iPhone X

O iPhone X é um sucesso. Um sucesso inesperado para mim. Eu realmente não imaginava que um smartphone de US$ 1 mil fizesse tanto sucesso e popularidade no mercado.

É claro que a Apple tem méritos nisso. Lançou um dispositivo que é uma quebra de paradigma para ela mesma, oferecendo elementos de design diferenciados em relação aos modelos anteriores, um hardware com desempenho impecável, recursos inovadores, uma câmera de alta qualidade, entre outros fatores.

Sim, é um smartphone realmente impressionante. Por outro lado, é um dispositivo que deu sorte.

Em partes, o sucesso do iPhone X pode ser atribuído ao Google Pixel 2 XL. Para o bem e para o mal.

Mesmo sendo um autêntico top de linha em todos os sentidos, o Google Pixel 2 XL peca naquilo que o iPhone X se desafiou: o design.

O Google Pixel 2 XL é extremamente conservador nesse aspecto, com poucas mudanças e inovações nesse aspecto, especialmente no formato da tela do produto. Pode não parecer, mas a estética do smartphone é, hoje, um dos fatores mais importantes para um produto alcançar o seu sucesso comercial.

E aqui, o Google Pixel 2 XL virou um “mais um com hardware turbinado”. Para muitos, ele nem bonito é. E isso atrapalha e muito.

 

Google Pixel 2 and Pixel 2 XL - Sucesso do iPhone X tem (e muito) a ver com o Google Pixel 2 XL

 

Sem falar que o Google Pixel 2 XL tem mais problemas que soluções. Recentemente vi o review do dispositivo no Canaltech e, vergonhosamente, o smartphone apresentou defeitos na sua problemática tela, confirmando assim o que diversas editorias de tecnologia escreveram sobre o dispositivo ao longo das últimas semanas.

O Google Pixel 2 XL tinha sim potencial para bater de frente com o iPhone X. Não tanto no volume de vendas, mas na proposta de ser o melhor smartphone de 2017. Não rolou. Infelizmente.

Por isso, tem muita gente lá na Apple comemorando e agradecendo (muito) aos problemas que a Google teve.

Nesse caso, o ditado “os problemas de uns são as soluções de outros” se aplicou na prática, de forma literal.