Compartilhe

Ontem (5) eu escrevi sobre o Motorola Moto G8, e lancei a pergunta: será que o amor pelo Moto G ainda existe? Eu digo isso não por entender que a paixão dos usuários por essa série naturalmente enfraqueceu pelo fato dos dois lados buscarem caminhos diferentes (os usuários querendo smartphones com a melhor relação custo-benefício, enquanto que a Motrola quer dispositivos mais caros), mas também porque os telefones chineses estão em alta, oferecendo produtos cada vez mais atraentes.

Eu falei no post sobre a Xiaomi e a Redmi como os principais representantes chineses dentro do segmento de linha média. Mas o destaque hoje vai para a Realme, que também está mandando muito bem nos seus novos produtos. Os novos Realme 6 e Realme 6 Pro são provas materiais do quão competitivo e atraente podem ser os dispositivos desses fabricantes, deixando o mercado de linha média algo cada vez mais dinâmico e competitivo.

 

 

 

A Realme dando aula para muito fabricante tarimbado

 

 

Muitos usuários brasileiros nunca ouviram falar da Realme, mas ela já tem um tempo no mercado, e está mandando muito bem nos seus últimos lançamentos.

Os novos Realme 6 e Realme 6 Pro são dispositivos muito competentes nas suas respectivas propostas, que entregam diferenciais que antes só seriam vistos em modelos top de linha e, mesmo assim, em alguns casos, tops de linha premium.

 

 

Os principais predicados dos dois modelos estão na tela com taxa de atualização de 90 Hz e nos processadores pensados no universo gaming. Esses dois elementos basicamente se completam na proposta em oferecer smartphones que são potentes para uma tarefa mais exigente, mas com preços bem mais acessíveis que os modelos premium.

Isso está ficando cada vez mais comum entre os fabricantes chineses, que estão dando aula nos grandes nomes do mercado de telefonia. Não vai demorar muito para que marcas como Samsung, Motorola, LG, Sony e Apple acordem para o fato que não pode se viver apenas do nome, mas que é fundamental apresentar evoluções tecnológicas para se manter no topo.

Na verdade, essas marcas tradicionais que pouco inovam encontram nos seus diferenciais argumentos pouco sustentáveis para subir o preço de seus produtos a valores inalcançáveis para a maioria dos usuários. Vide as telas dobráveis e flexíveis, que estão custando mais de 2.000 euros em alguns casos pontuais.

 

 

 

O que eu penso sobre o Realme 6 e Realme 6 Pro

 

 

São smartphones muito interessantes, considerando a sua faixa de preço (entre 160 e 233 euros). Aliás, é mais do que isso: são telefones que entregam muito mais do que você pode esperar para os preços sugeridos por ele.

Fica difícil defender a Motorola e o Moto G8 (por exemplo) quando o Realme 6, com as mesmas especificações de RAM e armazenamento, mas com processador mais potente e complementos de hardware mais avançados, possui preço menor que o G8 comercializado no Brasil. Tá, você vai ter que pagar um valor adicional pela importação. Mesmo assim: a relação custo-benefício dos modelos da Realme é melhor.

 

 

Considere esse dispositivo para a sua compra futura, principalmente se você busca um smarpthone gaming para chamar de seu. Isso é, se o dólar deixar, é claro.


Compartilhe