razer phone

O Razer Phone foi apresentado. É oficial, e é o legítimo monstro que saiu da jaula que todo mundo esperava.

E agora?

Mesmo sendo um baita smartphone nos seus números, ele é apenas mais um em um mercado com tantas marcas competindo por um lugar ao sol. Não é um dispositivo para as grandes massas, nem mesmo para os geeks convictos, que desejam a tecnologia de ponta. O Razer Phone é claramente voltado para um público bem específico: os gamers.

Suas linhas arrojadas, especificações top de linha e preço elevado o aponta para uma competição com os melhores dispositivos do mercado, mas isso não quer dizer que ele vai superar modelos da Apple, Samsung, LG, Huawei, Sony e derivados na mesma faixa de preço. E é justamente essa competição com os tops mais populares que pode representar o fracasso do modelo no mercado.

 

 

Galaxy S8, LG G6, iPhone X e Huawei Mate 10 são diferentes entre si, mas em comum, contam com o fator “pensados no usuário sem necessidades específicas”. Já o Razer Phone traz como lema “feitos por gamers, para os gamers”, e o Android ainda não entrega o mesmo nível de excelência que o Nintendo Switch para os jogos.

Na verdade, não existe comparação entre os dois produtos. O Razer Phone é um smartphone, e o Nintendo Switch é um console. Simples assim.

Deixando o fanatismo de lado, o Razer Phone é apenas mais um smartphone top de linha no mercado. Merece o seu devido destaque por oferecer uma qualidade bem acima da média, com um preço aceitável para um top de linha. Porém, vai enfrentar uma enorme concorrência.

O Razer Phone tem tudo para ser um sucesso no nicho gamer e entre os fãs da marca, ou para os mais vanguardistas. Mas o grande público deve mesmo escolher as marcas mais populares.