

O fuso horário mudou duas vezes em menos de dez dias, e as operadoras de telefonia móvel no Brasil está batendo cabeça sobre quando começa o horário de verão. Eu não sofri maiores consequências nas duas ejaculações precoces que as operadoras promoveram, mas sei que algumas pessoas tomaram um belo susto quando se deram conta que estavam um pouco atrasadas para os seus compromissos.

Eu até entendo que as operadoras erraram. Entendo mesmo. Deve ser bem difícil ter que lidar com a confusão generalizada que é o governo brasileiro, que fica trocando a data do início do horário de verão mais rápido do que candidato a presidente que muda o plano de governo.

Agora, o que eu realmente não consigo entender é: como as operadoras brasileiras podem ser tão despreparadas para esse tipo de coisa?

As mudanças de data de início de horário de verão foram constantes, eu concordo. Mas foram amplamente divulgadas, e alguém nas operadoras deveriam ficar de olho nas notícias. Não pode ser algo tão difícil assim, certo?

Errado. Bem errado.

A impressão que dá é que os estagiários fazem de propósito. É naquela coisa “eu não vou mexer nisso aqui porque o meu chefe não mandou, mesmo que isso prejudique milhões de usuários”. Está muito na cara que algum estagiário será demitido depois desse final de semana.

Ou não.

Vai passar batido pelo pessoal técnico das operadoras, e muito provavelmente quando a mudança de fuso horário realmente acontecer (4 de novembro de 2018, no momento em que eu estou escrevendo esse post… sim, pois essa data pode mudar… nunca se sabe…), as operadoras de telefonia móvel no Brasil vão comer bola e simplesmente não realizar a mudança automaticamente.

No final das contas, a gente vive no país onde linguiça tenta comer o cachorro. As operadoras de telefonia oferecem um serviço abaixo da crítica, as pessoas se informam pelo zap zap…

…e vida que segue!