Querido Papai Noel.

Endereço: céu.

Como está o senhor? Espero que esteja tudo bem com o senhor, pois comigo está tudo muito bem, apesar de tudo.

Eu sei que eu não escrevo para o senhor há muito tempo, e confesso que até perdi a prática para escrever cartas para qualquer pessoa. Antes de qualquer coisa, eu peço sinceras desculpas por isso. É a vida apressada, os meus compromissos profissionais e musicais, além de várias outras atividades que me cobram tempo. E isso faz com que alguns hábitos fiquem de lado. Mas isso não significa que eu me esqueci do senhor.

Mas eu estou escrevendo essa carta por um motivo especial. Eu fiquei sabendo (não me contaram; eu vi uma foto) que o senhor esse ano decidiu fazer uma visita para o aniversariante de logo mais, o menino Jesus. Eu queria aproveitar essa oportunidade para pedir um favor ao senhor. Bom, quero dizer, é uma troca.

Espero que o senhor aceite.

Eu sei que o senhor tentou entregar o meu presente nos últimos três anos. Mas nesse período, eu morei em cidades diferentes. Fiquei dois anos em Ponta Grossa (PR), e hoje eu moro em Florianópolis (SC). Mas não se preocupe: eu estou bem e feliz na Ilha da Magia.

Eu estou escrevendo para o senhor para avisar que não vai me encontrar no meu apartamento em Florianópolis, pois eu estou aqui em Araçatuba (SP), com os meus pais. E este foi o meu presente de Natal nos últimos três anos. Logo, o senhor não precisa passar no meu apartamento para deixar o meu presente.

Isso deixa mais tempo para o senhor ficar com o menino Jesus. E é justamente por isso que eu estou sugerindo essa troca: para usar o tempo que o senhor gastaria para entregar o meu presente para deixar alguns recados para ele.

Mesmo porque eu não tenho o WhatsApp dele. Ainda.

Então, Papai Noel… diga ao menino Jesus que eu agradeço, do fundo do meu coração, por tudo o que aconteceu comigo em 2018. Inclusive as coisas que não foram tão boas assim.

Diga a ele que eu tenho a consciência que eu fiz as escolhas e tive os resultados, e que ele atendeu ao principal pedido que eu fiz ao Pai dele: que acontecesse o melhor para mim, mesmo que alguma coisa não desse certo.

Diga ao menino Jesus que eu peço desculpas por todas as vezes que eu não consegui cumprir com aquele papo de “amar ao próximo como a si mesmo” ou “perdoai 70 vezes 7 vezes”. Eu ainda tenho problemas com as pessoas que fazem a borracha gastar mais que o lápis, mas que reconheço nelas e em mim as imperfeições que eu ainda tenho que lapidar na minha essência.

Mas também diga a ele que, aos poucos, eu estou aprendendo a ser mais paciente e perdoar mais. Que perdoei a mim mesmo para assim perdoar mais fácil as pessoas que eu mais amo, pois sem elas perto de mim eu não sou feliz.

De qualquer forma, eu vou cultivar em mim mais compaixão para transmitir um olhar de amor e esperança para aqueles que mais precisam.

Papai Noel, diga ao menino Jesus que, em 2018, eu não fui um menino bonzinho. Que eu decepcionei alguns corações, que eu revidei ofensas, que eu explodi com algumas pessaos. Em compensação, eu salvei uma vida da mazela do câncer, eu perdoei erros de pessoas que eu amo, estou reinventando a minha forma de amar e até mesmo evitei perder amizades por causa de política, algo que foi bem difícil nesse ano.

Por fim… Papai Noel…

Ao estar próximo do menino Jesus… dê um abraço nele por mim. E agradeça em meu nome pela vida que eu tenho hoje. Agradeça a ele por eu não ter desistido de realizar tantas mudanças em minha vida, por me dar racionalidade para não abandonar as minhas convicções e sonhos, por me inspirar nessa extraordinária releitura que eu faço da minha existência, e por me oferecer o maior presente: o reencontro comigo mesmo.

Para garantir que estaremos juntos de alguma forma, na noite de hoje, eu vou fechar os meus olhos, e elevar os meus pensamentos até vocês dois. E imaginar a cena da foto: o senhor, Papai Noel, ajoelhado diante do menino Jesus.

Então… Temos um acordo?

Se o senhor aceitar a troca, os meus pais deixarão leite e biscoitos na porta da casa deles.

Ah, sim… e Feliz Natal!

Obrigado pela atenção.

Um grande abraço do amigo que sempre acreditou que o senhor existe,

Eduardo Moreira