Sergio-Moro

O dia 16 de março de 2016 foi um dos mais malucos da história da política brasileira. E Sérgio Moro conseguiu roubar o protagonismo de Lula nesse dia.

Depois de todos se sentirem derrotados com a nomeação do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva (investigado na Operação Lavajato e pela suposta compra do triplex de Guarujá reformado pelas empreiteiras envolvidas no esquema do Petrolão), vem o herói nacional Sérgio Moro (juiz federal que comanda as investigações) jogar a merda no ventilador.

Moro quebrou o sigilo telefônico de Lula, e nas gravações, temos uma ligação da presidente Dilma Rousseff para o ex-presidente, onde ela informa ao companheiro que estava enviando o documento de posse, que deveria ser utilizado “em caso de necessidade”. A necessidade seria o caso de Lula ser abordado por algum policial com mandato de prisão.

Isso configura a obstrução de justiça por parte de Dilma. Afinal de contas, a presidente não pode promover um cidadão comum (sim, pois era isso o que Lula era até a manhã de hoje) para um cargo no alto escalão (ainda mais como Ministro Chefe da Casa Civil, que nesse caso em particular, é praticamente a presidência da República, já que Dilma tem a mesma representatividade política do Bob Esponja), com o objetivo final de impedir que esse cidadão seja preso.

É claro que Lula efetivamente iria tentar ajudar Dilma, tentando convencer a base aliada (principalmente o PMDB) para ficar do lado deles, para assim evitar um eventual processo de impeachment, que depois da gravação de hoje, entendo ser algo iminente.

Ou o impeachment, ou a renúncia. Dilma agora pode escolher.

todos

Com a nomeação de Lula (já homologada em edição extra do Diário Oficial), Lula passa a ter foro privilegiado, e só pode ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que por sinal não está nada feliz com essa nomeação. Nesse quadro, Sérgio Moro não poderia prender preventivamente Lula, como parte do processo das investigações da Operação Lavajato.

O que Moro fez? O que qualquer um de nós tem vontade de fazer nesse momento: se vingou de Lula.

Moro pensou: “já que não posso tocá-lo, vou mostrar ao Brasil por que ele virou ministro”. Quebrou o sigilo telefônico do ex-presidente, e a gravação da conversa de Lula e Dilma rapidamente foi parar no canal de TV de maior audiência do Brasil: a Rede Globo (via Globo News).

A bomba explodiu. As cabeças de Dilma e Lula estão em uma bandeja de prata. Pouco do que disser poderá defender os dois diante dos fatos.

E sim… Sérgio Moro… engravida a minha mãe. Precisamos de mais juízes como você!