gadgets

Estou dizendo o óbvio. Já tem post na internet falando disso. Mas só estou reforçando, dando aquele conselho de amigo, aquele “toque que não é por trás”. Se pensa em comprar um novo gadget, smartphone, tablet, notebook, videogame ou qualquer outra coisa que usa bateria e tomada? Corra enquanto é tempo: em dezembro, acaba os benefícios da “Lei do Bem” (obrigado, Dilma, por ter f*d*d* com o Brasil), e os preços vão aumentar, em média, 10%.

Fabricantes e e-commerces se movimentam para minimizar o estrago. Contatos nas internas de assessorias de imprensa afirmam que nem os fabricantes de produtos sabem direito o que fazer, pois foram pegos de surpresa. O fim da isenção fiscal estava previsto para o final de 2018, mas como o Brasil precisa recuperar a economia (e tirar dinheiro de onde pode para pagar a gastança do executivo), o fim do benefício foi antecipado para dezembro de 2015.

As vendas de Natal podem ser seriamente prejudicadas, e muitos apostam na Black Friday (que acontece na última sexta-feira de novembro) e na Cyber Monday (que, por sorte, acontece nesse ano em 30 de novembro) como as datas que vão neutralizar as quedas de vendas no varejo brasileiro. Além disso, os e-commerces criam janelas de promoções fora de época, como é o exemplo da já tradicional “Black Night”, realizado pelas lojas virtuais da B2W.

Para o consumidor final que pensa em trocar o seu dispositivo ou adquirir um produto novo, virou uma corrida contra o tempo. Meu conselho (e aí você segue se você quiser) é: se você está com o dinheiro no bolso, e encontrou o seu produto em um preço bacana em uma promoção, não espere e compre agora. Os preços na “Black Friday” não devem ficar muito abaixo disso, e as grandes promoções serão apenas dos produtos que terão estoques esvaziados ou que serão descontinuados.

A partir de dezembro, tudo muda. Infelizmente. E como já vamos pagar a conta por causa do aumento de impostos (que será inevitável) e do aumento da cobrança dos serviços considerados fundamentais, prevejo que os tempos serão difíceis para todos. Vai ficar bem mais difícil comprar eletrônicos depois disso.

Para meu azar.