@oEduardoMoreira

Pessoal e Intransferível

Tag Archives: especial

Dicas para recarregar a bateria dos seus gadgets durante as suas viagens

by

gadgets-de-viaje

Ficou para trás os tempos em que uma viagem era a época perfeita de relaxar e esquecer todas as nossas atividades cotidianas. As maravilhas tecnológicas mostram os seus dois lados da moeda, e agora, muitos de nós não consegue mais se desconectar do mundo. E o resultado disso é levar na mala de viagem ou na mochila uma série de itens que garantam a vida útil dos nossos gadgets longe do carregador por várias horas.

Agora, quando viajamos, um grande número de dispositivos que precisam de energia elétrica para funcionar nos acompanham, e muitos deles só devem funcionar por apenas algumas horas. Milhares de pessoas viajam com câmeras fotográficas, smartphones, notebooks, tablets e wearables. E para esses produtos, a tomada é um item indispensável.

Se você é uma dessas pessoas que não querem ficar na mão com o problema de autonomia de uso dos seus dispositivos, esse post reúne algumas dicas que podem manter os seus dispositivos funcionando por mais algum tempo.

 

Revise as tomadas elétricas que você vai utilizar

toma-electrica

Por algum motivo que eu ignoro, os diferentes mercados globais jamais entraram em um acordo sobre o tipo de tomadas elétricas a serem adotadas. São pelo menos 14 padrões de tomadas diferentes, classificadas de A a N.

Mas não apenas o tipo de tomada elétrica deve receber nossa atenção na hora de viajar. É preciso levar em conta os padrões de distribuição elétrica que mudam de país para país. Por exemplo, nos Estados Unidos, no norte da América Latina e no Japão, são utilizados os padrões 110-120V, enquanto que na maior parte do resto do mundo temos o padrão 220V.

O mais importante aqui é que você se informe previamente sobre o tipo de conector e voltagem elétrica que você vai encontrar no seu destino, de modo em que se você precisar de um adaptador, ou que você já saia de casa com um que resolva a sua vida, ou que compre um que se adapte às suas necessidades no aeroporto, assim que você chegar ao país de suas férias.

 

Uso de baterias portáteis

power-bank

As baterias portáteis (ou Power Banks) estão voltando a ser itens obrigatórios nas mochilas dos geeks. São pequenos, podem ser levados no bolso ou na mochila sem maiores problemas, e podem recarregar completamente nosso smartphone ou tablet, se assim for necessário.

Esse é um tipo de gadget que é barato, e pode ser encontrado nos diferentes formatos, tamanhos e modelos. Alguns são grandes o suficiente para até alimentar a bateria do seu computador portátil.

 

Cases com bateria

funda-batería

Outra boa opção são os cases protetores com bateria integrada. Ainda que muitos não gostem da ideia de aumentar as dimensões do seu smartphone, temos que aceitar que nos últimos anos os celulares se tornaram muito desproporcionais quando retiramos a relação do tamanho com a espessura.

Explorando um pouco disso, podemos adicionar alguns milímetros com um belo case, que além de proteger o smartphone pode prolongar o ciclo de vida de sua bateria.

 

Baterias adicionais para a câmera

pilas-aaAinda que a maioria das pessoas que utilizam câmeras fotográficas preferem substituir as baterias tradicionais por recarregáveis, no caso daqueles que viajam muito é sempre mais conveniente utilizar as pilhas tradicionais. As baterias AA recarregáveis demoram muito para serem carregadas por completo, e quando estamos em trânsito, temos que usar a máxima que ‘tempo é dinheiro’.

 

Réguas de energia ou extensões elétricas

regua-de-energia

Quem viaja com frequência certamente já passou por isso: ao chegar no hotel, você decide conectar seus gadgets, e no seu quarto, você encontra no máximo duas tomadas disponíveis. A solução para isso? Basta levar consigo um conector de múltiplas saídas, ou uma régua extensora.

 

Isso é basicamente tudo o que posso te recomendar por enquanto. Lembrando que sempre vale a pena reduzir o consumo dos seus gadgets durante o deslocamento, reduzir o brilho da tela, desligar o modo de rede de dados dos dispositivos, ou apenas desligando os seus gadgets durante o deslocamento. E aproveitar a viagem.

O lado mais criativo da Microsoft para benefício da sua saúde

by

microsoft-saude

A Microsoft tem em suas mãos um dos dispositivos mais revolucionários do mercado, o Kinect. O pequeno gadget lançado no final de 2010 conseguiu não só reinventar a roda dos videogames mas também revolucionar setores diferentes do qual o seu produto estava focado. Um desses setores é o da saúde, onde a empresa mostra o seu lado mais solidário. E o setor médico está nos planos da empresa na nova versão do Kinect para 2014.

A Microsoft ofereceu o acesso ao seu kit de desenvolvimento do Kinect aos empreendedores, ou empresas de diversos setores, para que esses experimentassem e desenvolvessem ideias inovadores. E o setor de saúde foi um daqueles que mais se aproveitaram das vantagens do gadget, tanto na recuperação e melhoria da saúde do paciente, até abrindo as janelas para novas formas de interação com os médicos.

Entre os projetos que estão funcionando nesse momento em vários países, destaco um do pessoal da empresa espanhola Tedesys, que está desenvolvendo um aplicativo que permite a visualização do histórico do paciente dentro de radiografias e imagens tridimensionais, enquanto a operação é realizada. Com isso, o cirurgião não precisa tocar em nenhum elemento, nem mesmo em um monitor, minimizando assim o risco de infecções.

As técnicas de reabilitação também recebem atenção especial dos segmentos de tecnologia. Algumas universidades europeias estão criando aplicativos que permitem aos pacientes que continuem o tratamento de uma esclerose múltipla, com exercícios de equilíbrio passados através de simples jogos de videogame.

Grande parte do sucesso do Kinect está no desenvolvimento de jogos de videogame adaptados pra a área médica. Nos últimos anos, a importância dos jogos eletrônicos na aprendizagem está mais do que clara: doentes com paralisia cerebral, lesões neurológicas ou pacientes com Mal de Alzheimer conseguem melhorar o seu estado de forma parcial enquanto eles se divertem.

kinect.jpg

Projetos que permite aos pacientes receber consultas e orientações médicas profissionais através de uma interface simples só são viáveis hoje graças à flexibilidade da proposta do Kinect. E esse conceito se expande ainda mais, com aplicativos disponíveis para o Windows 8, como o Microsoft Health Vault, onde podemos introduzir o histórico médico de todos os membros de nossa família.

Hoje, os médicos podem obter informações sobre o paciente independente de qual parte do mundo esse mesmo paciente se encontra, e a partir daí, podem passar recomendações ou tratamentos, realizando uma completa análise visual do enfermo através da uma videochamada.

Com a chegada em 2014 da nova versão do Kinect para Windows, que deve oferecer melhorias em todos os aspectos em relação à versão anterior, os empreendedores ou desenvolvedores serão capazes de encontrar soluções cada vez mais poderosas e completas para tentar melhorar a saúde de muita gente.

Como seria o Homem de Ferro da vida real?

by

homem-de-ferro

Independente do que você pensa a respeito do filme Homem de Ferro 3 (e, sendo bem sincero, eu não dou a mínima, pois essa assunto está indo longe demais), o fato é que o filme chegou, e com ele, muitos voltam a vislumbrar um futuro onde toda aquela tecnologia possa ser aplicada de alguma forma no nosso mundo. Sabe, usar uma armadura e começar a conversar com um computador, aumentar nossos sentidos, ou até mesmo lançar raios pelas mãos. Talvez ainda estamos um pouco longe de tudo aquilo que Tony Stark conseguiu com o seu traje, mas algumas inovações tecnológicas podem ser utilizadas de forma similar, para ao menos simular (na teoria) alguns dos conceitos apresentados no filme.

Assim posto, veja a seguir alguns exemplos de aparatos tecnológicos que permitem que qualquer ser humano se transforme no Homem de Ferro da vida real.

Para começar, não se trata de ver as pessoas transformadas em robôs, mas sim fazer coisas que, no passado, só podiam ser feitas por super heróis dos quadrinhos (ou Tony Stark). Vamos pegar o exemplo do kit Sensory Augumentation da Eidos. Mesmo que o seu protótipo não seja lá muito funcional, imaginamos tudo o que ele pode oferecer em uma armadura devidamente adequada.

A primeira parte conta com um visor e uma câmera. A câmera captura as imagens, que são transmitidas para um computador, que as processa, e nos entrega no visor de forma que vemos a rota que os objetos criam ao se mover. Dessa forma, podemos determinar os padrões de movimento, prevendo o que aquele determinado objeto vai fazer no momento seguinte.

A segunda parte é uma máscara que nos oferece uma melhor recepção dos sons, em um ambiente com muito barulho. É composto de um microfone direcional e três alto-falantes (dois nas orelhas e um terceiro, na parte frontal, na posição da boca), o que faz com que você escute o som como se ele estivesse dentro de você. Dessa forma, você poderia ouvir alguém que estivesse do outro lado de um Maracanã lotado em final de campeonato, sem precisar gritar com esse alguém. Você simplesmente conversaria normalmente com essa pessoa.

Outra das inovações que poderia ser adotada em um Homem de Ferro da vida real é essa mão robótica (que você verá no vídeo abaixo), que alcançou um grau de sofisticação tão elevado, que é capaz de ajudar ao seu dono a amarrar os cadarços do sapato. A Bebionic3 é uma mão que é capaz de tornar a vida dos amputados mais prática e funcional, e não só por causa das funções motoras. O recurso ainda possui um elevado grau de sensibilidade, sendo capaz de agarrar um ovo sem quebrar, mas também colher uma rosa sem que o seu dono sinta a dor dos espinhos.

Por fim, esse Homem de Ferro da vida real usaria alguma coisa como o Google Glass, que permite obter informações através do referencial visual e da voz. Com esse recurso, seria possível ver rotas, informações integradas aos elementos alcançados pelo olho humano, gravar vídeos ou realizar chamadas. Tudo isso seria integrado em uma armadura, que por sua vez contaria com o seu próprio sistema de inteligência artificial. Tal como a Stark Industries fez no filme.

Ainda que um traje como o do Homem de Ferro fique mais no campo da ficção científica, acabamos de ver como certas tecnologias atuais podem ser uma espécie de “versão alpha” de algo muito maior, que poderia ser obtido se combinarmos todas elas. Mas enquanto esse dia não chega, ficamos apenas teorizando sobre tudo isso.

Os celulares e smartphones que mudaram o mundo

by

cooper-phones

Nessa semana, o celular completou 40 anos de vida. A invenção de Marty Cooper mudou de forma decisiva a forma das pessoas se comunicarem, e fez com que o nosso mundo se tornasse mais dinâmico e eficiente. A seguir, mostro a lista dos celulares e smartphones que são considerados essenciais e imprescindíveis nessa longa jornada. Tá, eu sei que muito provavelmente algum modelo que você considera como favorito vai ficar de fora. Então, aproveita a área de comentários e deixe a sua lista ou um aparelho icônico para você. Pois, para mim, essa é a lista dos telefones móveis que mudaram o mundo para sempre.

 

Motorola DynaTAC 8000X (1983)

motorola-dynatac

Aqui é o começo de tudo. O DynaTAC é o primeiro celular comercial da história, e foi o resultado de uma pesquisa iniciada por Marty Cooper em 1954, quando ele ingressou na equipe de pesquisas da Motorola. O modelo lembra aqueles dispositivos de comunicação utilizados por militares em campo. Era grande pesado, com uma antena enorme, e não é um dos modelos mais confortáveis para ser chamado de “dispositivo móvel”. Mas o que importava é que ele oferecia ao usuário a liberdade de caminhar e falar com o telefone.

Outro problema do Motorola DynaTAC é que ele não era barato Custava aproximadamente US$ 4 mil. Mas não foi apenas os geeks early adopters endinheirados que utilizaram esse produto. Ele foi um sucesso no mundo do entretenimento, sendo um símbolo de sucesso quando exibido no filme Wall Street, e até mesmo mostra de uma juventude moderna, quando Zack Morris o utilizou na série Saved By The Bell.

 

Motorola MicroTAC (1989)

motorola-microtac

O Motorola MicroTAC é importante pois apresentou ao mundo o smartphone com flip, que depois seria adotado por outros modelos da empresa e, obviamente, por outros fabricantes. Se tornou muito popular porque foi o primeiro celular que você poderia efetivamente levar no bolso de sua calça. Tudo bem, ainda era grande, e parecia que você sempre estava excitado. Mas comparado ao DynaTAC, é um grande avanço.

Quando chegou ao mercado, foi considerado “o menor celular do mundo” (na sua época). E não era só pequeno: contava com recursos considerados avançados para a época, como códigos de segurança, calculadora, operações em viva-voz e até agenda para nomes e telefones. E foi nesse momento que você passou a abandonar o hábito de decorar qualquer número de telefone.

 

Nokia 3210 (1999)

nokia-3210

Na verdade, esse é apenas um dos inúmeros modelos da série 3000 da Nokia, que foi uma das mais bem sucedidas de todos os tempos. Peguei o modelo 3210 porque além de ser considerado uma febre entre os geeks na época, esse foi o primeiro celular de sucesso a contar com uma antena interna. Além disso, os modelos em formato “candybar” da Nokia foram os primeiros a tornarem os celulares produtos efetivamente populares, conquistando as massas.

Sua tela monocromática mostrava diversas informações, como chamadas recebidas, mensagens de texto, notificações, agenda… e o mais importante: jogos. E digo mais: o melhor jogo para celulares da história, o Snake. O jogo que foi originalmente desenvolvido para computadores nasceu na década de 1970, e encontrou a sua glória nos smartphones da Nokia, sendo o game simplesmente viciante. E você aí dando valor ao Angry Birds… tsc, tsc, tsc… seu fedelho!

O Nokia 3210, sozinho, vendeu 160 milhões de unidades ao redor do planeta, e foi substituído pelo 3310 (mais popular no Brasil), lançado em 2000.

 

Sony Ericsson T68i (2002)

se-t681

O Sony Ericsson T68i foi a ponte entre os celulares convencionais e os smartphones, e para muitos, é considerado o celular mais legal de todos os tempos. Foi o primeiro dispositivo a oferecer, de forma conjunta: Bluetooth, MMS em duas vias, navegação via WAP e serviço de envio e recebimento de e-mails. E para tornar a experiência de uso mais interessante, uma tela colorida (foi o primeiro modelo da Ericsson a contar com tal característica).

O modelo foi tão bem sucedido, que foi o celular de James Bond no filme Die Another Day. E não tem propaganda melhor do que essa: se é bom o bastante para o 007, é bom o bastante para você. Mesmo não alcançando os números de vendas do Nokia 3210, ele foi (e é) considerado icônico, sendo um grande sucesso de vendas.

 

BlackBerry 6210 (2003)

blackberry-6210

Enquanto o Sony Ericsson T68i colocava o e-mail no seu bolso, o Blackberry 6210 colocava o celular no mundo dos negócios, dando acesso instantâneo e em tempo real aos e-mails corporativos. Resultado: tornou-se indispensável para os executivos. E para confirmar essa tendência, não podemos deixar de falar da estreia do teclado QWERTY físico, que facilitava e muito as tarefas de digitação de e-mails e mensagens de texto, além de uma melhor navegação na web.

Essa combinação colocou os telefones BlackBerry em um patamar completamente diferente de todos os outros telefones na época. Esse foi o primeiro grande salto para o que hoje conhecemos como “smartphone”. Foi além disso: até hoje, todo mundo considera o BlackBerry um modelo único de smartphone. Foram dominantes por, pelo menos, cinco anos. Até uma certa empresa de Cupertino, Califórnia, entrar na festa do mundo mobile.

 

Palm Treo 600 (2003)

palm-treo-600

Antes dos smartphones, a Palm reinava soberana com um gadget muito atraente, chamado PDA (Personal Digital Assistant). Seguindo o movimento do mercado, a Palm lançou outro pioneiro no mundo dos smartphones, o Palm Treo 600. O modelo já contava com alguns recursos bem interessantes, como uma câmera traseira, um MP3 player e um sistema operacional que, você aceitando ou não, influenciou no nascimento do iOS e do Android. Mais: já trazia aplicativos e teclas mapeáveis. E, como era a tendência da época, também contava com um teclado QWERTY físico. Sua tela colorida de 2.5 polegadas mostrava um mundo de possibilidades, mas infelizmente a Palm perdeu o bonde do tempo, sendo muito lenta nas atualizações do seu OS. Ficou para trás em relação aos seus competidores.

 

Motorola RAZR (2004)

motorazr

Esse foi o primeiro celular que todo mundo disse em coro “eu preciso ter um desse”. O fino telefone com flip era estiloso, e comercialmente muito vendável. Conheço muita gente que comprou esse modelo apenas por causa de sua estética. Inclusive esse que escreve esse post. Foi o último grande sucesso da Motorola antes da “era Android”, uma vez que vendeu 130 milhões de unidades ao redor do planeta.

O Motorola RAZR parecia ser o celular do futuro. Seu teclado numérico tinha um acabamento de metal, que acompanhava o seu corpo revestido em alumínio e vidros coloridos, que davam um ar muito moderno ao dispositivo. Entrou para a história por ser o último celular de genuíno sucesso no mercado mobile. E foi o último celular da Motorola que vingou no mercado. Depois disso, foi ladeira abaixo. Só se salvou quando a Google/Android puxou a empresa do atoleiro.

 

Motorola ROKR (2005)

motorola-rokr

Esse foi um sonho de consumo meu por muito tempo. Para minha sorte, nunca cheguei a ser proprietário de um deles. O Motorola ROKR foi o primeiro telefone a se comunicar de forma aceitável com o iTunes, e esse foi um grande negócio para Steve Jobs na época. Aliás, caso você não se lembra, foi o próprio Steve Jobs que anunciou o lançamento do Motorola ROKR, com o nome de “iTunes Phone”.

Duvida? Foto abaixo.

itunes-phone

Porém… o Motorola ROKR era simplesmente horrível! Ok, funcionava com o iTunes. Mas… de que adiantava se você não podia sincronizar mais de 100 músicas? E a sua interface? Era tão ruim, tão confusa, que nem dá pra descrever como foi mal feita. Mesmo assim, o ROKR entra para a história por efetivamente abrir as portas dos celulares com funções multimídia, ou como players de mídia efetivos. Foi a inspiração final para a Apple produzir o iPhone.

 

Nokia N95 (2007)

nokia-n95

O “último grande herói” da Nokia. O N95 expandiu as ideias inseridas no T68i, com recursos que eram encontrados nos smartphones, mas sem o teclado QWERTY físico. Era estiloso, moderno e funcional. Atraente, eficiente, desejável. Único.

Além disso, o N95 foi o primeiro celular a contar com GPS e o item opcional de navegação ponto a ponto. Contava com uma ótima câmera de 5 megapixels com gravação de vídeos e flash para fotos noturnas, além de sintonizador de rádio. Mas foi muito além de ser um smartphone. Mostrou ao mundo que “design importa sim”, com uma parte frontal com um teclado numérico, e um slide que revelava os botões de mídia, para controlar o MP3 player.

Digam o que quiserem, mas foi o último grande sucesso da Nokia. Nenhum que veio depois do Nokia N95 conseguiu um resultado tão positivo de público e crítica.

 

Apple iPhone (2007)

apple-iphone-photo

Esse, dispensa apresentações. É o smartphone que mudou tudo. Foi o primeiro smartphone a mostrar os recursos que as pessoas gostariam de ter, mesmo que elas não soubessem o que exatamente esses recursos faziam. Era diferente de tudo o que estava no mercado em todos os sentidos, com um design atraente e interface de usuário que qualquer um pode usar. E olha que ele só tinha um botão.

O primeiro iPhone era bem limitado, sem recursos de copy/paste e outras funcionalidades que já estavam presentes em outros smartphones. Mas… quem se importava? O iOS se tornou o sistema operacional referência pelo seu conceito, e a experiência de uso geral suplantou todas as suas restrições, prevalecendo no mundo mobile.

Sem falar que o iPhone e a Apple mudaram a forma com os fabricantes negociavam os lançamentos de produtos com as operadoras. Por causa dele, uma verdadeira queda de braço entre as operadoras nos Estados Unidos começou, onde a AT&T virou parceira exclusiva da Apple por muitos anos, obrigando a Verizon a buscar a Samsung como principal parceira comercial.

Seis anos depois, o iPhone segue no mercado, como um dos produtos de tecnologia mais desejados pelos fãs de tecnologia de todo o mundo.

 

HTC Dream (2008)

htc-dream

Encerro a minha lista de celulares/smartphones que mudaram o mundo com o HTC Dream, também conhecido como T-Mobile G1, que foi o primeiro smartphone Android a chegar no mercado, em 2008. Foi o primeiro smartphone a ousar desafiar o iPhone. No começo, não foi tão fácil para o Android. Mas depois de cinco anos, o sistema é, simplesmente, o #1 do planeta. E tudo começou aqui.

Com um teclado QWERTY físico combinando com uma tela sensível ao toque e um sistema Android 1.5, o HTC Dream contava com tela de 3.2 polegadas. Desde o seu lançamento, o Android teve uma evolução impressionante, e hoje está no mesmo nível de excelência (e em alguns casos, melhor) do que o iOS.

Eu completo 34 anos de idade, agradecendo ao futuro

by

O que está acontecendo? Hoje, 09 de fevereiro, eu completo 34 anos de vida.

E quero começar com uma frase clichê: “eu vejo a vida melhor no futuro”. Até porque essa frase ainda é uma verdade na minha vida. Aliás, se tornou um propósito, um objetivo, quase uma obsessão nos últimos anos. Não sou tão positivista quanto queria, mas sou positivo o suficiente para rir de mim mesmo. E hoje, eu quero agradecer ao meu futuro.

Sim, eu quero agradecer por aquilo que ainda não aconteceu. Todos nós temos por hábito agradecer por tudo o que aconteceu na nossa vida. Não que eu não faça isso. Eu faço. Mas como sou aquariano, quero agradecer pelos passos que estão por vir. O futuro é um ótimo motivo para você pensar em outra frase clichê, que funciona muito bem em dias turbulentos: “dias melhores virão”. E para quem tem fé no futuro, investe nele, e trabalha nele, essa é uma verdade incomensurável.

Portanto… caro amigo “futuro”, muito obrigado.

Obrigado pelas felicitações que vou receber hoje. Alguns dos contatos virtuais feitos nessa grande rede de computadores chamada Internet me ajudaram a ser mais próspero, mais antenado, e mais feliz. Futuro, obrigado por você me colocar tanta gente inteligente na frente. Ah, obrigado até mesmo pelos “trolls”. Sem eles, eu não veria meus erros, e não teria um futuro mais promissor.

Obrigado, futuro, pela saúde que eu ainda vou ter nos próximos dias e anos. Tá, eu sei que vou precisar ir ao médico algumas vezes, sei que vou ter receios de cirurgias, e sei que a diabetes não vai me deixar em paz. Mesmo assim, eu agradeço. Pois será essa saúde que vai me permitir ver de forma plena todos os meus sonhos se realizarem. Eu poderia estar preso em uma cama, em uma cadeira de rodas, ou sequer sem condições de escrever essa mensagem. O futuro mostrou que tudo ainda está em ordem, e que tudo deve continuar assim por muito tempo.

Eu ainda tenho sonhos! E agradeço ao futuro por isso. Uma das minhas maiores batalhas internas é não deixar os meus sonhos caírem no esquecimento, ou serem roubados pela frieza do mundo lá fora. O futuro me estimula a buscar os meus sonhos, de forma intensa, com vontade e coragem. Se você não sonha, você não vive. E esse é um dos melhores presentes que o futuro pode dar para você. E eu sou muito grato por isso.

Obrigado, futuro, pela tecnologia que eu ainda vou ver. Pelos gadgets que vou testar, pelos tablets que vou usar, pelos smartphones que vão ser ainda melhores. Mas, muito mais do que isso, obrigado, amigo futuro, pois sei que é você quem vai me ensinar cada vez mais. Sobre isso, e muito mais. Me ensinar a ser menos teimoso, menos impulsivo, mais racional, mais emocional… mais humano e menos máquina. E isso é muito mais importante do que saber a pergunta que divide massas irrelevantes: “o que é melhor: iOS ou Android?”.

Por fim, agradeço ao futuro pelo futuro que me reserva. Obrigado por me permitir ter um casamento com Dalva Teruel Pavan, que dura muito mais tempo do que muitos apostavam. Obrigado pelos amigos que me cercam. Obrigado por manter meus pais ao meu lado até hoje, e por me mostrar que eles fizeram o melhor para me ver feliz. Meus pais… futuro, obrigado por eles ainda estarem no meu caminho. Demorei anos para entender que são eles aqueles que mais torcem pela minha felicidade. E que são seus “sócios” nessa história de “um futuro melhor”.

Enfim, eu completo 34 anos de idade tendo fé no futuro, mas sabendo que o futuro está nas minhas mãos.

Ah, e antes que vocês me perguntem… sim, eu tenho fé naquele lá de cima. Só que, para Ele, o tempo é infinito. E para ele, no mais íntimo de meu ser, e de forma secreta e velada, eu fecho os meus olhos, abaixo minha cabeça, respiro fundo e digo…

MUITO OBRIGADO, POR ONTEM, HOJE E SEMPRE.

[Especial] Cinco smartphones pelos quais vale a pena esperar: Parte 05 – Huawei Ascend D Quad XL

by

O último modelo da nossa lista especial é o mais desconhecido deles. Para muitos, esse modelo não entraria em uma lista onde praticamente só estão listados modelos “fantasiosos”, que sequer foram anunciados oficialmente, mas o Huawei Ascend D Quad XL possui seus méritos próprios para entrar na lista daqueles que vale a pena a espera.

A fabricante chinesa que entrou a pouco tempo no mercado mobile já aposta alto na oferta de smartphones pom configurações respeitáveis, que não devem nada a gigantes como o Samsung Galaxy S III. Na verdade, a aposta deles é tão alta que alguns veículos qualificam as especificações técnicas do Ascend D Quad XL como “sensacionais”, e não é para menos: processador de quatro núcleos, tela de 4.5 polegadas, com IPS e resolução de 720p, uma câmera de 8 megapixels e um deisgn muito interessante.

O único inconveniente é que o modelo já teve o seu lançamento adiado por mais de uma vez, para “ajustar as suas especificações, para oferecer o melhor”. Por outro lado, esse é o que deve chegar mais rápido ao consumidor, com previsão para o final do terceiro trimestre de 2012, e preço aproximado de 450 euros. Financeiramente, é uma opção bem interessante, nas especificações e nos valores a serem cobrados pelo modelo, e para alguns mercados específicos (principalmente o mercado asiático), é um modelo que pode fazer muito barulho.

Por que esperar por ele: primeiro, porque é um super smartphone (pelo menos, na teoria). Segundo, porque como a Huawei está investindo de forma mais pesada no mercado brasileiro, as chances desse modelo ser lançado no Brasil aumentam. Terceiro, porque quanto mais opções disponíveis no mercado, melhor.

[Especial] Cinco smartphones pelos quais vale a pena esperar: Parte 04 – Nokia Lumia com Windows Phone 8

by

É uma questão de tempo para que o primeiro Nokia Lumia com Windows Phone 8 seja oficialmente anunciado. Afinal de contas, Nokia e Microsoft são parceiras próximas do projeto, e parece que o “ensaio” dessa parceria, com os primeiros modelos da linha Lumia com Windows Phone 7.5, já foi concluído. Logo, não devemos demorar a ver o primeiro lançamento da fabricante finlandesa com a nova versão do sistema operacional da gigante de Redmond, certo? Bom… quase isso.

Apesar de chamar a atenção com os modelos Lumia 800 e Lumia 900, a Nokia demorou tempo demais para lançar os seus primeiros smartphones com Windows Phone, dando um espaço generoso para os seus concorrentes se anteciparem e lançarem suas opções. Na prática, o grande diferencial dos smarts WinPho da Nokia para os concorrentes está no seu design (já que as poucas diferenças de hardware não são relevantes o suficiente para o desempenho final do produto), e pouco barulho fizeram junto ao consumidor (tanto que a Nokia é bem reservada na hora de se pronunciar sobre os números das vendas desses produtos).

Além disso, é um baita prejuízo ter o Lumia 900 lançado a pouco tempo, e rapidamente saber que ele chega ao mercado obsoleto, uma vez que ele não pode receber a atualização para o Windows Phone 8. E é esta a lição que a Nokia precisa aprender rapidamente: não pode demorar para lançar o seu produto com a nova versão do sistema da Microsoft, justamente para que a relação custo/benefício seja compensatória para o consumidor.

Por que esperar por ele: porque eu acredito que a Nokia não vai esperar até o meio do ano que vem para apresentar um Lumia com Windows Phone 8. Como disse antes, dessa vez, eles não precisam ficar testando (ou brincando) como fazer um bom smartphone com o sistema da Microsoft. Isso, eles já sabem fazer. Logo, a janela de adaptação e desenvolvimento é menor. Além disso, essa parceria entre Nokia e Microsoft deve oferecer, ao menos dessa vez, alguma vantagem de tempo para a fabricante finlandesa para entregar um lançamento com o novo sistema antes dos concorrentes. Isso, sem falar em recursos e aplicativos específicos para os modelos da Nokia, como o Nokia Drive e o Nokia Music, que devem oferecer um “plus” para esses smartphones. E, se os supostos nomes desses novos smartphones por aí já circulam nas telas dos aplicativos para desenvolvedores, é sinal que seu lançamento está próximo. É esperar para ver.

[Especial] Cinco smartphones pelos quais vale a pena esperar: Parte 03 – Facebook Phone

by

A imagem acima é apenas conceitual, mas pode se tornar real um dia. Afinal de contas, Mark Zuckerberg sabe que, contando com uma massa de mais de 800 milhões de usuários, explorar comercialmente essa clientela em potencial é algo mais do que fundamental. Vira lei, pois ter 10% desse público significa vitória na certa. O grande problema é que, nesse momento, o Facebook Phone é tão real quando um unicórnio (sim, garota… os unicórnios não existem…).

Mas os últimos rumores indicam que isso pode mudar em um futuro não muito distante quanto imaginamos. O Facebook trabalha duro ao lado de ex-engenheiros da Apple para transformar o produto em algo “palpável”. O produto pode chegar ao mercado adotando o sistema operacional Android, ou qualquer uma das alternativas “livres” existentes no mercado, ou até mesmo utilizar o Firefox OS, que possui um núcleo de sistema no mais puro estilo Google.

Esse futuro Facebook Phone teria como base do sistema o próprio Facebook, integrando todos os recursos do smartphone com as atividades mais comuns da rede social de Zuckerberg, como o sistema de mensagens diretas, o Instagram e a Facebook Camera podendo ser acessados de forma direta, como se fosse um simples recurso nativo do celular (mensagens de texto, aplicativo de streaming, fotos, etc).

Por ser mais um rumor do que um smartphone “real”, é difícil afirmar como pode ser o seu design, e o que ele pode oferecer de seus recursos técnicos. Mas já será uma grande vantagem se ele for mais barato, e se seus recursos para a rede social tornarem o modelo mais funcional do que o aplicativo presente para os demais sistemas.

Por que esperar por ele:
nunca duvide da capacidade de desenvolvimento do Facebook, ainda mais que a empresa está comprando outras empresas para que eles possam fazer o trabalho sujo no lugar do Facbeook. Não é uma ideia tão descabida ter os recursos de filtros e compartilhamento de imagens de forma nativa no sistema de gerenciamento da câmera, de forma nativa, sem depender de nenhum outro aplicativo intermediário para gerenciar esses recursos. Além disso, é como eu disse antes: se você tem uma base com mais de 800 milhões de usuários, é evidente que você vai explorar isso ao máximo, e uma das melhores formas do Facebook capitalizar em cima disso é oferecendo o seu próprio smartphone. A única coisa que impede a empresa é a ausência de uma boa estratégia para combater os seus concorrentes.

[Especial] Cinco smartphones pelos quais vale a pena esperar: Parte 02 – Amazon “Kindle Phone”

by

A Amazon está no olho do furacão da tecnologia no momento. O Kindle Fire é popular lá fora, e está prestes a passar por uma grande atualização, mas a empresa de Jeff Bezos pensa em passos mais ousados. Diversos rumores apontam que a “novata” no mundo dos tablets (porém, gigante no comércio eletrônico) estaria preparando a sua entrada no mundo mobile, com o lançamento do seu próprio smartphone.

A principal evidência disso é a contratação de ex-funcionários envolvidos no projeto do Windows Phone, e a aquisição de diversas patentes que cobrem diferentes aspectos do desenvolvimento de um smartphone, como conectividade sem fio e recursos de chamadas. A compra das patentes normalmente acontece quando uma empresa quer se respaldar de futuros processos, mas você há de concordar que tal atitude só faz sentido quando uma empresa deseja desenvolver o seu próprio produto.

A Amazon entraria em um terreno desconhecido, com um produto que ainda não sabemos absolutamente nada, mas que pode ser no mundo dos smartphones o que o Kindle Fire foi no mundo dos tablets: um dispositivo centrado no consumo de conteúdos e serviços na nuvem, com um preço bem mais competitivo do que esse tipo de produto recebe. É uma aposta arriscada da Amazon, mas com muitas chances de fazer sucesso, justamente por contar com um público cativo, que acompanha os lançamentos da empresa desde os tempos do Kindle (e-book reader). Aqui, podemos dizer que, salvo suas devidas proporções, lentamente, a Amazon está criando uma “cultura” de seus produtos e serviços, tal como a Apple faz. E, dessa forma, retendo o consumidor por mais tempo.

Por que vale a pena esperar: da lista, esse é aquele que, se realmente existir, não chega ao mercado antes de 2013, salvo surpresas. Mas este aqui vale a pena a sua espera por alguns motivos. Primeiro, por ser um produto com a marca Amazon. Podemos questionar a qualidade do Kindle Fire, mas não se questiona o seu sucesso. Segundo, porque deve mesmo seguir a proposta do tablet, e ser um produto pensado para um mercado mais acessível, mas apresentando uma maior qualidade entre os modelos da sua faixa de preço. Terceiro, e o mais importante: pode ser um dos produtos que pode sacudir o mercado de linha média, tirando público das marcas alternativas, e até mesmo desviando um pouco o foco do consumidor dos produtos de marcas badaladas para o seu produto.

É o sonho de todo fabricante de tecnologia sonha. Mas poucas marcas podem fazer isso tão bem quanto a Amazon.