Vai ficar cada vez mais caro.

O smartphone é o dispositivo de tecnologia mais popular de consumo geral na atualidade. São fáceis de usar, tem várias funções e preços iniciais muito econômicos. Novos fabricantes e o crescimento dos chineses deixaram o setor muito competitivo, e o consumidor só ganhou com isso.

Hoje, não precisamos vender um rim para comprar um smartphone. Porém, os smartphones top de linha são mais e mais caros. E isso não deve mudar a curto ou médio prazo, e pode alcançar o segmento de linha média.

O primeiro motivo para o aumento dos preços está no custo dos materiais. Alguns componentes estão muito mais caros, o que afeta o preço final dos produtos. A memória DRAM é a principal culpada, pois nos últimos tempos tiveram preços inflacionados. As telas OLED sofreram o mesmo aumento de preço com o lançamento do iPhone X.

Isso faz com que o aumento dos preços dos modelos top de linha seja algo “normal”. Mas este não é o único motivo a se levar em conta.

 

 

O iPhone X superou a marca de US$ 1.000, e o modelo é uma revolução no catálogo da Apple, com uma tela 19:9 com notch, o Face ID, sistema de autenticação biométrica com sensores 3D e outras novidades.

E tais novidades custam caro para serem produzidas. O resultado disso? Apesar de oferecer boas vendas, o iPhone X não cumpriu com as expectativas da Apple.

Os bons resultados mostram que as pessoas estão dispostas a pagar mais por modelos com novos recursos que justificam o aumento do preço. O Huawei P20 Pro confirma a teoria: sua câmera tripla traseira oferece um valor claro ao usuário, mas eleva o seu custo de produção e preço de venda.

Não será surpresa se a Apple vender o modelo base do futuro iPhone X Plus 2018 a US$ 1.200. Todos nós falaremos um monte sobre esse preço, mas algumas pessoas vão comprar do mesmo jeito.

A OnePlus foi subindo o preço de venda dos seus smartphones top de linha a ponto de duplicar o valor. Uma realidade que a Xiaomi pode manter sob controle, reduzindo as suas margens de lucro.

 

 

Mas.. quanto você está disposto a pagar por um smartphone top de linha?

Por mais que tentemos encontrar uma resposta universal, fato é que não existe um perfil único de consumidor.

A maioria valoriza a relação custo-benefício na compra de um smartphone. Mas esse é tipo de gadget que é um indicador de status, e muitos estão dispostos a pagar a mais para se diferenciar da maioria, mesmo que não utilize os novos recursos do dispositivo.

No final tudo depende do orçamento de cada usuário, de suas necessidades e da ideia de status. Porém, é indiscutível que a ideia de pagar R$ 3.000 ou mais em um smartphone se tornou algo “comum e normal”, e isso gera consequências na aceitação da chegada de dispositivos cada vez mais potentes, mais completos… e mais caros!