mark-zuckerberg

Não é por isso que você vai usar!

Nesse final de semana, Mark Zuckerberg teve suas contas do Twitter e do Pinterest hackeadas pelo grupo OurMine Team. O hack aconteceu por fruto do vazamento das senhas do LinkedIn, e os cibercriminosos simplesmente tiveram que tentar a senha disponível nessa ferramenta para tentar nos serviços previamente citados. Tudo bem simples, e dispensando o uso de técnicas sofisticadas de hack.

Aqui, temos uma situação constrangedora para o menino Zuck. Não tanto por ter sua conta violada, já que isso pode acontecer com qualquer pessoa, literalmente. Mas sim por ver que a filosofia de segurança do co-criador do Facebook é a mesma da sua mãe, por exemplo. A tendência dele é colocar a mesma senha em mais de um serviço online, e aí quando esse tipo de problema acontece, vários serviços ficam expostos à violação de dados.

Agora, imagine você, amigo leitor: se Mark Zuckerberg pensa em segurança com essa linha de raciocínio, imagine o quão o Facebook pode estar desprotegido?

É claro que posso até estar exagerando. É de se imaginar que Zuckerberg deixa essa missão de proteger a maior rede social do planeta para outras pessoas, para profissionais muito bem pagos na área de segurança. Em alguns casos, o Facebook chega a ser chato de tanto que enfatiza a questão de segurança, com vários sistemas de verificação de conta.

Mesmo assim, o comportamento de Zuckerberg no que tange ao ato de administrar suas contas nas redes sociais está bem longe de ser considerado o ideal. Tudo bem, eu sei… é chato decorar várias senhas. Mas para isso existem ferramentas na internet que armazenam as suas senhas em uma área (teoricamente) segura, para só depois enviar para todos os serviços que você possui uma senha única, fazendo uma espécie de “verificação em dois passos disfarçada”. O Last Pass é um dos mais conhecidos e populares, e pode ser utilizado por qualquer pessoa.

Entendo que o incidente com Zuckerberg pode servir de exemplo para qualquer pessoa. É possível minimizar riscos com medidas simples, que levam poucos minutos para serem aplicadas, e com baixo nível de complexidade. Nós, usuários comuns, nos preocupamos com aquelas nudes que mandamos pelo WhatsApp, com com os poucos reais que temos em nossa conta bancária.

Se o Zuckerberg não ligava para isso, o problema é dele!