Mais uma vez, eu digo: nasceram as crianças!

Os novos Samsung Galaxy S9 e Samsung Galaxy S9+ apresentados de forma oficial na Mobile World Congress 2018 foram tão vazados pela imprensa especializada, que nada restou para falar sobre esses modelos. Na verdade, quase nada: a Samsung forçou a barra com sua versão de animojis no palco.

Isso fez a apresentação dos smartphones bem menos impactante que o esperado, deixando o evento até constrangedor para os presentes em Barcelona, com aplausos sem entusiasmo e um comportamento muito frio para um lançamento desse porte.

Quem assistiu o evento por streaming sentiu a mesma coisa, e muitos simplesmente desistiram de ver o evento.

 

 

De qualquer forma, os novos smartphones são uma realidade. Gostei do design dos novos modelos, mesmo entendendo que eles são basicamente iguais aos dispositivos lançados no ano passado. O que é um acerto. Em time que está ganhando, não se mexe. Definitivamente.

Aproveito para dizer: obrigado, Samsung, por mudar a posição do leito de digitais. Graças ao bom Deus o erro do Galaxy S8 e S8+ foi corrigido, e o leitor biométrico está abaixo do sensor de câmera. Ainda não é o ideal, mas é menos pior do que a infelicidade dos modelos do ano passado.

 

 

Do mais, as mudanças esperadas: processadores melhores, mais RAM, mais armazenamento. E as novas câmeras, com abertura variável, que foi onde a Samsung deu mais foco (sem trocadalhos) ao longo de todo o evento. Prometem ser câmeras realmente excelentes, o que é algo bem vindo em um universo onde as pessoas estão produzindo mais e mais conteúdos de fotos e vídeos para a internet.

No final das contas, quem gostou do Galaxy S8 e S8+ vai gostar do Galaxy S9 e S9+. Se a sua ênfase é a qualidade de fotos e vídeos registrados no seu smartphone, ou se você depende do top de linha da Samsung para produzir conteúdos com a melhor qualidade possível, talvez vale a pena considerar a troca do modelo do ano passado para o modelo desse ano.

 

 

Para quem já tem um Galaxy S8 e S8+, a troca só é recomendada pela ostentação. Para quem tem um Galaxy S7 e Galaxy S7 Edge, pense se vale a pena queimar essa grana toda nos modelos desse ano, ou se talvez será um bom negócio economizar algum dinheiro na compra dos modelos lançados no ano passado, que ainda contam com alguma gordura para queimar nas atualizações e no desempenho geral.

Por fim, US$ 999 no Galaxy S9+ me proíbem de sequer tentar comprar esse modelo no Brasil. Vai beirar (ou ultrapasar) os R$ 5.000 com relativa facilidade.