Ipod touch 3G

Eu amo escrever todos os dias sobre tecnologia. Foi onde eu me encontrei dentro desse mundo. Mas minha paixão pela música é ainda maior. Veio mais cedo na minha vida, e me acompanha desde que eu me entendo por gente. Ganho dinheiro com a tecnologia hoje, mas a música está no meu sangue, é o combustível para seguir em frente. Porém, por mais que eu ame o Motorola Moto X, ele tem um problema sério nesse aspecto: 16 GB de armazenamento, sem a possibilidade de expansão de memória.

Então, eu fui para a solução mais lógica: adquirir um player musical dedicado. Não é a melhor solução para o perfil de uso atual (onde temos smartphones que podem fazer o papel de players musicais, com elevadas capacidades de armazenamento), mas como diz o ditado moderno, “é o que temos para hoje”.

Como meu objetivo era apenas ouvir música e nada mais – nada de jogos, navegação na internet, redes sociais, e-mails, etc -, eu optei pela opção mais barata e funcional possível. Por incrível que pareça, a melhor opção foi o iPod Touch de terceira geração, com 64 GB de armazenamento.

Como eu disse antes, eu não precisava de um produto com elevada performance. Ele tinha que ser competente para reproduzir músicas, leve o suficiente para eu não ter tantos traumas ao lembrar que carrego dois produtos no bolso, um volume de áudio plenamente satisfatório, e uma grande capacidade de armazenamento. Encontrei tudo isso por apenas R$ 300 + frete.

Tudo bem, a parte traseira do player está toda arranhada (e qual iPod Touch não fica assim?), mas isso é algo que pode ser remediado com alguns pequenos truques (a.k.a. gambiarra). O que importa é que agora posso colocar parte de toda a minha biblioteca musical sem maiores problemas, não consumir a preciosa bateria do meu smartphone, e seguir ouvindo as trilhas sonoras da minha vida.

Moral da história: nem sempre o gadget mais caro é aquele que te faz feliz.