Compartilhe

SONY DSC

Foi um modelo como esse da foto acima, o Sony Walkman WM-FX421, que me ajudou decisivamente a ser um total dependente da música. A primeira mesada mais polpuda fornecida pelo meu pai foi gasta com esse Walkman. Especificamente esse modelo. Na verdade, eu já tinha passado por outros walkmans até aquele momento. Mas esse modelo foi o definitivo para mim.

Mas falemos do walkman. Para quem viveu a época, pode dizer, sem medo de errar, que ele teve o mesmo impacto que o iPod conquistou no mercado musical. A possibilidade de ouvir a sua música em qualquer lugar era algo tentador demais para ser ignorado pelos jovens da década de 1980. E mesmo quando criança, era um dos meus objetos de consumo. Eu simplesmente ficava fascinado com o produto, que era compacto, prático e portátil.

Aliás, esse foi um dos primeiros dispositivos móveis que comprei na vida. O meu primeiro Walkman foi adquirido escondido dos meus pais, em 1993, antes de fazer a minha primeira viagem para Balneário Camboriú (SC). Eu queria fazer questão de levar um produto para ouvir minhas músicas de forma sossegada, sem incomodar ninguém, e evitando de ser incomodado por alguém.

Então fui eu para a praia, com um Walkman no bolso, e um arsenal de pilhas na mochila.

Só fui comprar o modelo da foto desse post anos depois, em 1996/1997 (não me lembro ao certo). Esse modelo da Sony é bem mais completo, com 20 estações de rádio AM/FM programáveis (que poderiam sumir da memória com uma simples troca de bateria), com relógio integrado, sistema de avanço e retrocesso de fita, entre outras coisas.

Avanço e retrocesso de fita… ah, vá! Do jeito que as pilhas decentes eram caras naquela época, todo mundo usava a caneta Bic mesmo, e ficava feliz com isso.

Mas o  tempo passou, o MP3 apareceu, todo mundo começou a comprar os seus iPods ou MP3 players genéricos, e o Walkman ficou esquecido, em alguma gaveta do tempo. Hoje, mesmo contando com um smartphone que faz muito bem o papel de MP3 player (LG G2), eu mantenho o iPod Touch de 3ª Geração (64 GB) em funcionamento, não só pelo espaço para armazenamento de músicas (que é muito maior que o do smartphone), mas também para manter um produto dedicado à música.

Tal como o Walkman era.

Mas o motivo desse post existir não é apenas pelo saudosismo. Mas principalmente, pela curiosidade dos mais novos na descoberta da tecnologia do passado.

walkman

O blog da Semp Toshiba publicou um post sobre o vídeo do canal TheFineBros do YouTube, especializado em mostrar qual é a reação das pessoas diante de alguns fatos ou produtos. Então, eles abordaram as crianças com o (hoje) inusitado Walkman, e registraram suas reações diante do “novo que não era tão novo assim”.

Apesar de estarmos diante de uma geração que já pode ter pulado a era do download, indo direto para a era do streaming, posso dizer que algumas curiosas reações foram as mesmas que eu tive quando comprei o meu primeiro Walkman. Entendo que, para quem é fã de tecnologia, o fascínio por um produto não morre e não muda, independente da época ou da geração.

Vídeo abaixo.

 


Compartilhe