Tag Archives: Gadgets

Um drone inspirado nas peças LEGO carrega uma câmera GoPro, para gravar seus voos

by

LEGO-Drone

Mais um dos projetos do site Kickstarter. Aqui, temos um drone cuja estrutura é inspirada nas peças LEGO, que possui uma câmera de ação GoPro integrada, para registrar os seus passeios panorâmicos. Os interessados no brinquedo – que aposta muito mais no estilo do que na funcionalidade – devem investir pelo menos US$ 200 para receber uma unidade, quando ele for lançado.

+info

Uma Smart TV que exige a troca de móveis da sala inteira

by

Samsung UN40FH5303GXZD

Sim, vai ter copa! Ou vai ter o Thiago Silva em uma tela de 40 polegadas. Recentemente, adquiri uma Smart TV Samsung UN40FH5303GXZD, de 40 polegadas. Fiz a aquisição não apenas pensando na Copa do Mundo 2014, mas também pelo fato da minha TV de LED de 32 polegadas (também da Samsung) já contava com dois anos de vida, e eu não tinha o recurso de Smart TV (apesar do Chromecast só custar R$ 200). O que eu não imaginava é que eu iria brincar de Extreme Makeover Home Edition nesse fim de semana por conta disso. 

Antes de começar a contar meu pequeno conto do dia, devo registrar que onde a Samsung erra feio na área de smartphones, eles acertam lindamente no segmento de TVs. Essa é a minha terceira TV da Samsung, e estou plenamente satisfeito com ela. Principalmente com o Smart TV, que é um dos pontos de maior preocupação dos consumidores nessa nova geração de TVs, por conta de travamentos e lentidões. Particularmente, achei o sistema da Samsung bem ágil, simples e objetivo. Logo, recomendo para todos.

Minha epopeia começou pela própria entrega do produto. Adquiri a Smart TV no Submarino no dia 12 de maio, e o seu prazo de entrega era para o dia 05 de junho. Falei: “beleza, dá tempo de me organizar antes dessa TV chegar”. Porém, como vem sendo de praxe nas empresas do grupo B2W, eles entregaram o produto bem antes do previsto (na verdade, eles prolongam o prazo de entrega para não ter problemas com as leis de defesa do consumidor).

A empolgação do gordo velho que escreve esse post fez com que o mesmo retirasse a TV LED de 32 polegadas da parede, e instalasse imediatamente a Smart TV de 40 polegadas no espaço compreendido na estante que estava na sala. Nesse processo, confirmei aquilo que eu já suspeitava: a TV de 40 polegadas não caberia no espaço que, antes (e de forma cômoda) estava uma TV de 32 polegadas.

Bom, minha esposa – que tem um certo apego à tal estante – acreditou que o encaixe seria possível. Só que não.

A imagem da TV acaba se refletindo nas paredes laterais da estante, tornando a experiência um tanto quanto insuportável. Sem falar que a TV não caberia no espaço livre do quadro de qualquer forma. Logo, a troca foi necessária.

2014-05-26 16.02.13

Como eu não costumo deixar para amanhã o que você pode fazer ontem, saí correndo para comprar móveis novos. Sim, foram dois, pois minha esposa conta com um monte de taças, copos e jarras de vidro, que são consideraras relíquias (para ela), e precisavam ser acondicionados em algum lugar seguro. Resultado: não apenas tenho um rack novo para os meus equipamentos (e agora terei que comprar um painel traseiro, pois percebi que faz toda a diferença na sala), mas também um novo armário multiuso, para os pertences da minha esposa.

OK, nessa brincadeira, eu “ganhei” uma mesinha de canto… na verdade, paguei por ela, pois a diferença de valor paga do rack com a mesinha e sem era o valor da tal mesinha. Mas a diferença toda foi no fato da loja já ter a peça em pronta entrega. Sério, eu não queria esperar o final de semana para ter esse problema resolvido.

Mais adiante, falo da nova Smart TV no TargetHD. Mas para adiantar o assunto: como disse no começo do post, recomendo fortemente. É uma TV bem bacana para quem tem uma sala com aproximadamente 3×3 metros (como é o meu caso).

No final das contas, sou um feliz proprietário de uma sala nova na minha casa. Doeu um pouco mais no bolso do que eu imaginava, mas valeu a pena. Agora, estou com uma estante de sala no meio da minha cozinha, procurando compradores. E uma TV de LED de 32 polegadas que está em excelente estado de funcionamento.

Alguém interessado?

Tecnologia modular: esta é a nova tendência?

by

tecnologia-modular

Em menos de um ano, surgiram uma série de novidades que sinalizam que uma das novas tendências do mundo da tecnologia é… a tecnologia modular. Primeiro, o Project Ara, conduzido pela Google e Motorola (agora é só da Google, já que a Motorola vai para as mãos da Lenovo). Depois, o ZTE Eco-Mobius, com foco na ecologia. Mais adiante, o Blocks, o smartwatch modular, e agora, o NEX, cujas funções variam de acordo com o desejo do usuário.

Onde isso vai parar?

Wearables, e a tendência dentro da tecnologia

2014 vai ser o ano dos wearables. A CES 2014, e principalmente, a Mobile World Congress 2014 mostraram claramente que os fabricantes vão apostar mais nas pulseiras para desportistas (como a Fitbit e a Jawbone) e nos relógios inteligentes . Em comum, todos esses gadgets contam com funções específicas para cuidar da sua saúde.

Agora, os gigantes do mercado de tecnologia começam a chegar nesse segmento. Enquanto Apple e Google seguem apenas sendo o alvo dos rumores sobre os lançamento dos seus respectivos smartwatches, a Samsung já lançou a sua segunda geração de smartwatches, de olho em um mercado estimado de US$ 9 bilhões. E crescendo. Por conta disso, foi protagonista na MWC 2014, com os modelos Gear 2 e Gear 2 Neo, além da pulseira Gear Fit.

zte-smartphone-modular

Porém, os smartwatches ainda são produtos caros, e não fazem tudo aquilo que os usuários desejam. E aqueles modelos que fazem, não o fazem com precisão. Porém, com a personalização da tecnologia modular, não vamos ganhar a precisão necessária, mas ao menos ganharemos a personalização, o que já é um grande ganho. Chega de contadores e sensores desnecessários e pouco funcionais.

Dos quatro principais projetos de tecnologia modular, os dois últimos que citei no começo do post (o Blocks e o NEX) são dispositivos wearables, que oferecem uma relação de uso muito mais pessoal, oferecendo uma individualidade nos recursos e funcionalidades.

A boa e a má notícia

Por um lado, os gadgets modulares oferecem um maior controle de uso, maior personalização, e a redução da necessidade de trocar de dispositivo todos os anos. Todo mundo ganha com isso: o seu bolso, o meio ambiente… o seu bolso de novo…

Por outro lado, a experiência pouco controlada já demonstrou os seus problemas. Os produtos mais elogiados e com melhor experiência de uso são justamente aqueles onde cada detalhe foi supervisionado pela marca que o vende. O usuário comum (que é a maioria, por mais que você não concorde com isso) não quer ter que se preocupar em fazer ajustes ou complementos. Querem simplesmente fazer tudo da forma mais direta, simples e óbvia possível.

É claro que os desenvolvedores dos dispositivos modulares podem pensar em soluções que tornam essa experiência de personalização algo tão simples quanto fritar um ovo. Porém, nesse primeiro estágio, as chances do usuário comum ter um certo “preconceito” em relação à proposta é, no mínimo, razoável.

De qualquer forma, essa segue sendo uma iniciativa positiva e promissora. Ver empresas consolidadas no mercado mobile (como ZTE e Google) apostando nessa proposta é uma das provas disso. Até porque todos vão precisar encontrar soluções para se manterem em expansão no mercado. Sim, pois uma hora, todo mundo vai ter o seu smartphone. E é nessa hora que os fabricantes terão que se reinventar para buscar argumentos para vender novos dispositivos.

SlatePro, a mesa de trabalho que todo geek gostaria de ter

by

slate-pro-01

A SlatePro é uma proposta inovadora e muito bem vinda, em um segmento que passa muitas vezes desapercebido. Grande parte da experiência diante do computador e da nossa comodidade passa pela bancada de trabalho, e essa mesa especialmente desenhada para os fanáticos por tecnologia é muito útil para quem tem muitos gadgets.

A mesa conta com espaços para posicionar o seu smarphone na posição vertical (enquanto o mesmo fica recarregando sua bateria), superfície com ventilação, ideal para os usuários de notebooks, e espaços dedicados para administrar da melhor maneira possível a infinidade de cabos necessários para que nossos dispositivos funcionem com as conexões que desejamos, e com a bateria recarregada.

A SlatePro está nesse momento em processo de crowdfunding na Kickstarter, onde o seu objetivo inicial era de US$ 25 mil de arrecadação. Digo “era”, pois a ideia da mesa é tão boa, que eles já dobraram esse valor arrecadado. Porém, o preço da mesa é meio salgado: ela estava custando US$ 400 em valor promocional, mas tais unidades já se esgotaram. Agora, ela custa US$ 448 (mais US$ 128 para envio fora dos EUA).

 slate-pro-02 slate-pro-03 slate-pro-04 slate-pro-05

O absurdo “boom” dos cigarros eletrônicos: agora com Bluetooth

by

cigarro-eletronico-bluetooth

Você sabe que um produto está absurdamente na moda quando vemos isso: cigarros eletrônicos com Bluetooth.

Para que serve isso? Para conectar o cigarro com o smartphone e realizar e receber chamadas enquanto você fuma, sem ter que recorrer ao smartphone.

Não só isso: também serve para ouvir músicas durante o processo.

Quem teve essa ideia “espetacular” foi a companhia alemã Supersmoker, que lançou esse modelo de cigarro eletrônico com Bluetooth, microfone e alto-falante integrado. Conectado ao smartphone, você pode fazer tudo isso. O controle das faixas musicais é feito através de botões integrados no cigarro. Tudo isso, enquanto você fuma.

O produto custa US$ 110. Boa sorte aos interessados.

 

+info

Bancada de Testes | Adaptador Android Para TV NewLink

by

DSC08886

O primeiro produto para testes e reviews de 2014 chegou por aqui. A assessoria de imprensa da NewLink enviou para testes o seu Adaptador Android Para TV, que tem como principal objetivo transformar qualquer TV em uma Smart TV, ou pelo menos uma TV um pouco mais inteligente.

Aceitei testar o produto porque eu estava curioso para saber como um dispositivo desse porte funcionaria na prática. Pela impossibilidade de testar um Google Chromecast (pelo menos por enquanto) e por conta das poucas opções disponíveis entre os grandes fabricantes, o produto da NewLink pode ser uma das alternativas mais viáveis para aqueles que querem aumentar o leque de opções de entretenimento em sua casa, mas não pretendem gastar muito por isso (ou comprar outra TV, o que é ainda mais caro).

DSC08888

Uma das vantagens do dispositivo da NewLink é a possibilidade de conectar diferentes dispositivos de armazenamento externo. Você pode (por exemplo) conectar um cartão de memória, um pendrive e até um disco rígido externo via USB On The Go (OTG). Isso resulta em uma maior flexibilidade para consumo de conteúdos multimídia.

Agora, combine essa característica à flexibilidade do Android em poder interpretar arquivos de áudio e vídeo de diferentes formatos (e, no caso de vídeo, com legendas armazenadas no mesmo arquivo), e temos aqui uma opção bem interessante e versátil para o entretenimento doméstico.

DSC08903

Por outro lado, uma coisa que não me agradou muito é a necessidade do produto em utilizar uma fonte externa de energia (um adaptador, que se conecta ao cabo USB que acompanha o kit de venda do produto). Ainda não testei o produto na prática (no momento da produção desse post), mas imagino que você pode utilizar a porta USB disponível na própria TV (tal como o Google Chromecast faz) para energizar o dispositivo da NewLink. Mesmo assim, o indicativo de um adaptador de energia não é uma boa notícia.

Mas isso não quer dizer que o produto não impressione. Afinal de contas, temos um minicomputador enclausurado em um dispositivo do tamanho de um pendrive. E isso mostra a evolução de dispositivos dessa categoria. Se bem que muitos vão preferir qualificá-lo como um gadget com as especificações técnicas de um smartphone simples, mas em um pendrive (processador Cortex-A9 de 1.2 GHz, 512 MB de RAM, 4 GB de armazenamento e sistema operacional Android 4.2.2 Jelly Bean).

DSC08898 DSC08896

Os testes práticos com o produto acontecem nesse final de semana, e o review completo você poderá ler em breve no TargetHD.net.

Quer pagar R$ 1050 em um Samsung Galaxy S4 Mini Duos, com case Nillikin e microSD de 32 GB? Leia este post!

by

DSC08517

ATUALIZADO EM 16/10/2013, 21h38: o produto desse post JÁ FOI VENDIDO! Mas obrigado pelo interesse!

 

Não sei se vocês sabem, mas recentemente eu me tornei um feliz proprietário de um Motorola Moto X. Eu gostei tanto do produto que testei, que acabei comprando uma unidade para uso pessoal, e estou plenamente satisfeito com ele. Por consequência, tenho em meu poder um Samsung Galaxy S4 Mini Duos, em impecável estado de funcionamento, que quero passar para frente. E com vantagens para o comprador.

O modelo que estou vendendo foi comprado no Brasil, em e-commerce nacional, com nota fiscal em meu nome. O produto tem dois meses de uso (foi comprado em 31/07/2013, antes do começo das vendas oficiais do produto no país), ou seja, com 10 meses de garantia de fábrica da Samsung, e está em perfeito estado de conservação e funcionamento. Não possui marcas de uso (tal como indica as fotos publicadas nesse post), e está plenamente funcional.

DSC08519

Recapitulando as principais especificações técnicas do Galaxy S4 Mini Duos:

– tela de 4.3 polegadas
– câmera traseira de 8 megapixels
– câmera frontal de 1.9 megapixels
– conectividades Wi-Fi/3G
– bateria de 1.900 mAh
– sistema operacional Android 4.2.2 Jelly Bean

O produto ainda conta com alguns diferenciais do modelo adquirido na loja. O comprador do meu produto leva para casa um cartão microSD de 32 GB, para armazenamento de arquivos pessoais e instalação de aplicativos (quem leu o meu review no TargetHD sabe que isso é possível com o Galaxy S4 Mini Duos). Só aí o usuário está economizando aproximadamente R$ 80 em um cartão de memória (que, convenhamos, e algo que você ia comprar de qualquer maneira).

DSC08529

Além disso, o comprador do meu produto também leva o ótimo case da Nillikin, de policarbonato, com alta qualidade, resistência e nível de proteção ao smartphone. Eu paguei nesse case aproximadamente R$ 60. Ou seja, R$ 140 a menos no seu bolso, só em acessórios.

DSC08534

Veja como o case veste bem o produto.

Agora, além de tudo isso, estou colocando um preço que é R$ 350 a menos que o preço oficial do produto (R$ 1.399). Ok, R$ 349 a menos (queria saber o que você faz com R$ 1 nos dias de hoje). Em resumo, estou descontando exatos 25% no valor oficial do produto, e ainda colocando R$ 140 em acessórios. Logo, o preço de R$ 1.050 é mais do que competitivo, na minha opinião.

Por isso, é o preço final do Samsung Galaxy S4 Mini Duos que estou oferecendo: R$ 1.050 à vista.

Outras formas de pagamento podem ser negociadas (desde que sejam de minha concordância), e posso até estudar a opção de frete grátis (via PAC) para quem efetuar o pagamento à vista ou em uma única parcela.

O kit de venda acompanha os seguintes itens:

– Smartphone Samsung Galaxy S4 Mini Duos
– Adaptador para rede elétrica
– Cabo USB
– Caixa, manuais e nota fiscal
– Case Nillikin de Policarbonato
– Cartão microSD de 32 GB

Por favor, eu peço que apenas os REAIS INTERESSADOS entrem em contato (clique aqui para entrar em contato). Não responderei propostas pela área de comentários do Facebook, nem menções por e-mail. Todos os contatos devem ser feitos pelo link indicado, e a negociação será registrada por e-mail.

Mais fotos do produto a seguir.

DSC08514 DSC08523 DSC08524 DSC08521 DSC08528 DSC08531 DSC08511

Você ainda vai nas lojas físicas para comprar produtos de tecnologia?

by

HHP_HIGIENOPOLIS_19_APR-03

De tempos em tempos, eu recebo convites da assessoria de imprensa da Samsung para as inaugurações de suas chamadas “loja-conceito” em shoppings de São Paulo (SP). Aliás, amanhã (27), eles vão inaugurar mais uma dessas lojas, no Shopping Jardim Sul. Quem acompanha o mundo da tecnologia sabe que isso não é uma prática nova, e que outras empresas fazem a mesma coisa, cada uma do seu jeito. Mas, com o comércio eletrônico em franca expansão, e com o internauta brasileiro perdendo o medo de vez de fazer compras online, eu lanço a pergunta: você ainda visita lojas físicas para comprar produtos de tecnologia?

Falarei nesse post de minha experiência pessoal, não só pela ótica de consumidor, mas também como alguém que escreve sobre o assunto todos os dias. E, no meu caso, a resposta ainda é SIM.

Eu vejo as lojas-conceito como algo muito positivo e interessante. Primeiro, por colocar o consumidor dentro da atmosfera e filosofia da empresa que apresenta os seus produtos, em um ambiente especificamente preparado para oferecer uma experiência que tem apenas um único objetivo: vender o produto.

Segundo, porque muitas dessas lojas oferecem serviços exclusivos, como por exemplo degustação de produtos de forma irrestrita (no varejo em geral isso é algo mais complicado), com especialistas que estão lá para eliminar as suas dúvidas sobre o produto, e até mesmo uma área de assistência técnicas oficial, onde o consumidor pode deixar o produto para uma manutenção especializada.

Voltando à pergunta do post.

Eu ainda visito as lojas de varejo de minha cidade, pois em muitas ocasiões essa é a única chance que tenho para testar alguns lançamentos. Não posso estar em todos os eventos de lançamentos de tecnologia, e não sou convidado por todas as assessorias. E para não deixar de passar minhas impressões pessoais sobre um produto que as pessoas estão buscando por informações na web de forma mais intensa, eu tomo essa iniciativa de visitar algumas lojas para testar esses produtos.

E, quer saber? Recomendo que você faça o mesmo.

Eu sei que ser um early adopter envolve certos riscos. Querer ser um dos primeiros a ter nas mãos um determinado produto significa, na maioria dos casos, “dar a cara para bater” para os problemas que o produto pode apresentar, por ser novo. Logo, o papel de um blogueiro de tecnologia é, em muitos casos, alertar o usuário desses eventuais problemas de produtos recém lançados.

Independente disso, eu recomendo também o passeio pelas lojas físicas para que você mesmo teste os produtos. Eu já falei isso antes: muito mais importante do que você ler a opinião de quem escreve sobre tecnologia é você mesmo tomar a iniciativa de testar o produto presencialmente, sempre que possível. Não entrar nesse jogo de risco, de se interessar pelo produto apenas porque achou ele interessante, ou com especificações técnicas que lhe agradam.

A melhor forma de decidir se a compra de um produto vale ou não a compra é você mesmo testando na loja, sempre que possível. Eu sei que o processo é complicado, e que algumas lojas são resistentes à prática. Mas quando moramos em cidades onde as “lojas-conceito” não estão disponíveis, é a alternativa que temos nas mãos.

Agora, se depois do teste você optar por comprar no seu e-commerce preferido, aí é outra história.

Computex 2013: uma enxurrada de lançamentos

by

acerwacer-iconia-w3-810left-facingkbmat

A Computex 2013 começou hoje (03/06) em Taipei, e tal como nos últimos anos, os fabricantes já começam a apresentar os seus lançamentos tentadores para os próximos meses. Muitos deles não darão as caras por aqui, mas nem por isso devo fazer como outras editorias de tecnologia, que simplesmente ignoram essas novas peças tecnológicas.

Acer e ASUS vieram animadas para o começo do evento. Logo pela manhã, o meu feed de notícias já estava lotado com muitas novidades apresentadas pelas duas fabricantes. O ênfase em mobilidade é claro para a edição desse ano da Computex, mas fico feliz em ter visto um ou outro lançamento pensado na produtividade com desktops, ou algo próximo à isso. Um dos destaques na parte mobile é o Acer Iconia W3 (foto do topo do post), especulado por muitos, e que agora se torna uma realidade, sendo este o primeiro tablet com tela de 8 polegadas e sistema Windows 8 completo (Windows 8 Pro).

ASUS_VivoPC_VivoMouse

Entre os desktops, merece destaque o ASUS VivoPC e ASUS VivoMouse. Apostando no entretenimento, a fabricante asiática lançou um media player em forma de computador, com sistema Windows 8 e porta SATA de velocidade de 6 GB/s, que trabalha em conjunto com um mouse “3 em 1”, já que o produto é um touchpad, um mouse e um controle remoto combinados. O objetivo aqui é facilitar a interação com o media player e principalmente, com a interface do Windows 8.

ASUS-Transformer-Book-Trio_1

Por falar em conceito 3 em 1, o ASUS Transformer Book Trio também traz esse conceito. Ele pode ser um notebook, um tablet (quando destacado de sua base com teclado) e, se você acha que isso é suficiente, o teclado/dock ainda pode se transformar em uma estação de trabalho (quando conectado a um monitor). De quebra, o tablet ainda é dual-boot: você pode trabalhar com ele com os sistemas Android 4.2 Jelly Bean e Windows 8.

ASUS-Fonepad-Note-FHD-6_1

Ok, é claro que vimos smartphones nesse primeiro dia de Computex 2013. Destaco aqui o rival do Galaxy Note II (ASUS FonePad Note, foto acima) e o Acer Liquid S1, que se assume como “phablet” por excelência, com sua tela de 5.7 polegadas. Mas eu imaginava que já teríamos uma enxurrada de tablets e smartphones nesse primeiro dia, e não foi bem assim. Aliás, a Computex sempre se destacou por apresentar um pouco mais de computadores convencionais, como dekstops e notebooks. Não deixa de lado a mobilidade, mas também não é o que podemos dizer que é a principal ênfase da feira.

Para mais informações e cobertura completa da Computex 2013, você pode visitar os posts do TargetHD.net.

Os gestos nas telas sensíveis ao toque são realmente intuitivos?

by

gestuais-telas-touch

As telas sensíveis ao toque são uma realidade. Smartphones, tablets, notebooks e desktops contam hoje com telas capazes de captarem nossos movimentos e apontamentos com os dedos, tornando a interação com esses dispositivos algo mais amigável do que ficar buscando em menus o que fazer na tela. Mas isso pode parecer simples para nós, geeks cabeçudos que passam o dia inteiro no smartphone ou no tablet. Agora, o quanto esses gestos são simples para todos? O quão são intuitivos para aqueles que não contam com tanta intimidade com essa nova tecnologia. O quanto esses gestos podem ser considerados perfeitos para as nossas avós usarem? É isso que vamos tentar descobrir nesse post.

De um modo geral, os dispositivos com telas de toque usam o conceito do “todo o controle está na ponta do seu dedo”, ou seja, na teoria, com gestos simples e coerentes com a proposta de comando a ser aplicada, qualquer usuário pode executar as tarefas mais simples na maioria dos dispositivos com tela sensível ao toque. Além disso, um sistema operacional com uma interface simples pode ajudar bastante. Até porque podemos simplesmente dizer para os nossos avós “é só clicar naquela caixinha, que o programa vai abrir”. Mas isso, na teoria.

Na prática, muitas pessoas simplesmente ignoram comandos mais complexos de sistemas como o Android, Windows Phone ou iOS, e não é por culpa deles. É porque basicamente nenhum desenvolvedor ou fabricante levou em consideração que aquele comando em específico poderia ser útil algum dia. Por exemplo, eu conheço pessoas que possuem o iPad, mas nunca viu a barra de multitarefas (duplo clique no botão Home). Alternar entre os aplicativos, então, nem pensar. Até porque ninguém se lembra em explicar que posicionando quatro ou cinco dedos na tela e arrastando lateralmente a tela é possível fazer isso (e explicar tal conceito em texto é algo bem chato).

Se pensamos nos gestos mais comuns, vamos sempre lembrar do “pinch-to-zoom” (zoom com o movimento de pinça), ou o movimento de rotação com os dedos. Porém, esses mesmos gestos que hoje vemos como lógicos e intuitivos não eram utilizados em 2003. Só se tornaram populares (convenhamos) com produtos como o iPhone e o iPad. Agora, pense com frieza nesse momento: imagine quantos comandos e gestos não foram descobertos até hoje. Por exemplo, dependendo de qual aplicativo você estiver no Android, o pressionar prolongado em um elemento pode realizar uma ação. Porém, nunca há uma maneira de saber de forma antecipada o que ele vai fazer. A única foma de descobrir é através da tentativa e erro.

A boa notícia é que esse é um método de aprendizado nada depreciável no mundo da tecnologia. Porém, está longe de ser a mais produtiva e prazerosa.

Mas o caso mais crítico está nos acessos diretos na área de notificações do Jelly Bean 4.2.1. Se tocamos no ícone do Wi-Fi, nós vamos para a tela de configuração. Se desejamos simplesmente ativar ou desativar o recurso, temos que deixar o dedo pressionado no ícone. Eu duvido que um usuário dito normal (de novo, não falo dos heavy users, estou falando do seu avô com o primeiro smartphone dele na vida) consiga descobrir esse gesto que não seja através de uma mera casualidade. E isso pode complicar a vida do usuário em muitos sentidos. Reconheço que o que realmente falta na internet é uma maior quantidade de vídeos tutoriais para mostrar para os usuários comuns como esses recursos podem ser acessados. Ou até mesmo manuais produzidos pelos fabricantes, com uma linguagem mais simples e didática, pensada naqueles que não são íntimos do produto.

Muitas vezes os usuários novatos (e até mesmo os veteranos) se frustam com os seus produtos, porque acham alguns elementos complicados de serem acessados (ou impossíveis, para muitos). E o problema maior nem é esse. O grande problema é a inexistência de um acesso simplificado para a informação. Parece que os fabricantes se esquecem em algumas oportunidades que muitos novatos vão comprar os seus produtos, e que os dispositivos não são feitos apenas para os experts em tecnologia.

iPad Mini, iPad, iPod Touch: qual dispositivo iOS você deve comprar?

by

A resposta mais simples, direta e objetiva para todo fã da Apple é “todos, oras!”. Mas para a maioria, a questão não é tão simples assim. Para a grande maioria, o que pesa nessa equação é o fator preço e a pergunta “o que preciso mais de um determinado dispositivo?”. E essa é uma dúvida bem comum entre os usuários de tecnologia, especialmente os iniciantes. Afinal, a gama de dispositivos ficou bem grande: iPad com Tela Retina, iPad 2, iPad Mini, iPhone 4, iPhone 4S, iPhone 5, iPod Touch de quarta geração…

Confuso, não? Então, esse post serve para ajudar na sanidade mental dos indecisos, que estão com pouco dinheiro no bolso e precisa fazer uma escolha (e apenas uma escolha) dentro do universo de iDevices. A ideia aqui é mostrar as principais diferenças e características de uso entre os dispositivos, indo um pouco além da ideia que um dispositivo faz exatamente a mesma coisa que o outro, e a única diferença está no fato que um tem tela de 3.5 polegadas, outro tem tela com 4 polegadas, aí vem aquele com tela de 7.9, o outro com tela de 9.7, e por aí vai.

iPad Mini

Prós: é um iPad mais compacto e mais portátil, assim como os seus concorrentes de categoria (Kindle Fire HD e Nexus 7), além de contar com total compatibilidade com todos os aplicativos do iPad e do iPhone. Além disso, o modelo possui uma ótima autonomia de bateria (10 horas de uso) para um produto com suas dimensões, e para um produto com os padrões da Apple, tem um preço relativamente baixo (de novo, se levarmos em conta que é um produto da Apple).

Contras: este é o único dos novos dispositivos da Apple com iOS sem contar com a tela Retina, além de contar com um processador bem mais fraco que o novo iPad de quarta geração. Tais restrições foram feitas para deixar o produto mais acessível para a maioria dos potenciais (novos) consumidores.

Quem deve comprar? Todo e qualquer ser humano que precisa economizar dinheiro, obviamente, desde que essa economia resulte em um valor total inferior ao iPad de quarta geração. Também é recomendado para aqueles que não se importa com a presença da tela Retina, ou para quem considera ter um segundo iPad, para um uso mobile. Também é recomendado para quem quer dar de presente para os filhos, e principalmente, para quem sempre quis usar o iPad em qualquer lugar, mas o tamanho e o peso do modelo original sempre impediram que isso acontecesse.

iPad de quarta geração

Prós: é bem mais rápido que os modelos mais baratos, a bela tela Retina e gráficos otimizados para games.

Contras: é mais pesado, é maior que o iPad Mini, e não tem muitas diferenças técnicas para a última (e finada) geração do iPad.

Quem deve comprar? Aquele que nunca teve um iPad antes. Para quem encara o iPad como uma alternativa para o notebook em termos de portabilidade (um dispositivo mais leve que o seu notebook para navegar na internet em qualquer lugar, mas com uma tela boa o suficiente para ter o mínimo de produtividade). É perfeito para leitura e visualização de textos, vídeos e imagens, execução de jogos e para diversos propósitos profissionais de diferentes áreas. Entretanto, se você comprar (ou já comprou) um iPad de terceira geração, você não precisa trocar para o iPad de quarta geração agora. A não ser que você tenha dinheiro sobrando, e não se importe de gastá-lo.

iPod Touch de quinta geração

Prós: possui uma tela Retina de 4 polegadas, assim como iPhone 5, uma boa câmera com LED flash, uma boa autonomia de bateria, praticamente todas as principais funcionalidades que você vai encontrar no iPhone 5, 32 GB de armazenamento de músicas, fotos e vídeos, além de ser um player muito fino.

Contras: não é tão ágil quanto o iPhone 5 na execução de suas funções, por causa de sua restrição de hardware (processador), além da obviedade de não contar com a função de celular.

Quem deve comprar? O iPod Touch é hoje, por excelência, um iPhone, mas sem a função “Phone” (vocês me entenderam…). Por outro lado, quem tem um iPhone sabe que ele não é o produto ideal para você exclusivamente ouvir músicas. Ele possui o player de música como item adicional, mas não é a mesma coisa de ter um produto exclusivamente pensado para os amantes da música. Logo, o iPod Touch é para quem quer comprar um player musical completo e poderoso, ou para aqueles que não precisam comprar um iPad Mini para ver textos em uma tela, mesmo que seja consideravelmente menor. Também é pensado naqueles que não contam com essa grana toda para comprar um iPhone ou iPad, sem falar na economia que pode ser gerada por não ter que pagar um plano de dados para navegar eventualmente na internet. Pode ser um compacto e-reader, navegador de internet e player musical. Para os menos exigentes.

Algumas recomendações rápidas:

– se você é um usuário Windows, mas tem curiosidade em ver como o iOS funciona, compre um iPad Mini.
– se você quer se exibir com o lançamento mais legal da Apple no ano (não recomendamos isso), compre um iPad Mini.
– se você prioriza um produto com ótimo desempenho, compre um iPad de quarta geração.
– se você tem um desktop, e quer uma alternativa ao laptop, compre um iPad de quarta geração.
– se você tem um MacBook Air e um iPhone, compre um iPad Mini.
– se você quer comprar o seu primeiro iPad, e quer o melhor, compre um iPad de quarta geração.
– se você está comprando o seu segundo iPad, compre um iPad Mini.
– se o seu orçamento está limitado, compre um iPad Mini ou considere a compra do iPod Touch.
– se você é um viciado em música, e não tem um iPhone, compre um iPod Touch.
– se você quer a melhor câmera, compre um iPod Touch.
– se você não tem um smartphone, compre um iPod Touch.
– se você quer um bom e-reader (entre outros recursos), compre um iPad Mini.
– se você quer um dispositivo com tela Retina, mas não quer pagar muito por isso, compre um iPad de terceira geração (procure, que você ainda acha nos e-commerces nacionais).

Já está preparado para as compras de final de ano? Muitos lançamentos de tecnologia a caminho…

by

Final de ano é sempre assim: você se programou o ano inteiro, trabalhou o ano inteiro, para que nos meses de novembro e dezembro, você faça aquela corrida desenfreada nos shoppings para sanar o seu vício por compras de novos produtos de tecnologia. É claro que essa não é uma regra. Algumas pessoas esperam o mês de janeiro de 2013, para comprar alguns produtos desejados por um preço mais competitivo. Para esses, a vida é mais tranquila e feliz.

Agora, se você é um daqueles que não podem esperar mais pelos novos lançamentos, e precisam comprar imediatamente aquele produto ou jogo recém lançado (e melhor: tem a grana para cometer esse abuso financeiro), parabéns! Os próximos dois meses serão muito interessantes para você. Mesmo com todas as dificuldades econômicas que o Brasil começa a passar (muito por causa da economia do resto do mundo, e pelo fato da população não mais buscar crédito no comércio), o mercado de tecnologia ficará muito bem abastecido de novidades, que começam a chegar nas lojas a partir desse mês de outubro.

Aliás, o mês do Dia das Crianças foi o primeiro motivo para que os lançamentos de games desembarcassem no país. Jogos muito esperados como PES 2013, F1 2012 e FIFA 13 já desembarcaram por aqui, e alguns gamers já estão se divertindo com os novos títulos. Isso, sem falar que nessa semana, entre 11 e 14 de outubro, acontece a Brasil Game Show 2012, em São Paulo, que dá um preview de tudo o que vai chegar ao mercado brasileiro nos próximos meses. Muitos desses lançamentos estarão disponíveis nos meses de novembro e dezembro. Ou seja, prepare o seu cofrinho, pois as economias de um ano inteiro podem ir para o espaço em uma única compra.

Para os gamers que ainda não contam com um console de última geração, uma outra dica é o novo PlayStation 3, que é menor e com maior capacidade de armazenamento. Eu já tenho um Xbox 360, mas estou pensando em adquirir um PS3, pois boa parte dos meus amigos estão na PSN. Ainda vou me decidir por qual modelo que vou comprar, se será o antigo ou o novo. Aliás, aqui fica outra dica: no mercado “alternativo”, o modelo antigo PS3 novo está com um preço que pode chegar, em alguns casos, a ser metade do valor do modelo recém lançado pela Sony. Se o móvel da sala onde o console será instalado tiver espaço para isso, vale a pena fazer essa economia.

No mundo dos smartphones, a grande espera é mesmo pelo iPhone 5. A nova versão do smartphone da Apple foi homologado pela Anatel ontem (8), o que torna o modelo apto a operar e ser comercializado no Brasil. É sempre bom lembrar que o iPhone 5 não é compatível com as redes 4G do Brasil, ou pelo menos com aquela que está ativa (2600 MHz), só sendo compatível com as redes de 700 MHz, que só ficará ativa a partir de 2015 ou 2016, quando o sinal analógico da TV aberta brasileira for desativado. Se você achar que vale a pena esperar até lá, ou que pode viver com as redes 3G/3.5G do Brasil, ele é uma das opções a serem consideradas.

O Galaxy Note II da Samsung é outro modelo que merece a atenção daqueles que estão com saldo suficiente no cartão de crédito. O tabletphone tomou o mercado de assalto na sua primeira versão, sendo uma agradável surpresa para a fabricante sul-coreana, e promete repetir todo esse sucesso na segunda versão. Além disso, para aqueles que são menos apegados ao fator “early adopter”, o Galaxy Note (o primeiro) deve cair de preço no Brasil, o que pode despertar o interesse de alguns.

A Motorola ataca com dois smartphones Android, o RAZR HD, que é uma atualização do RAZR que já conhecemos, mas com tela em alta definição, e o RAZR i, que é o primeiro smartphone da empresa com processador Intel. As duas opções são interessantes por motivos distintos: a primeira porque é pensada nos usuários que querem ver vídeos de alta qualidade em qualquer lugar, e a segunda é para quem quer um Android de linha média, mas com performance de Android top de linha, e melhor: pagando um preço relativamente competitivo.

Isso, sem falar nos modelos de smartphones que já estão no mercado, como o Galaxy S III, Galaxy Nexus, modelos da LG, os smarts da Nokia com Windows Phone, entre outros.

Na área de tablets, as coisas estão um tanto quanto devagar. Não sabemos se o iPad Mini (que, se tudo der certo, será anunciado daqui a uma semana e meia) chega a tempo para as vendas de Natal. Particularmente, acho que não. E os seus concorrentes não se movimentam muito nesse quesito, se concentrando no momento nos smartphones. Logo, não há muito o que dizer. Mas vale a pena ficar de olho nas promoções disponíveis na internet.

Além disso, temos a invasão de computadores com Windows 8, que estarão no mercado a partir do dia 26 de outubro. A hora para trocar o seu computador é agora, pois além de pagar o preço atual do equipamento, vai economizar a grana da atualização, e ter uma garantia integral do novo equipamento. Pense nisso se você está precisando de um computador ou notebook novo, ou se está pensando em comprar um sonhado ultrabook.

Mas, o mais importante é: administre bem o seu dinheiro. Tente não comprar por impulso, faça uma compra consciente e, o mais importante: pesquise o quanto puder antes de tirar o cartão de crédito da carteira.

E boas compras!

Produtos da Razer chegaram para review. Muita coisa para testar nas próximas semanas…

by

O trabalho não para. Novos produtos chegaram por aqui para reviews a serem publicados no TargetHD.net (aliás, saiu podcast novo hoje lá). Dessa vez foi a Razer que enviou alguns de seus produtos para testes, que em breve, terão suas análises devidamente publicadas. Conheça cada um deles abaixo.

Começo pelo controla Razer Onza Tournament Edition, que é compatível com PCs e Xbox 360. Um periférico que já ganha pelo quesito peso (ele é mais leve que o controle original da Microsoft), mantendo a mesma pegada e conforto para o usuário. Não vou entrar em muitos detalhes por aqui sobre seu funcionamento, mesmo porque ainda estou testando o controle, mas não é nenhum absurdo dizer que já está na minha #ListaDeDesejos.

O próximo é o mouse para games Razer Naga MMOG.

Este pequeno, porém, poderoso mouse é pensado nos fãs de jogos para PCs, principalmente os jogos de estratégia. Com múltiplos botões de ação e um teclado numérico completo, ele não só se destaca pela quantidade de recursos para tornar o seu jogo mais eficiente, mas também pelos atrativos visuais. Para quem joga no escuro, a retroiluminação é uma ótima pedida. Mostrarei mais sobre seus benefícios no review do TargetHD.

A seguir, os fones de ouvido Razer Orca.

Ergonômico e muito confortável, o Razer Orca é o tipo de fone de ouvido para gamers, fãs de música, e para aqueles que não querem ser incomodados na rua por desconhecidos peguntando “que horas são?”. Sim, porque todo mundo vai ver que você não está ouvindo ninguém que está ao seu redor. Assim como os outros produtos que vimos até aqui, muito rico de detalhes visuais.

Por fim, o teclado Razer BlackWidow Ultimate.

Dos produtos enviados, esse aqui é o que mais prioriza o desempenho no lugar do design, mas ainda assim, segue sendo bem interessante para seus propósitos. O objetivo desse produto é aumentar a eficiência dos gamers durante os jogos. Penso eu que, apesar de ser um teclado comum, logo, funcional para a digitação, pelo fato dele ser um teclado mecânico, ele se torna mais eficiente mesmo durante as partidas. Mas é um produto que, para o seu público, é uma opção a ser considerada.

Os produtos ainda estão em testes, e a análise de cada um desses itens será publicada em breve no TargetHD.net. Fiquem ligados!