Samsung apostou nos smartphones dobráveis em 2021, e estabeleceu um novo reinado na telefonia móvel | @oEduardoMoreira Press "Enter" to skip to content
Início » Telefonia » Samsung apostou nos smartphones dobráveis em 2021, e estabeleceu um novo reinado na telefonia móvel

Samsung apostou nos smartphones dobráveis em 2021, e estabeleceu um novo reinado na telefonia móvel

Compartilhe

O que era uma excentricidade há três anos se tornou um objeto de desejo de muita gente em 2022. Inclusive o meu.

Eu me convenci que já dá para chamar um smartphone com tela dobrável de “algo decente e utilizável”. E não estou sozinho neste pensamento.

Quem usou este tipo de dispositivo em 2021, principalmente no caso do Samsung Galaxy Z Fold3, afirma que estamos diante de um produto amadurecido o suficiente para ser explorado da forma correta nos aspectos comerciais. E outros fabricantes do setor vão apresentar suas alternativas com o mesmo formato ao longo dos próximos 12 meses.

Vamos entender então por que a Samsung acertou ao investir mais tempo e dinheiro nos smartphones dobráveis.

 

 

 

Acabar com a família Note foi um acerto no final das contas

O que manda nesse mundo ainda é o dinheiro. Até quando? Não sei. Também me convenci que o capitalismo se curvou de joelhos diante de um inimigo invisível. Mas pelo menos por enquanto, ele ainda é forte o suficiente para fazer a roda do mundo girar.

E alguns números envolvendo dinheiro são muito interessantes para a Samsung. E o número que merece destaque aqui é dos 150% a mais de usuários que se sentiram mais atraídos pelos telefones dobráveis do que pelo Samsung Galaxy Note 20.

E estamos falando de telefones que são muito mais caros que os modelos com canetinha, entregando uma margem de lucro muito maior para os coreanos.

Viu como a conta fecha?

No final das contas, substituir o possível Galaxy Note 21 pelo Galaxy Z Flip 3 foi um acerto.

Dessa forma, a Samsung conseguiu manter o seu ar de pioneirismo e, ao mesmo tempo, evitar um canibalismo entre os seus telefones. Se você ainda quer um smartphone da empresa com a S-Pen, pode comprar o Galaxy S21 Ultra ou o futuro Galaxy S22 Ultra.

E ser feliz com essa compra.

 

 

 

O reinado dos smartphones dobráveis só começou

Este é um caminho sem volta.

Os smarpthones dobráveis serão considerados o topo da cadeia alimentar da telefonia móvel. Ainda mais agora, que os preços desses dispositivos caíram de forma expressiva em vários mercados globais.

O resultado disso está no aumento das distribuições desses smartphones em nada menos que 480% durante o terceiro trimestre de 2021 (em comparação com o mesmo trimestre do ano anterior). E o grande “culpado” disso foi o Galaxy Z Flip 3.

E no quarto trimestre, o dobrável menos caro da Samsung vendeu quase o dobro que o modelo mais premium, o Galaxy Z Fold 3. Sem falar que, nos últimos 12 meses, o salto de produção de telas dobráveis foi notório em 2021, e algumas projeções apontam para o dobro em 2022.

 

 

 

A concorrência vai levar os telefones dobráveis para a linha média

É correto dizer que a popularização dos telefones dobráveis também vai passar pela redução de preços e, principalmente, pelo lançamento de smartphones intermediários com essa característica de design.

Xiaomi e Realme devem apresentar produtos de linha média com esse conceito. Podem não ser tão completos como é o Galaxy Z Fold, mas certamente mais próximos da proposta do Galaxy Z Flip 3, que é o modelo de referência para conquistar os corações e bolsos daqueles que não contam com tanta grana.

Estava escrito que isso iria acontecer, mais cedo ou mais tarde. E qualquer um de nós está mais próximo de ter um smartphone com tela dobrável, já que os dispositivos se tornarão mais acessíveis com o passar do tempo.

A única pergunta que fica neste momento é: será que todas as questões relativas à durabilidade dessas telas e dispositivos foram respondidas, com os problemas pendentes resolvidos?

O tempo, sempre ele, vai dizer.

Porém, é inegável que temos um novo rei na telefonia móvel (no quesito “sou o topo de tecnologia que você pode ter no bolso, custe o que custar”), e ter um smartphone dobrável em um futuro a médio prazo será uma opção tangível e, ao mesmo tempo, mostrar ao mundo que avançamos na telefonia móvel.

Mesmo que seja em um aspecto um tanto quanto efêmero e de produtividade subjetiva.

Mas… quem liga pra isso?


Compartilhe