Tag Archives: nokia

Nokia voltando, e o mundo dá voltas

by

nokia-logo-black

Acho que todo mundo sabia ou imaginava que um dia a Nokia voltaria. É uma marca forte em várias regiões do planeta, com grande apelo com várias gerações de usuários. O que talvez chame a atenção é ver como a Microsoft lidou com essa marca como se fosse um lenço de papel usado, como se fosse um nada. Isso gera indignação em muita gente. Por outro lado, teremos a empresa de novo no mercado mobile. E o mais importante: com o seu DNA, com parte da filosofia que a tornou uma gigante no passado.

Os principais executivos das empresas que agora contam com os direitos de utilização da marca Nokia são experientes executivos da centenária finlandesa, e conhece muito bem o gosto do sucesso. Ou pelo menos testemunharam como seus produtos se tornaram os mais cobiçados do mercado. E aqui está a esperança de que o resultado final dessa nova fase seja a oferta de produtos que carregam toda a filosofia da empresa que muitos aprenderam a amar.

Talvez o grande desafio dessa nova Nokia está em justamente prevalecer em um mercado mobile tão competitivo, onde Apple e Samsung são protagonistas, mas com coadjuvantes de calibre (LG, Sony, Lenovo, Xiaomi, etc), uma Microsoft que tenta crescer, e uma BlackBerry que luta (teimosamente, diria eu) pela sua sobrevivência. É um cenário completamente diferente daquele que os finlandeses viviam há 15 anos atrás, onde eles eram a referência, e Motorola, Ericsson, Alcatel e derivados tinham que correr atrás deles.

É cedo para definir quais são os objetivos finais da nova Nokia nessa volta ao mercado mobile. É claro que toda empresa quer gerar lucros e crescer, mas… como eles farão isso? Onde vão atuar? Qual é a estratégia de preço para os produtos?

116055.194827-Nokia-C1

Essas perguntas serão respondidas ao longo do tempo. Por enquanto, sabemos que os principais executivos conhecem o que é a Nokia a fundo, que a Foxconn vai ceder uma de suas subsidiárias para produzir e distribuir os dispositivos, que a nova empresa finlandesa HMD vai desenvolver os projetos, que a velha Nokia vai supervisionar tudo para garantir que os produtos não venham a denegrir sua marca, e que esses smartphones e tablets contarão com o sistema operacional Android.

Algo que a velha Nokia deveria ter feito em 2010.

O mundo dá voltas. Hoje, ficamos sabendo que a Nokia vai voltar, do jeito como muitos sugeriram que ela deveria fazer bem antes de ser absorvida pela Microsoft. Assim como é tudo nessa vida, o mundo da tecnologia também é cíclico, e poucas vezes temos uma segunda chance como essa.

Espero que, dessa vez, a Nokia saiba aproveitar melhor essa segunda chance.

Microsoft quer se livrar da Nokia = ARREGOU!

by

nokia-windows-10-mobile

Não é de hoje que venho falando sobre a falta de fôlego da Microsoft com o Windows 10 Mobile. Ter menos de 2% do mercado mobile pode ser considerado um grande fracasso para uma empresa que tem 90% do mercado de desktops. Eu sei, são mercados diferentes. Mesmo assim, não falta dinheiro e estrutura para eles obterem números melhores com o seu sistema operacional. Talvez falte boa vontade.

A própria Microsoft confirmou que não está em seus planos lançar novidades na linha Lumia, e o Windows 10 Mobile vai sobreviver por conta de eventuais atualizações e correções críticas. Relegar a segundo plano o segmento móvel é uma mostra clara de falta de compromisso da gigante de Redmond com esse segmento. Aliás, isso ficou bem claro quando a empresa decidiu não cumprir o que prometeu, deixando sem o update para a versão atualizada do seu software vários dispositivos da linha Lumia que teoricamente são compatíveis com o sistema operacional.

Agora, com o rumor sobre uma possível venda da Nokia (ou de toda a sua estrutura) para a Foxconn, temos um balde de gasolina em uma fogueira que já estava acesa a algum tempo, e alimentada pela própria Microsoft. Muito provavelmente a empresa comandada por Satya Nadella efetuou a compra para fazer valer os direitos sobre as patentes oferecidas pelos finlandeses, para depois passar adiante os direitos de utilização de marcas e eventuais projetos em desenvolvimento para seguir capitalizando pela lei do menor esforço.

Também é importante lembrar que, sem a Nokia, a Microsoft pode obter a confiança dos seus eventuais parceiros e interessados em desenvolver smartphones com o Windows 10 Mobile, deixando um único Surface Phone como eventual modelo de referência. Não ser concorrência para os amiguinhos, ainda mais com uma marca tão forte como a da Nokia, pode ser uma solução viável, que se converte em crescimento no mercado a curto e médio prazo.

Por outro lado, a impressão que me passa é que a Microsoft, na realidade, deu uma bela arregada. A empresa sabe que será muito difícil reverter o quadro no mercado mobile, e antes de passar pelo mesmo problema enfrentado hoje pela BlackBerry (que não sabe quando parar), pode passar para frente uma divisão que não traz o retorno imaginado por eles. Quem sabe a Foxconn consegue fazer algum dinheiro com os produtos e a força laboral. No caso dos asiáticos, qualquer lucro é lucro.

Confesso que quem gostava da Nokia a essa hora se pergunta ‘por que deu essa volta toda, Microsoft?’. Só para tirar os finlandeses do mercado? Começo a ter dúvidas… quem sabe sozinha a Nokia não se daria melhor?

Acredite, se quiser: ainda tem tablet Nokia Lumia 2520 a venda no Brasil

by

121293903_2GG

De forma quase surpreendente, ainda podemos encontrar nos e-commerces nacionais o tablet Nokia Lumia 2520 disponível para venda.

Levando em conta que a Nokia não existe a algum tempo, a surpresa se torna ainda maior. Estamos falando de um dispositivo que até chamou a atenção por ser um tablet dos finlandeses, mas que em compensação foi um dos últimos modelos da marca, antes de ser comprada pela Microsoft.

O Nokia Lumia 2520 conta com uma tela LED de 10.1 polegadas (Full HD), sistema operacional Windows 8.1 (suponho que atualizável para o Windows 10… caso contrário, não faz muito sentido esse produto ainda estar no mercado), processador quad-core de 2.2 GHz, um design multiuso por ser compatível com o Nokia Power Keyboard (vendido separadamente), que oferece cinco horas a mais de autonomia de bateria e duas portas USB completas, para  a utilização de outros acessórios e periféricos.

121293903_3GG

Além disso, o Nokia Lumia 2520 ainda conta com sistema de recarga rápida de bateria, sendo capaz de se recarregar 80% em uma hora. Conta ainda conectividade 4G (dessa vez fornecida pela TIM, já que é um dispositivo vendido em conjunto com a operadora), compatibilidade com os aplicativos de escritório do Office e 32 GB de armazenamento (expansíveis via microSD), sem falar no OneDrive, área de armazenamento na nuvem da Microsoft.

O Nokia Lumia 2520 pode ser um placebo para quem sempre quis um tablet com sistema operacional da Microsoft, mas não queria pagar muito caro por um notebook conversível, e quer uma tela maior do que modelos já disponíveis no mercado. Para rodar o Windows 10 de forma decente, tem um hardware que é suficiente. Mas não exija muito do dispositivo. Afinal de contas, já é considerado um veterano no seu segmento.

1936

Jogue o Snake (aquele jogo da cobrinha do celular Nokia) em um teclado com LED

by

Corsair K70 RGB - Snake Game

O Snake, ou vulgarmente chamado de “jogo da cobrinha”, é um clássico dos celulares da Nokia. Rendeu muitas horas de ócio para os usuários mais veteranos. E agora ele pode ser jogado em um teclado com retro-iluminação LED.

Não acredita?

O usuário MythicManiac enviou um projeto para o GitHub que é compatível com os teclados Corsair K70, que são bem caros. Mesmo assim, ele conseguiu representar a serpente pelas luzes vermelhas, a comida pela luz amarela e os muros pelas luzes azuis.

É possível atravessar entre os muros, ou seja, a única preocupação nesse caso é não se chocar com o próprio rabo, que aumenta de tamanho conforme alimentamos a cobrinha, tal e como acontece no jogo original.

Vídeo a seguir.

 

Via Softpedia

Nokia is back! Bom, mais ou menos isso…

by

nokia-logo-black

Nokia is back, baby! Ou quase… mas… e todos aqueles posts que escrevemos falando do fim da empresa? Toda aquela choradeira pelo fim? O luto e revolta de alguns usuários, que não queriam que seus smartphones perdessem o valor de mercado? Tudo isso virou história? De certo modo, sim.

A Nokia está de volta, mas não como desenvolvedora de smartphones. Na verdade, os finlandeses não vão criar uma nova divisão de dispositivos móveis dentro de sua organização. Ela vai emprestar o conceito de seus dispositivos e todo o seu expertise para que outros fabricantes possam montar e distribuir os seus produtos. uma espécie de sublicenciamento da marca e do conceito de design, tal como o Google faz hoje com a linha Nexus (em partes).

Muito provavelmente a nova Nokia deve oferecer dispositivos com o sistema Android, o que pode realizar (também em partes) o sonho de muitos usuários que imaginavam ver o sistema do Google rodando nos competentes smartphones da empresa. Nesse caso em particular, o DNA da Nokia deve ao menos satisfazer essa massa de usuários mais saudosistas, que devem receber o mesmo design e qualidade antes ofertada nos modelos com Symbian e Windows Phone.

E por falar em Windows… onde entra a Microsoft nessa?

Bom, não que a Microsoft tenha alguma coisa a ver com a volta da Nokia. E acho que nem terá, pois não faria o menor sentido os finlandeses realizarem uma nova parceria com a gigante de Redmond. Mas vale lembrar que a marca Nokia ainda é sublicenciada para a gigante de Redmond, que até lançou alguns modelos com a marca ‘Nokia’ nos últimos anos.

Porém, a marca Nokia para a Microsoft já está em amplo processo de reformulação, onde lojas, produtos, serviços e dispositivos são rebatizados para a marca Microsoft Lumia. Um movimento já esperado , uma vez que a Nokia Devices não existe mais.

De qualquer forma, espero algo interessante vindo da nova Nokia. É claro que não podemos esperar a Nokia do passado disputando em um mercado atual que é voraz com os pequenos fabricantes (e, convenhamos, os finlandeses vão começar nanicos nesse aspecto). Mas podemos ao menos pensar que eles vão resgatar aquilo que eles tinham de melhor em conceito e design de produtos.

Uma nova Nokia, que terá uma missão muito árdua: sacudir um mercado mobile que é dominado pelo duopólio do Android e iOS. É um domínio tão acachapante, que nem uma gigante como a Microsoft conseguiu obter um mercado que podemos chamar de significativo (apenas 4%). O Windows Phone não ajudou, e a esperança da gigante de Redmond é que o Windows 10 ajude a aumentar essa fatia de mercado.

Poderia a nova Nokia abalar as estruturas do mercado mobile? Mais: reconquistar os corações dos mais saudosistas?

Respostas em 2016.

Microsoft Lumia 930

by

lumia-930-01

Sim, eu sei… o nome dele originalmente é Nokia Lumia 930. Porém, como você bem sabe, a Nokia (divisão de telefonia) não existe mais, e é uma empresa da Microsoft. Logo, por força das circunstâncias, eu chamo esse dispositivo de Microsoft Lumia 930. Mas isso não importa agora. O que importa é que, na época do seu lançamento, eu já havia gostado desse modelo. E hoje, eu ainda fico de olho nele.

Para começar, é inegável que esse modelo conta com 100% do DNA da ‘finada’ Nokia, e isso torna o dispositivo muito atraente. E não falo isso só no design, mas também na concepção geral do produto. É um dispositivo com um aspecto visual sóbrio, com a já conhecida qualidade de construção dos aparelhos da Nokia, com uma resistência elevada por conta de sua estrutura de alumínio e detalhes bem trabalhados no acabamento.

Tais características fizeram com que muitos usuários se transformassem em fãs da Nokia ao longo de décadas, e o Lumia 930 felizmente herda esses detalhes.

lumia-930-02

O Lumia 930 também é um dispositivo bem ajustado no seu hardware para as necessidades da maioria dos usuários. O modelo conta com um processador Qualcomm Snapdragon quad-core de 2.2 GHz, que são mais que suficientes para trabalhar com o sistema operacional Windows Phone 8.1. Além disso, o dispositivo conta com 32 GB de armazenamento interno, que são suficientes para armazenar aplicativos, músicas, fotos, vídeos e jogos para a a maioria dos usuários ditos ‘comuns’ (os geeks freaks vão achar essa quantidade limitada, mas sempre podemos contar com os serviços na nuvem).

O Lumia 930 conta com uma tela de 5 polegadas, o que é um tamanho excelente para interagir com o sistema operacional da Microsoft, além de permitir uma exibição plena das fotos e vídeos armazenados no dispositivo. Aliás, essa tela também será muito útil para exibir as fotos que você vai registrar no dispositivo, por conta da sua excelente câmera.

lumia-930--05

Temos aqui uma câmera traseira de 20 megapixels, que é competente não por causa da sua capacidade em registrar fotos em elevada resolução, mas principalmente pela tecnologia PureView, que é capaz de oferecer resultados finais de fotos que podem realmente ressaltar os olhos. Sem falar nos recursos de controle e configurações de imagem que são oferecidos no aplicativo de câmera.

Além disso, a câmera traseira do Lumia 930 conta com sistema de estabilização de imagem, flash dual LED para fotos com baixa luminosidade e recurso de zoom que aproxima a imagem sem a perda de definição. E, como ‘cereja do bolo’, o dispositivo ainda possui as excelentes lentes Carl Zeiss, o que torna essa câmera uma das melhores do mercado mobile. O sensor traseiro do Lumia 930 também é capaz de gravar vídeos em HD (achei legal deixar esse registro antes do fim do post).

lumia-930-04

O Microosft Lumia 930 é um smartphone que ainda me atrai. Pode ser uma das melhores relações custo/benefício disponíveis no mercado com Windows Phone. É um dos elegíveis a receber o Windows 10 (a partir do meio do ano), e será muito interessante ver como esse dispositivo vai se comportar com o novo sistema operacional da Microsoft.

Desde que ele não perca o embrião da Nokia, está valendo!

04-botao-clique037-180.jpg

Nokia is back, bitches! (com o Nokia N1)

by

650_1000_nokia_n1

A Nokia voltou. Ok, não é a mesma Nokia velha de guerra, dos smartphones com design incrível, e cheia de fanboys espalhados pelo mundo. Mas a Nokia voltou. Voltou para o mercado do consumidor final, dos eletrônicos de consumo, voltou a ser assunto nos blogs de tecnologia. Com a ajuda do tablet Nokia N1.

É um recomeço. Fico feliz por eles em ao menos tentarem uma volta ao mercado de massa. Eu sempre fui adepto do ‘quanto mais, melhor’, e a saída da Nokia do mercado de smartphones foi uma perda significativa, mesmo entendendo que a culpa foi só da Nokia nesse caso (já que os finlandeses pararam no tempo). Mas isso não importa. O que vale é que temos um novo tablet no mercado, com algumas novidades interessantes, e um design muito familiar (um beijo, iPad mini).

Semelhanças de design de lado, o Nokia N1 já entra para a história como um dos primeiros dispositivos a contar com o conector USB type-C, que é reversível, permitindo a sua conexão nos dois lados. Algo relativamente esperado pela praticidade. Além disso, sua tela de 7.9 polegadas com resolução QHD (2560 x 1440 pixels) é algo que chama a atenção.

Também temos que destacar a presença do sistema operacional Android 5.0 Lollipop com a interface Z Launcher revestindo tudo. A versão dessa launcher para tablets é (por enquanto) exclusiva para o tablet da Nokia, o que pode ser um diferencial que pode chamar a atenção dos usuários que entendem que contar com uma interface otimizada para um tablet é algo melhor do que ter a interface nativa do Android.

650_1000_nokia-n1-android-tablet

O Nokia N1 é um tablet bonito, e que promete ser potente por conta da competência dos processadores Intel. Talvez um ponto ou outro não agrade tanto (como a GPU PowerVR), mas entendo que pelos US$ 250 cobrados pelo dispositivo, está tudo de bom tamanho.

De qualquer forma, temos algo a comemorar: a volta da Nokia aos noticiários de tecnologia, e oferecendo um produto que (teoricamente) chega para competir com os seus equivalentes chineses (olá, MiPad da Xiaomi). O Nokia N1 começa a sua jornada no mercado pela Ásia, para depois ir para outros continentes. Talvez incomode um pouco o fato do produto só ter previsão de ser lançado por lá em fevereiro de 2015 – quem sabe até lá a Nokia decida revelar quando o dispositivo vai chegar aos mercados ocidentais -, mas essa sempre foi a estratégia da ‘velha’ Nokia.

Resta saber se essa estratégia vai dar certo dessa vez.

Aí você me pergunta: o Nokia N1 vai chegar ao Brasil? Não faço ideia.

De qualquer forma… seja bem vinda de volta, Nokia!

650_1000_nokian17_1020_verge_super_wide

Estranho ver os Lumias da Microsoft, e quase não poder citar a Nokia…

by

nokia_lumia_930_range1

Tudo bem, eu não estava lá, mas escrevi sobre o assunto. E foi estranho. Muito estranho. Até mesmo o release de imprensa que recebi da Microsoft soou estranho. Você passa boa parte da sua vida vinculando o termo Lumia à marca Nokia, e agora, quando escreve o Lumia, não coloca o nome dos finlandeses. E é obrigado a criar o vínculo agora com a Microsoft.

Não estou dizendo que a marca Nokia não estava lá. Estava no release oficial, e eu mesmo citei pelo menos uma vez (na minha mente, é claro) o “Nokia Lumia”. Porém, é de conhecimento público que a Microsoft não vai usar essa referência para sempre, e que esse distanciamento vai acontecer de forma gradativa, até que a marca Nokia não mais esteja vinculada ao que antes eram os seus produtos.

Principalmente aqueles que carregam o Windows Phone como sistema operacional.

Agora sim, a ficha começa a cair. Quando começamos a efetivamente lidar com as novas informações que envolve os produtos que eram da Nokia, nos damos conta que a empresa de telefonia finlandesa definitivamente acabou, e que passamos por um período de transição.

Um estranho gosto que fica quando escrevemos apenas “Lumia 630” ou “Lumia 930”. Agora, esses produtos, essas marcas pertencem à nova Microsoft Mobile, que hoje (15) anunciou esses novos modelos no Brasil. Aliás, o Lumia 930 (quase saiu um Nokia antes, desculpe…) é, mais uma vez, um modelo que me despertou real interesse. Feito na medida certa nas especificações, e com uma beleza singular.

Aliás, se você perceber, no canto superior direito do dispositivo, a Nokia ainda está lá. E vai permanecer por algum tempo.

Por mais que vivamos na “era Microsoft” da linha Lumia, eu espero que a empresa de Redmond mantenha a identidade e o embrião Nokia nos seus futuros produtos de telefonia. Tá, eu sei que a maior parte da equipe que vai desenvolver os novos produtos deles vieram da finada Nokia. Mas fica a esperança que Satya Nadella e sua turma não mate de vez toda essa proposta de fazer belos, resistentes e interessantes produtos.

Enquanto isso, eu fico aqui, juntando as moedas para um dia voltar para um antigo amor no mundo mobile. É uma questão de tempo agora…

Adeus, Nokia. E obrigado!

by

650_1000_nokia-adios

Agora sim, acabou. Hoje, 25 de abril de 2014, chegou ao fim a mítica história da Nokia no mundo da telefonia móvel. Com o nascimento da Microsoft Mobile, chega ao fim uma das eras mais lendárias da história da tecnologia, que vai deixar saudades e muita gente órfã de uma das marcas mais amadas do mercado. E, por incrível que pareça, eu me incluo na massa dos saudosistas.

Tudo bem, eu já escrevi um posto falando sobre o fim da Nokia. Mas hoje, é diferente. O sentimento hoje é que não tem mais volta. É como se você perdesse algo muito importante na sua vida, do seu passado. No meu caso em particular, eu me remeto mais aos momentos do meu passado que estão relacionados ao universo da marca do que os mais recentes momentos, que não são tão bonitos assim. Mas isso não importa.

Eu definitivamente me inseri no mundo da tecnologia e mobilidade por conta da Nokia. E acho que todo mundo que faz parte da minha geração de geeks também. Foram vários e vários modelos da empresa, onde a maioria deles surpreendeu pela resistência, qualidade de sinal, qualidade de áudio, design, construção geral e desempenho. Podemos dizer que, entre sucessos e fracassos, os smartphones da Nokia eram muito bons. Alguns dos melhores dispositivos da história passaram pelas mãos deles. E isso não é pouco.

O primeiro evento de tecnologia que participei como blogueiro foi da Nokia (Nokia Expedition II, 2009). Eu fui para São Paulo com uma alegria imensa, pois era um trabalho que começava a ser reconhecido. Conheci pessoas que hoje são meus amigos, e não apenas colegas blogueiros (tudo bem, alguns só são colegas mesmo, pois não preciso chamar de amigo alguém que eu só suporto). Também conheci algumas das pessoas que eu admirava e admiro até hoje nesse universo tecnológico.

Sem falar que, até hoje, as pautas da Nokia sempre são algumas das mais visitadas pelos leitores do TargetHD. Não acho que isso vai mudar, mas como não sabemos o que a marca vai virar… bom, vamos dar tempo ao tempo.

650_1000_nokia-1100

Mas a verdade é uma só. Acabou. Infelizmente.

A marca que promoveu o “Connecting People”, e alcançou esse objetivo de forma tão plena e eficiente. Foi através da Nokia que não fiquei sem sinal quando mais precisava. Foi por um celular Nokia que mandei o meu primeiro e-mail a partir de um dispositivo móvel. Acessei a internet em EDGE pela primeira vez. Minhas primeiras mensagens pelas redes sociais. Enfim, efetivamente comecei a me conectar com o mundo. Me aproximar das pessoas.

Se eu comecei a escrever sobre tecnologia na internet  por conta do lançamento do iPhone, eu posso dizer, sem medo de errar, que só me tornei um viciado em tecnologia por causa da Nokia. Por conta disso, eu sou grato. Mudou minha vida de forma decisiva. Me deu um caminho a seguir. Bom, pelo menos encontrei uma forma de realizar sonhos e planos, trabalhando com tecnologia de forma prazerosa.

Tudo bem, os caminhos depois disso foram meio tortuosos. Quando você vê a marca parar no tempo, e todos os demais avançarem, a tendência natural foi abandonar o antigo amor, e apostar em novas e interessantes propostas. Até mesmo a assessoria de imprensa da Nokia Brasil “deu de ombros” para os meus blogs, quando comecei a evidenciar os problemas que a marca apresentava, com decisões equivocadas e lançamentos sem sentido. Mas nada disso importa.

O que importa… é que fica aquele gosto amargo do adeus. E aquele sentimento de gratidão que os fãs da marca vão carregar para o resto da vida.

O fim da Nokia representa o fim de uma era quase romântica do mundo da tecnologia. Representa o fim de uma fase onde, para muitos, foi onde tudo começou. Representa o tal “sinal dos tempos”, onde as opções se tornam mais escassas. Mas também representa a mudança. O novo. E precisamos olhar para esse momento com atenção. Estamos presenciando a história sendo escrita.

Por isso… obrigado, Nokia. Muito obrigado por fazer parte da minha história de vida. Obrigado por tornar esse mundo mais conectado. Por me aproximar das pessoas. Por me ajudar a fazer com que os meus blogs recebessem mais visibilidade. E principalmente: por me fazer ser um apaixonado por esse mundo louco de tecnologia. Isso, para mim, não tem preço. E se tivesse, não poderia pagar essa dívida de gratidão jamais.

Adeus, Nokia. E muito obrigado!

Nokia Lumia 930: esse eu curti!

by

Lumia930-MixRadio-in-line

A minha relação com a Nokia nos últimos anos é bem estranha. Cheia de idas e vindas, a sua assessoria de imprensa não dando a mínima para o TargetHD, eu não recebo produtos deles para reviews… mesmo assim, a marca é uma das que mais traz visitantes para o blog, e faz muito tempo que eu não “pago um pau” de forma tão forte e consistente para um lançamento deles como eu estou fazendo para o Nokia Lumia 930.

Levando em conta que ele é uma espécie de “atualização” do Nokia Lumia Icon (que só existe nos Estados Unidos, pela operadora Verizon), podemos dizer que esse é um modelo “novo”, feito na medida certa para os geeks mais convictos. Calma, não precisam me xingar/bater/ofender a minha mãe. Eu sei que o Windows Phone ainda está melhorando (e com a versão 8.1 anunciada ontem, vai melhorar ainda mais), e que não se compara com o conjunto da obra oferecido pelo Android e iOS. Mesmo assim, senti tesão ao ver esse smartphone ser anunciado.

Um design atraente, industrial, com linhas retas, que chamam a atenção pela sensação de solidez que o produto passa. Um conjunto técnico top de linha (tela AMOLED de 5 polegadas – 1080 x 1920 pixels, 440 pixels por polegada -, processador quad-core Qualcomm Snapdragon 800 de 2.3 GHz, 2 GB de RAM, 32 GB de armazenamento, WiFi a/b/g/n/ac, Bluetooth 4.0, 4G LTE, NFC, câmera PureView, com um sensor de 20 megapixels, conjunto de lentes Carl Zeiss com estabilização óptica – OIS – e flash LED duplo, quatro microfones para captação do som ambiente, câmera frontal de 1.2 megapixels,bateria é de 2.240 mAh e sistema de recarga de bateria sem fio), e todos os diferenciais da Nokia na parte de software são argumentos muito bons para ao menso pensar nesse produto.

1200-nokia_lumia_930_family

Não quero me empolgar muito com a Nokia. Quero manter o tom de sobriedade e serenidade diante de um lançamento que considero promissor. Porém, é quase impossível conter o desejo para que esse produto seja bem sucedido no mercado. Diferente do lançamento do Nokia com “Android”, o Nokia Lumia 930 me deixou bem empolgado. É a Nokia que aposta alto (nada contra os mercados de entrada), que oferece algo top, com elevada qualidade.

Talvez a má notícia é que esse produto deve chegar ao Brasil custando o meu rim, e até lá, eu ainda estarei pagando pelo meu LG G2 (que só chega no meio do mês de abril… infelizmente…). Mas se eu estivesse com a grana hoje para jogar na tela do notebook, berrando “SHUT THE F*CK OFF, AND TAKE MY F*KING MONEY!!!” em busca de um smartphone com Windows Phone para chamar de “meu”, esse modelo, hoje, seria o Nokia Lumia 930, sem pensar duas vezes.

MWC 2014 | A Sony lançou um monte de produtos legais, mas… na mesma hora da Nokia? #fail

by

sony-xperia-z2-10

Essa foto parece até um simbolismo do que foi a manhã de hoje (24), com os anúncios da Sony na Mobile World Congress 2014. Nada contra o pessoal da Sony, e quem sou eu para determinar quando os fabricantes devem anunciar as suas novidades em um evento de mobilidade. Porém, é impossível não destacar que é um grande erro fazer anúncios no mesmo momento que a Nokia está apresentando nada menos que o seu primeiro smartphone com o sistema Android (ou algo que o valha, já que não é tão Android assim…).

O duro é que os lançamentos da Sony de hoje são interessantes: um novo smartphone top de linha (Sony Xperia Z2), um novo tablet à prova d’água (Sony Xperia Z2 Tablet), um novo modelo de linha média (Sony Xperia M2), uma pulseira que monitora todas as atividades do usuário (Sony SmartBand) e até o smartphone dual-chip mais potente do mercado (Sony Xperia T2 Ultra Dual). Ou seja, foi para Barcelona chutar bundas, certo?

Ok… mas resolvem fazer isso quando Stephen Elop, em um dos seus últimos eventos como CEO da Nokia, apresenta o Nokia X, o smartphone “que roda apps do Android” (como a Nokia preferiu dizer várias e várias vezes durante o evento de lançamento hoje)? Não só um, mas TRÊS modelos com as mesmas características (Nokia X, Nokia X+ e Nokia XL), onde todos estão discutindo até agora se serão sucesso ou fracasso?

Sério mesmo, Sony? Lamento dizer, mas foi um chute no vácuo, e não na bunda da concorrência!

Não custava esperar pelo menos duas horas para liberar os releases de imprensa? Falo por conhecimento de causa: monitorando os acessos do TargetHD, os posts sobre as novidades da Nokia na MWC 2014 estão liderando as visitas do dia. Só agora (14h em diante) que o pessoal começou a se lembrar do que a Sony apresentou na feira de Barcelona. E isso é bem natural: mesmo com a Sony mostrando produtos legais e interessantes, é muito mais assunto ver a Nokia tentando conquistar o mercado de entrada de smartphones com um modelo que precisa enfrentar os Androids de entrada no modo “cabeça a cabeça”.

Um conselho, Sony? Não precisa ter pressa. Da próxima vez, faça como a Samsung: ocupe o último horário do dia em Barcelona, e faça um evento de apresentação sem precisar disputar pautas com (quase) ninguém. Sem aviso prévio, e disputando com um evento em andamento, dificilmente as pessoas darão prioridade para as suas novidades.

E olha que eu quero escrever sobre os lançamentos da Sony (e fiz isso no TargetHD). Mas diante das variáveis…

Sorry, Sony. Pense em tudo o que eu escrevi aqui da próxima vez…

MWC 2014 | O Nokia X, com Android, é real. Mas… era desse jeito que você queria?

by

nokia-x-family-01

A Nokia fez todo mundo acordar cedo (na Espanha e no Brasil… 4h30 da manhã…) para mostrar as suas novidades na Mobile World Congress 2014. A mais esperada delas foi confirmada: a Nokia abraçou o Andorid e chamou de seu, em forma de não um, mas três smartphones: Nokia X, Nokia X+ e Nokia XL.

Desses, apenas o Nokia XL não vazou antes do tempo, e só se diferencia dos demais pelo tamanho de tela (5 polegadas). Já os novos Nokia X e Nokia X+ já eram mais que esperados, e mais uma vez, todos os vazamentos foram confirmados, exatamente do jeito que todos vocês ficaram sabendo em sites especializados em tecnologia. Inclusive a presença do Android no smartphone.

Android? É isso mesmo? Com essa cara?

Bom, por partes.

A Nokia utilizou um “fork”,  ou seja, criou a sua versão do Android, se aproveitando do projeto AOSP (Android Open Source Project), que prevê a possibilidade dos desenvolvedores de dispositivos modificarem completamente a interface do sistema operacional, sem precisar depender dos serviços da Google. A estratégia foi a mesma que a Amazon utilizou para os seus tablets Kindle.

Tudo isso é válido e legal. A Google não está sendo lesada com isso, como alguns já andam dizendo de forma errônea. Talvez o maior prejuízo é não poder contabilizar essas unidades da linha X nas sua crescente contagem de dispositivos Android ativos, pois os mesmos não devem acessar a Google Play Store, e sim uma solução determinada pela Microsoft.

Porém, depois de ter a confirmação do Nokia X (e do Nokia X+… e do Nokia XL…), veio a pergunta na minha cabeça…

Será que era isso que os fãs da Nokia sempre sonharam?

Uma coisa que ficou mais do que clara: a Nokia está com os dois pés fincados no mercado de entrada, com lançamentos com perfis diferentes para os mercados de baixo custo. E o Nokia X é uma prova clara disso. Não só no preço (o modelo mais caro tem preço estimado de apenas 109 euros, ficando abaixo de um smartphone de linha média), mas principalmente nas suas especificações técnicas.

Olhando friamente para o Nokia X, ele não tem um hardware potente o suficiente para bater de frente com, por exemplo, o Motorola RAZR D3, que foi lançado no ano passado. Tá, ok, forcei a barra: ele se equipara ao RAZR D1, com algumas pequenas diferenças. A principal delas? A experiência que a Nokia/Microsoft quer oferecer ao consumidor, similar ao Asha.

Mas… de novo: você, fã da Nokia, que sempre sonhou com um Nokia Android… era isso o que você queria?

Pelo andar da carruagem, não teremos um Nokia top de linha com o sistema Android. Os modelos com hardware mais avançado, que com o Android poderia ser considerado o smartphone (quase) perfeito, ficarão mesmo com o Windows Phone (apesar da própria Microsoft também dar foco para os modelos de entrada no Windows Phone 8.1 Update 1…), enquanto que os modelos de entrada ficarão com o “fork” Android no estilo Asha.

E eu não tenho certeza se era isso que você estava sonhando quando pensou em um Nokia com Android.

Não acho que há decepções nesse aspecto. A Nokia está fazendo o que precisa ser feito: oferecendo opções no mercado onde eles estão vendendo bem. Entendo que o grande diferencial do Nokia X é não ficar dependendo da boa vontade dos desenvolvedores para oferecer seus aplicativos para o Windows Phone. Agora, basta dizer “estamos aqui… #vemnimim”, e pronto. Se vai dar certo ou não, só o tempo vai dizer.

Mas com certeza alguns vão ficar com um vazio no coração, pensando: “e se fosse o Android puro… e se fosse em um Nokia 920…”.