Saímos do duelo dos megapixels e entramos no duelo do número de sensores trabalhando de forma conjunta. O Samsung Galaxy A9 (2018) confirmou a estreia de quatro câmeras traseiras em um smartphone, e levanta o questionamento sobre a real necessidade disso.

Eu entendo que, em um mercado de telefonia móvel que enfrenta um momento complicado, em um ponto de inflexão considerável e já demonstrando dificuldades nas vendas, os fabricantes precisam apresentar ideias novas e, se possível, revolucionárias.

Os fabricantes podem se diferenciar em alguns aspectos. Experiência de uso, design (apesar da maioria parecer ser um mais do mesmo com o notch) e, principalmente, sensores fotográficos.

Nesse sentido, a corrida por oferecer a maior versatilidade nas opções fotográficas pode determinar o vencedor junto ao consumidor. Lembrando que essa versatilidade não necessariamente quer dizer qualidade final das fotos.

No caso do Galaxy A9 (2018), o principal foco é a versatilidade nos modos de foto que ele oferece. Porém, apesar de contar com vários sensores fotográficos, ele não promete vender as melhores fotos.

Vários itens pesam na equação para a entrega da melhor foto: como o fabricante trabalha com esses sensores, a qualidade dos mesmos, abertura dos sensores, o pós processamento por software, entre outros.

Logo, não é exagero afirmar que a qualidade final do sensor fotográfico solitário presente na parte traseira do Google Pixel 3 pode ser superior aos resultados versáteis dos quatro sensores do Galaxy A9 (2018).

É claro que essa opinião pode mudar quando as primeiras análises do novo smartphone da Samsung começarem a ser publicadas. Apenas o teste real, prático e do dia a dia podem mostrar do que essas quatro câmeras realmente são capazes, e qual é a qualidade final das fotos que o modelo pode capturar.

Porém, olhando para os números frios e para a proposta de forma superficial, é inegável pensar que, pelo menos por enquanto, ter mais sensores fotográficos não quer dizer nada. Se eles não trabalham bem juntos, o resultado vira um ‘mais do mesmo’.

Vamos esperar o Galaxy A9 (2018) chegar ao mercado em novembro, e ficar de olho nos primeiros reviews. Espero que o resultado final das fotos seja tão bom quanto a Samsung promete.

Mesmo porque podemos ver essa mesma tecnologia nos modelos top de linha da empresa no futuro.