Um jogo histórico, por vários aspectos.

A final da Copa Conmebol Libertadores 2018 entre River Plate vs Boca Jrs realizada em Madri (Espanha) foi algo épico, pelos erros e acertos.

Antes de falar do que realmente importa – os aspectos esportivos que envolveram essa final -, não podemos nos esquecer jamais de todos os lamentáveis episódios ocorridos em Buenos Aires. De toda a selvageria que levou ao cenário de hoje. Por mais que, a partir de 2019, as finais da Libertadores aconteçam em campo neutro e jogo único (nos moldes da UEFA Champions League), é preciso rever esse conceito de “clima de guerra” e “várzea” que a Conmebol abraçou.

Deixando isso de lado, essa foi a mais longa final da Libertadores da história. Afinal de contas, o primeiro jogo foi adiado por condições climáticas, e o segundo jogo em semanas pela ignorância de um coletivo irracional.

Mas também é fato que o primeiro jogo já foi sensacional, terminando em um empate.

Agora, esse segundo jogo…

O clima de guerra em campo que pode ser criticado por alguns, ao mesmo tempo resultou em um jogo simplesmente épico e surreal hoje em Madri. Um Boca Jrs que foi além de todos os limites, tentando segurar o resultado positivo com dois jogadores a menos.

Porém, apesar de não acompanhar de perto a Libertadores 2018, em minha mente (e junto com meus amigos, pois sempre tem alguém que é testemunha das minhas verdades e mentiras), eu entendia que o River Plate era um grande time, e era um time melhor que o Boca Jrs.

Foi um jogo sem precedentes, em um cenário gigantesco, e com um final surreal. Prorrogação, goleiro do Boca jogando na linha metade do segundo tempo da prorrogação, e um gol sem goleiro que fechou o confronto.

É um River Plate que pode bater de frente com o Real Madrid no Mundial de Clubes que está para começar. Temos que lembrar que este time madrilenho não tem Cristiano Ronaldo, que era boa parte do seu poderio ofensivo. Sonhar não custa nada, e uma das partes mais complicadas desse sonho o time argentino já enfrentou e passou.

Pode ser que um dos capítulos mais inusitados da história do futebol finalmente acabou de ser escrito. Mas com certeza fomos testemunhas de um momento que será lembrado por muitos anos pelos fãs desse esporte.

E espero que alguém na Conmebol tenha aprendido algumas coisas com tudo o que aconteceu dentro e fora de campo.

De qualquer forma, parabéns ao River Plate pelo quarto título da Libertadores.