Ir ao conteúdo

Samsung: de fazer bullying a copiar a Apple em questão de semanas

Compartilhe

O mundo gira. A lusitana roda. E a Samsung está bem longe de ser uma das empresas mais originais do mundo no mercado de smartphones… porque continua imitando a Apple de tempos em tempos.

Eu devia estar de férias. Deixei vários posts agendados para os próximos dias. Mas estou aqui, mais uma vez, para falar da incoerência da Samsung no mercado mobile. Primeiro, tira sarro da coleguinha Apple, que deixou de fora o carregador para fones de ouvido do kit de vendas para o iPhone, para depois fazer igualzinho, retirando o mesmo acessório do kit de venda do Galaxy S21.

As coisas podem mudar, obviamente. Afinal de contas, o Galaxy S21 só vai ser uma realidade em janeiro do ano que vem. Porém, observando o histórico dos coreanos, é mais fácil o brasileiro que faz pose de arminha voltar a ser sensato que a Samsung desistir de seguir os passos da Apple nessa decisão.

 

 

 

Tudo pelo dinheiro

 

Tal movimento da Samsung não acontece por acaso. Os coreanos sempre tiveram a Apple como parâmetro para oferecer aquilo que os seus usuários (boa parte asiáticos) tanto querem.

E, nesse caso em específico, que não querem também.

Não ter o carregador no kit de venda de um smartphone é a mesma coisa de você comprar um PS5 sem controle, ou… um smartphone sem carregador mesmo. Fica faltando uma parte importante do produto, e o argumento de “preservação do meio ambiente” lançado pela Apple nunca colou. É uma conta que não fecha.

Pois é. Todo mundo sentou a Apple na porrada e nas críticas, e com toda razão. Não foi difícil concluir que o principal objetivo dessa decisão de péssimo gosto era conseguir ainda mais dinheiro para uma empresa que precisava recuperar a margem de lucro do iPhone a todo custo.

 

 

A Xiaomi zoou. A Saamsung tirou sarro. Eu mesmo zoei até dizer chega. Todos nós estávamos de mãos dadas fazendo o grande círculo do bullying contra a Apple.

O mundo era feliz.

Até que veio a Samsung, e quis fazer igual a irmãzinha norte-americana, onde o Galaxy S21, um smartphone top de linha que tem tudo para ser um gastador de bateria (salvo milagres no chip Exynos), não contará com o carregador na caixa, que seria mais rápido na recarga que qualquer carregador xexelento que você possui em casa.

Que lástima, hein, Samsung!

 

 

 

Só a ASUS salva agora?

 

A Apple cria tendências para tudo no mundo da telefonia móvel. Até mesmo para aquilo que não presta. O notch é um claro exemplo disso: alguns fabricantes nem precisavam daquela porcaria na tela do dispositivo, mas ainda assim decidiu integrar aquele negócio para parecer com um iPhone.

A tendência é que boa parte dos fabricantes de telefonia móvel faça o mesmo, e remova os carregadores dos kits de venda dos smartphones. Infelizmente.

E isso vai acontecer por um único motivo: é altamente lucrativo para os fabricantes. Os usuários que querem se beneficiar do recurso de recarga rápida terá que colocar a mão no bolso e gastar para comprar um novo carregador, já que esse que está perdido em alguma gaveta na sua casa não serve para nada.

Por que eu falei da ASUS?

Porque ela é uma das poucas que ainda apontam para outra direção, com propostas diferentes para os seus smartphones. E inclui o carregador rápido no kit de venda do seu caro ZenFone 7. Ao menos isso.

Já a Samsung… decidiu ser “Maria vai-com-as-outras”.

De novo.


Compartilhe
Publicado emMinha OpiniãoSmartphonesTelefonia